Duplica RS

3 09 2008

Poderia tentar escrever sobre algo que pouco sei. Mas deixo para os mais especializados. No link, tem a transcrição de um blog de um cara de Caxias que fala sobre os contratos de pedágio e as informações que poucos sabem.

As informações coletadas pelo Agenor Basso são muito valiosas. E apavorantes, para dizer o mínimo. É evidente que o “favorzinho” feito pela Sulvias, que construiu o trecho que liga a Estrada do Mar diretamente à Freeway, não será à toa.

É fundamental ficarmos atentos a isto e nos manifestarmos, caso a decisão seja aquela que já imaginamos. Panelaço DJÁ!

Só pra ilustrar, alguém já viu isso?





Yeda dá chilique

29 08 2008

Conforme noticiado no Nova Corja e no Blog da Rosane, a desgovernadora Yeda teve uma inesperada reação quando questionada pelo repórter da Rádio Gaúcha, Felipe Chemale, sobre o financiamento da recém-inaugurada obra de acesso à Freeway (BR-290) pela Estrada do Mar (RS-389), permitindo aos motoristas evitar aquele indesejado trecho da RS-030 que, apesar de curto, sempre costuma estar congestionado, pelo acúmulo de automóveis que saem de Tramandaí e Imbé em direção a Porto Alegre.

O questionamento foi feito, com toda a razão, porque a obra foi executada pela Sulvias, uma concessionária de rodovias (pedágios). O curioso é que a Sulvias NÃO É a concessionária responsável pela Freeway, que é administrada pela Concepa.

A questã, levantada pela Nova Corja, é justamente um projeto que será deflagrado com maior intensidade após as eleições municipais – o DUPLICA RS.

Coincidência? AI DON TINC SOU.





Para descontrair a sexta

22 08 2008

Succionado sem a menor autorização do Blog do Kayser. Não me proce$$e, por favor.





Governo Federal: cabide de empregos

20 08 2008

No grande oba-oba gerado pela prosperidade internacional, ressaltada nos últimos 4-5 anos, corte de despesas não é prioritário pelos governos por aí afora. Este comportamento não é absurdo, na verdade, é realizado pela maioria das empresas privadas brasileiras que, em tempos de grande demanda e facilidade na colocação de seus produtos no mercado, não se preocupam excessivamente com eventuais problemas na gestão e no controle de custos e despesas. Somente quando há crise e recessão, estas práticas voltam à voga (não raro, demasiado tarde).

O governo Lulla não tem sido diferente. Recentemente tivemos a notícia da criação, por Medida Provisória, do MINISTÉRIO DA PESCA E DA AQUICULTURA, que gerou cerca de 300 cargos sem concurso. Agora temos a notícia de que o governo criará nova estatal para do petróleo pré-sal, recém descoberto na bacia de Santos e não totalmente viabilizado para exploração (depende de estudos mais avançados).

Os defensores desta decisão, aparentemente já tomada pelo presidente, afirmam que a idéia é basear-se no modelo adotado por países como a Arábia Saudita (baita democracia) e Noruega (país que certamente sofre muito com a corrupção, como é de se praxe nos países nórdicos). Dizem eles (os defensores) que a estatal não deverá ter mais do que 30 funcionários (duvido).

Para reforçar a minha indignação, segue lista de Ministérios, secretarias da presidência com status de ministério e órgãos com status de ministério:

Ministérios (23): Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Cidades (MCidades), Ciência e Tecnologia (MCT), Comunicações (MC), Cultura (MinC), Defesa (MD), Desenvolvimento Agrário (MDA), Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Educação (MEC), Esporte (ME), Fazenda (MF), Integração Nacional (MI), Justiça (MJ), Meio Ambiente (MMA), Minas e Energia (MME), Planejamento Orçamento e Gestão (MP), Previdência Social (MPS), Relações Exteriores (MRE), Saúde (MS), Trabalho e Emprego (MTE), Transportes (MT) e Turismo (MTur)

Secretarias da presidência com status de ministério (8): Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca (SEAP), Secretaria de Comunicação Social (SeCom), Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH), Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SEPM), Secretaria Especial de Portos (SEP), Secretaria-Geral da Presidência (SG) e Secretaria de Relações Institucionais (SRI).

Órgãos com status de ministério (6): Advocacia-Geral da União (AGU), Banco Central (BACEN), Casa Civil da Presidência da República (CC), Controladoria-Geral da União (CGU), Núcleo de Assuntos Estratégicos (NAE) e Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

Total: 37

Sinceramente, não precisa de tantos. Especialmente as secretarias, a maioria não tem o menor sentido, poderiam perfeitamente ser absorvidas por outros ministérios. Mas não é essa a política do Presidente Lulla, que prefere dar emprego a seus compadres.

Aposto que o POVO não concordaria com esta política. Mas é o POVO que insiste em dizer que Lulla é “um dos nossos”.





