Tempo escasso

14 09 2009

Embora possa parecer que eu esteja me referindo ao pouco tempo que resta ao Grêmio para tentar se recuperar no campeonato brasileiro, na verdade estou falando do MEU escasso tempo para fazer posts mais decentes. Por isso, apenas para marcar a data, quero comentar rapidamente sobre a vitória de 2×0 do Grêmio no Náutico, fora de casa, finalmente.

O Grêmio não fez grande partida – e não precisava. Claro que seria melhor ter jogado mais, até porque cansaço não é um problema num grupo que tem jogado só uma partida por semana nos últimos tempos. Mas foi objetivo e conseguiu fazer dois gols nas praticamente únicas conclusões que teve no jogo – teve algumas poucas mais no primeiro tempo. No segundo, praticamente assistiu ao Náutico.

O Náutico assustou no primeiro tempo, exigiu algumas grandes defesas de Victor. No segundo tempo, houve um paradoxo: o jogo foi MEIA-LINHA, com o Náutico atacando sem parar e o Grêmio só se defendendo. Porém, o Náutico NÃO CONCLUIA A GOL. Aparentemente o tricolor arrumou sua defesa, que estava vazando um pouco na primeira etapa.

Tcheco fez um primeiro tempo de qualidade, sendo dele as assistências para os dois gols, de Souza e Jonas. O segundo gol, do artilheiro do campeonato (12 gols, junto com Adriano), foi realmente bonito. Além dos gols, teve uma conclusão do Tcheco que me chamou a atenção.

Maxi Lopez somente participou positivamente no primeiro gol, tirando a marcação de Souza. Fora isso, foi trombador, não acrescentou nada e ainda foi expulso idiotamente. O cara fica um tempão fora do time por lesão e agora vai ficar mais um jogo de molho. Lamentável.

O que posso dizer é que foi bom que o Grêmio finalmente ganhou, mas não dá pra sair dando graças a Deus. Estes 3 pontos basicamente foram uma espécie de compensação pelo empate contra o Vitória. Precisaria vencer mais jogos fora para conseguir, de fato, recuperar posições e pensar em ficar entre os 4 primeiros.

Sobre a rodada: sem dúvida ela coloca mais um time como favorito ao título. O de sempre.

P.S.: 106 anos NO LOMBO, mas pareces um gurizinho. Parabéns Grêmio!





25 anos… tá na hora de outro, não?

11 12 2008

“o Grêmio vai ser campeão do mundo
o Rio Grande do Sul vão viver uma madrugada que não terminará
antes do sol nascer” (Armindo Antônio Ranzolin)

Eu passei minha infância e minha adolescência ouvindo um EP, disco vinil compacto, contendo um compacto da narração do lendário jogo entre Grêmio e Hamburger SV, no estádio Nacional de Tóquio, no dia 11 de dezembro de 1983. Na época, apesar dos meus 9, 10 anos, parecia que fazia um tempão que isso tinha acontecido. Claro, fazia pouco tempo que eu existia. E, evidentemente, não haveria de lembrar daquele jogo, especialmente porque aconteceu de madrugada e eu ainda faltava 1 mês e pouco para eu completar 4 anos.

Enquanto meu irmão e eu dormíamos, meu pai chorava na frente da TV.

Eu imagino quanto não deve ter sido difícil para o seu João passar sua adolescência e juventude torcendo pelo Grêmio. Nos anos 60, o Grêmio teve força, mas nos 70 foi absolutamente subjugado pelo Internacional. Ele teve que aguentar uma década praticamente inteira sem ganhar campeonato gaúcho e vendo o clube do povo vencer 3 campeonatos brasileiros. Nunca perguntei-lhe sobre isso (taí algo a fazer), mas tenho certeza de que não foi fácil.

Imagino também que o Grêmio não era considerado um clube pequeno, apesar disso, pela importância que o RS sempre teve no Brasil e também pelas rivalidades que vinham sendo criadas nos Robertões e jogos avulsos, anteriores a 1971, quando o campeonato brasileiro foi criado. Talvez era considerado um clube como hoje é o Coritiba, por exemplo.

No entanto, a década de 80 mudou tudo. Claro, eu NASCI (ns). Já em 1981 veio o primeiro título brasileiro. Em 1982, uma péssima campanha da Libertadores, mas o vice-campeonato brasileiro, enfrentando bravamente o Flamengo de Zico, Júnior e Nunes. Já em 1983…

Para nós, gremistas desta geração, é difícil imaginar uma situação em que os colorados tinham ampla vantagem em termos de “motivos para corneta”. Em 1983, o Inter tinha 3 títulos brasileiros, sendo o último, invicto (apesar da ausência de clubes paulistas naquele certamente – fato nunca comentado pelos vermelhos). O Grêmio recém tinha conseguido seu primeiro e perdera o segundo título em casa, o que deve ter rendido boas chacotas.

