A serra gaúcha afunda

10 10 2011

Apesar do título soar trágico e do fato de que, apesar dos pesares, a nossa região ainda carrega um baita piano comparativamente a outras áreas do nosso Estado, a malha rodoviária é de chorar. O inverno é um período crítico para nossas estradas, pois quase todos os anos o volume de chuvas nesta época é significativo e ajuda a danificar bastante as estradas e, a ausência de dias de sol dificulta as obras de restauração, por mais básica que sejam.

No entanto, me parece que muitas vezes isso é apenas uma desculpa para não fazer o que não se poderia deixar de lado. Tivemos vários dias de sol nestas últimas duas semanas e trechos absolutamente esburacados na RS 470, especialmente entre Bento Gonçalves e Garibaldi, continuaram cheios de buracos (apenas no final da semana passada houve algum trabalho neste sentido, que não está completo ainda).

Na minha opinião, é particularmente grave a situação na RS 453 (entre Farroupilha e Bento Gonçalves) e na RS 470 em quase TODA a sua extensão pavimentada, desde Nova Prata até Montenegro. Apesar de eu já ter sugerido neste blog que membros do DAER utilizassem rodovias esburacadas com mais frequência, para que elas fossem corrigidas, eu convido o Excelentíssimo Governador Tarso Genro a percorrer a RS 470, indo e voltando por ela. Vergonha intensa é a única reação aceitável.

Neste fim de semana, fomos passear e almoçar na cidade vizinha de Farroupilha. Para ir até lá, nós utilizamos uma estrada vicinal, chamada de VRS 313. Apesar de estreita e sem acostamento, o movimento nessa rodovia não é desprezível, devido ao bom fluxo entre as duas cidades. Até algumas semanas atrás, o estado desta estrada estava abaixo do deplorável, em alguns trechos os buracos cobriam toda a largura de ambas faixas. Menos mal que taparam alguns buracos e ela voltou a ser transitável, exceto na chegada a Farroupilha, que ainda contém muitos buracos.

Depois de Farroupilha, decidimos dar uma volta pelo Vale dos Vinhedos, para isso, usamos a RS 453. O último recapeamento nesta rodovia ocorreu há menos de um ano, creio eu, mas alguns trechos apresentam buracos bastante fundos. Em dias de chuva, podem danificar não apenas os pneus, mas as rodas também. Mas a cereja do bolo estaria por vir…

Seguimos a RS 444, que cruza o Vale dos Vinhedos, desde Bento Gonçalves até Monte Belo do Sul. Este vale valorizou-se muito nos últimos 20 anos, sendo que o investimento imobiliário cresceu enormemente nesta área. No entanto, não há palavras para descrever a qualidade da estrada. Dá muita, mas MUITA VERGONHA de rodar por uma região naturalmente belíssima, que encantaria a qualquer turista de qualquer parte do mundo, numa estrada onde praticamente não se passa 500 m sem encontrar um ou mais buracos. Para quem tinha circulado há pouco tempo numa área parecida, porém na Itália, a diferença era muito gritante.

Sério DAER. Sério governo do Estado do Rio Grande do Sul. É assim que vocês acham que vamos nos desenvolver turisticamente? Não inventem mais desculpas – próxima vez que vocês forem trabalhar nestas rodovias aqui da Serra, usem material de ALTA QUALIDADE, que dure muito mais. A realidade das áreas montanhosas é diferente das planícies, coloquem isso na cabeça de uma vez por todas. Sem desculpas.

Anúncios




Pergunta rápida e retórica

10 10 2011

É legal colocar seguranças na entrada de uma agência bancária para impedir funcionários de entrar e trabalhar?