Transcrições de diálogos no Bovinão

15 08 2008

Gentem, tem umas transcrições de diálogos geniais, no Zero Hora. É de chorar de rir (e um pouco de vergonha também). Se vocês já tinham lido isso (notícias antigas), desconsiderem:

José Otávio Germano e Antonio Dorneu Maciel – linque aqui:

José Otávio Germano — Alô.
Antônio Dorneu Maciel — Tô aqui no escritório.

José Otávio — Mas eu tô em casa, irmão, tu mandou.
Maciel — Não! Escritório, tu me disse “eu te espero no escritório”, Zé Otávio.

José Otávio — Ahnnn…
Maciel — Era em casa. Tu me ligou daqui, disse: “Não, espera aí que eu tô indo aí, que é até melhor pra mim”

José Otávio — Ah… Entendi mal. Pode ser no… pode deixar com a Ana Cláudia.
Maciel — (falando mais baixo) Quanto que é?

José Otávio — Sete um.
Maciel — (longa pausa) Então ficou um pra trás, depois eu pego.

José Otávio — Ahn?
Maciel — Veio sete zero.

José Otávio — Tá bom. (inaudível)
Maciel — Eu deixo com ela aqui.

José Otávio — É…
Maciel — Tá?

José Otávio — Ahn…
Maciel — (inaudível)

José Otávio — Quer que eu fale com ela ou não precisa?
Maciel — Não, ela sabe o que fazer.

José Otávio — É. Manda ela esperar, só isso.
Maciel — Mando ela esperar.

José Otávio — É.
Maciel — Tchau.

José Otávio — Meu irmão, tu pega pra mim lá o negócio. Que horas que eu tenho que chegar lá?
Maciel — Não sei, vou pra lá agora. Chego lá e te aviso.

José Otávio — Tá. Valeu.
Maciel — Tchau.

José Otávio — Tchau.

Tem vários outros, inclusive uns que o Maciel fica dizendo “Eu estou indo lá no Grêmio”, o que provavelmente indica o lugar onde era feita a entrega da bufunfa. Mas tem outras simplesmente geniais, entre o Maciel e o João Luiz Vargas (Papai Noel). Segue a melhor de todas – especialmente o final (linque aqui:

24/10/2007 – 9h45min
Os codinomes Caxias, Campeão e Nosso Filho, citados neste trecho da conversa entre Vargas e Maciel, estão sendo investigados pelos promotores, que acreditam que “livros” e “cadernos” são usados como sinônimo de propina:

João Luiz Vargas — Alô?
Antônio Dorneu Maciel — Oi. 

Vargas — Oi, querido, vi que tu tava me ligando.
Maciel — Tudo em paz? 

Vargas — Tudo em paz. Conversei com Caxias ontem.
Maciel — Sim.

Vargas — Quer viajar.
Maciel — Ótimo.

Vargas — Tá?
Maciel — Ótimo. Quer viajar, ótimo.

Vargas — Tá?
Maciel — Então, vamos providenciar.

Vargas — Ele sai imediatamente. E conversei com o Campeão, ontem de manhã, só não recebi os livros que ele ia me entregar.
Maciel — Mas acertou?

Vargas — Não, ele disse que semana que vem a gente evolui.
Maciel — É?

Vargas — Aí eu falei que tu já tinha entregue aqueles primeiros cadernos.
Maciel — Sim.

Vargas — Tá?
Maciel — Mas não dá folga pra ele, não deixa ele solto.

Vargas — Tá, (inaudível). Tu vai lá no nosso filho mais tarde?
Maciel — Vou, que horas que nós vamos nos encontrar lá?

Vargas — Não, não sei, porque hoje eu tenho pleno. Eu tenho…
Maciel — Que horas tem pleno?

Vargas — Tem uma e meia. Uma e meia.
Maciel — Espera aí, um pouco. Espera, deixa eu só espirrar, só um pouquinho.

Vargas — Tá.
Maciel — (dois espirros) Por que não dá uma passadinha tipo onze e meia lá?

Vargas — Vamos ver se vamos. Vamos ver.
Maciel — Que que tu acha?

Vargas — Acho ótimo.
Maciel — Então, tá. Eu vou estar lá onze e meia.

Vargas — Tá bem. Tá.
Maciel — Beijo.

Vargas — Beijo. Tchau.
Maciel — (espirro)





Yeda investigada pelo TCE

15 08 2008

Ou, pelo menos, foi a solicitação do procurador do Ministério Público Especial do TCE, Geraldo da Camino, em relação à famigerada compra da atual casa da governadora desgovernada. Algo me diz que isso não acabará em pizza, mas todos vamos chupar LARANJA.

A notícia completa aqui.

Segundo Erik Camarano (carcamano?), secretário de governo, não há irregularidades. Ah bom, assim fico mais tranquilo. Pode suspender a investigação.