89%

29 04 2009

Ontem o Grêmio goleou o Boyacá Chicó por 3×0 e garantiu seus 16 pontos em 18 disputados, valendo-lhe a melhor campanha da primeira fase da Libertadores. O grupo era fraco e era imperativo impor-se. Não por menos, obteve 5 vitórias em 6 jogos, sendo que naturalmente teriam sido 6 em 6, não fosse o acidente geológico da primeira rodada.

Já tinha dito que, depois do jogo do Aurora, não seria absurdo se o Grêmio vencesse os 3 jogos que faltavam. E foi o que aconteceu. Estou até assustado com a minha previsão acertada.

Por isso, faço outra, o Grêmio sairá campeão desta Libertadores. Apenas para registro.

Não posso falar muito do jogo, pois 2 dos 3 gols aconteceram enquanto eu ainda levantava pesos, reclamando a cada exercício. Mas logo voltei pra casa e consegui assistir ao terceiro gol, pelo menos. Na hora me deu a impressão de impedimento do Léo, mas depois ficou claro que ele estava atrás da bola no momento do cruzamento.

é pilhaaaaaaa! (foto Valdir Friolin/RBS)

"é pilhaaaaaaa!" (foto Valdir Friolin/RBS)

Antes do terceiro gol, eu também pude ver uma linda jogada dentro da área, iniciada por um passe de calcanhar de Máxi Lopez para Souza, que tocou para Jonas, que girou e mandou por cima. Teria sido o mais lindo gol de todos, apesar dos dois tentos do Souza terem sido interessantes, especialmente o primeiro (sem querer, certo).

No primeiro tempo, o Grêmio jogava fácil e entrava como queria na defesa chicoense (ou seja lá como se diz isso). No segundo tempo recuou o time e permitiu ao Boyacá tentar alguma coisa. O lance do pênalti, assim como algumas outras jogadas do time colombiano foram visivelmente facilitadas pela sonolenta defesa tricolor. Eu seria insolente se não admitisse que o jogo estava ganho e o relaxamento era natural. Só espero que isso não ocorra em jogos decisivos.

Nem me importei quando Caneo marcou o gol de pênalti, mas o juiz Jorge Larrionda mandou voltar, por causa da invasão de outro jogador do Boyacá Chicó. Aí Victor fez o certo, foi para o lado onde o jogador chutou da primeira vez – a maioria dos cobradores de pênalti repetem o lado. Bingo!

Continuo não entendendo porque Rospide continua colocando Orteman no segundo tempo. Será que eles querem manter o uruguaio no grupo? Eu realmente espero que não, pois sempre joga mal.

Enfim, vitória e primeiro lugar na classificação geral. Agora é esperar pelo próximo adversário que poderá ser o Defensor Sporting de Montevideo (a pronúncia é deFÊNsor) ou Universidad San Martín de PORRES, do Peru. Por enquanto o time uruguaio é o pior segundo colocado, mas o San Martín jogará amanhã contra o River Plate e, caso perca por 2 gols de diferença, ficará com saldo -1 e, consequentemente, ficará na última colocação entre os classificados.

Nada sei sobre o San Martín, mas classificar-se com uma rodada de antecipação no grupo que tinha Nacional do Uruguai e River Plate não é fácil. Já o Defensor eu pude ver parcialmente dois de seus jogos, contra o SPFC, tive a impressão de um time organizado, mas fraco tecnicamente. No entanto, a forma como se classificou, marcando o gol decisivo aos 46 do segundo tempo, pode ter injetado grande ânimo na torcida violeta.

O segundo colocado do grupo do Grêmio foi a Universidad de Chile, como eu já imaginava. Porém, não da forma como aconteceu. Aparentemente o único time que conseguiu golear o Aurora em Cochabamba foi o Chicó, talvez porque manda seus jogos em altitude semelhante à da cidade boliviana. La U teve as mesmas dificuldades que o Grêmio: saiu ganhando, cedeu o empate e conseguiu a vitória quase terminando o jogo. Caso tivesse permanecido a igualdade, o Boyacá teria se classificado.

Hoje o jogo entre Colo-Colo e Palmeiras é o grande confronto da rodada, pois ambos times estão com chances de classificação. O time chileno joga pelo empate. Já ao Palmeiras, só a vitória interessa. A LDU está eliminada e o Sport já está classificado. O segundo classificado sairá do confronto em Santiago.





Noite de tudo ou nada

11 03 2009

Não gosto muito dos climas de “urgência”, às vezes divulgados pela imprensa sem verdadeira necessidade. Mas é compreensível que se produza um ambiente de absoluta necessidade de vitória no jogo de hoje à noite, na cidade colombiana de Tunja, contra o Boyacá Chicó.

A sequência de resultados ruins iniciada no empate em casa contra a Universidad de Chile (o pior de todos, em minha opinião) e consolidada com a covarde derrota no Grenal (quando o Grêmio não jogou um ovo) e depois com o empate em casa com o Ypiranga de Erechim e derrota em Santa Cruz do Sul, contra o Santa Cruz, deixou o tricolor gaúcho num clima extremamente ruim. A sensação que está difundida entre os jogadores e a torcida é de que nada está dando certo, apesar dos esforços. De fato, a estreia gremista na Libertadores foi o melhor exemplo disso, quando o time criou UM MILHÃO de oportunidades de marcar e não conseguiu estufar as redes adversárias.

Garnero, a cabeça do Chicó

Garnero, a cabeça do Chicó

O técnico chicoense (ou seja como se poderia chamar isso), Alberto Garnero, ex-jogador da seleção colombiana e amigo de Valderrama, concedeu entrevista à Zero Hora, chamando o Grêmio de “potência mundial” e paga pau pros brasileiros do começo ao fim. Claro que o que ele disse é verdade, especialmente a parte sobre a potência, mas ele também está tentando transferir a responsabilidade para o adversário. Ele deve estar informado sobre a má-fase do tricolor e tentará aproveitar isso em seu favor.

Portanto, hoje o Grêmio tem que jogar com inteligência, para vencer o adversário colombiano, que é líder do campeonato nacional. De todas formas, desconhecemos a qualidade deste time, já que o jogo contra o Aurora não serve muito como referência.

O pior é que provavelmente eu não conseguirei assistir ao primeiro tempo, pois tenho que ir a Caxias. Mas espero poder assistir à maior parte do jogo.

P.S.: Nem vou comentar o filme “Kicking dead GUAIPECAS”, que passou ontem no PFC. Muito TRASH.