Assim como 2006 é um divisor de águas para a “metade menor” vermelha do RS, 1983 foi um ano marcante para a grande nação tricolor. De um só TALAGAÇO, o Grêmio inverteu sua condição hegemônica no Rio Grande do Sul, ao conquistar a América e o MUNDO, dois fatos até então inéditos no Estado. Sem falar na significativa melhora da AUTO-ESTIMA gremista, que meteu 7 campeonatos gaúchos em sequência naquela década, que ainda seria fechada com a inédita Copa do Brasil, em 1989, recém-criada e inaugurada pelo Grêmio copero.

Mas, eu dei a letra no título… já é hora de um novo caneco. Ele escapou de nossas mãos em 1995, nos erros de cobranças de pênaltis de Dinho e Arce – incrivelmente, nossos melhores cobradores naquela ocasião. Estivemos perto de cobiça-la ano passado, ao não vencer o Boca Juniors na final da Libertadores.

É hora de pararmos apenas de relembrar aquele fabuloso título de um quarto de século atrás. É hora de ganharmos o mundo, novamente.

PARABÉNS AO GRÊMIO, PELOS 25 ANOS DA CONQUISTA DO MUNDO.





Parabéns, tudo!

28 10 2008

No Central Park. Sim, ela é colorada... :(

Hoje é o aniversário da minha queridíssima esposa, Gra. Ela, que não é leitora do blog (apenas ocasionalmente, quando eu a lembro), tem papel FUNDAMENTAL no sucesso (?) deste. O papel é muito simples.

Se ela não existisse, eu também não.

Simples assim.

No dia 20 de outubro de 2000, roubei um beijo, dentro do ônibus que voltava da Unisinos (saudades). Já sabia que o aniversário seria 8 dias depois, casualmente, num sábado. Meu amigo, José Mathias (Zema) também faz aniversário nesta data (um abrasssssss) e tinha me convidado para a festa. Nós aparecemos lá, de mãozinhas dadas… Foi a apresentação oficial do nosso namoro para a turma.

8 anos se passaram. 6 deles (ou seriam 5?), com aliança. 3 deles, na mão esquerda.

A formula da felicidade continua a mesma. Algo muda, não há como não mudar. Hoje somos dois, sem muita demora, três. Talvez quatro. ;)

Feliz aniversário, minha vida! Que sejam mais uns 81, pelo menos.





Parabéns, tricolor!

15 09 2008

Pelos seus 105 anos de vida.

Não canso de dizer que ESTOU CONTIGO e tenho absoluta certeza de que SAIREMOS CAMPEÕES.





3 anos de MUITA felicidade

10 09 2008

Sim, eu já havia escrito, há uma semana, que fazia 3 anos que eu havia casado. NO CIVIL. Agora, são 3 anos EFETIVOS, já que nossa cerimônia religiosa foi realizada no dia 10/9/2005. Obviamente, tratava-se de um sábado, de chuva fina e temperatura em declínio.

A Gra e eu quisemos fazer uma linda festa. Não seria algo digno de menção no Programa Amaury Júnior, nem nas páginas sociais da Zero Hora ou do Correio do Povo. Mas desejávamos que fosse um evento divertido, um pouco diferente do usual e agradável aos nossos mais de 300 convidados, recepcionados no salão nobre do Clube União Cruzeiro-Rio Branco – logo ao lado da Igreja Matriz de Carlos Barbosa, onde a cerimônia foi realizada.

Além de tudo o mais, o dia 10/9/2005 serviria como a “estréia” de nosso apartamento, que já havia sido adquirido por nós dois e vinha sendo mobiliado, aguardando pela data de nosso casamento. Assim como o casamento foi precedido de um noivado – algo considerado antiquado pelos padrões atuais – nós fomos ainda mais antiquados ao decidir que só sairíamos das casas de nossos pais no exato dia do casamento. Assim, em torno das 4 da manhã, após a festa, fomos passar nossa primeira noite em nosso novo apartamento.

Gra visivelmente tirando onda da minha canastrice...

Nestes 3 anos, nem todos os momentos foram fáceis. Mas posso dizer, sem medo de errar, que estar casado com a Gra foi A MELHOR COISA QUE PODERIA TER ACONTECIDO NA MINHA VIDA. E, com toda a sinceridade do mundo, sinto que isso não acabará.

Parabéns vidinha! Te amo muito! Que sejam mais 30, ou mais 300.





Há 3 anos…

3 09 2008

… a Gra e eu nos casávamos no civil. O primeiro passo para felicidade.

Parabéns vidinha!





Parabéns

29 07 2008

25 anos atrás…

Nada pode ser maior

Nada pode ser maior

Parabéns Grêmio.

(foto extraída do site Impedimento)