Tá feliz agora?

26 10 2009
...desse tamanho não serve para mim...

"...desse tamanho não serve para mim..."





Objetivo alcançado

20 08 2009

Uma nuvem de entusiasmo cobria o vestiário gremista após o confronto contra o Santos: o objetivo imposto pela comissão técnica havia sido alcançado! Num jogo morno, em que a defesa seguiu à risca as instruções do treinador e buscou sem descanso pelo gol contra, a derrota fora finalmente consumada somente no final do jogo.

Apesar dos esforços da equipe comandada por Luxemburgo em evitar o ataque, eventualmente os alvos da Vila Belmiro chegavam à meta de Victor. Já os tricolores, visivelmente mais aplicados taticamente, foram eficientes em anular totalmente as possibilidades de arremate a gol. Paulo Autuori também ficou bastante contente com a excelente atuação de Souza, Tcheco e Adílson, que sabiamente erravam todos seus passes, de forma a impedir qualquer organização de jogadas ofensivas para o Grêmio.

vamo bincá di TENZINHO? (Ricardo Saibun/Gazeta Press)

"vamo bincá di TENZINHO?" (Ricardo Saibun/Gazeta Press)

Infelizmente, para as pretensões gremistas, os auxiliares da arbitragem pareciam estar tentando prejudicar o tricolor. Especialmente numa bola alçada por Madson, sem muito perigo, que foi falsamente cabeceada por Germano, mas encobriu o goleiro gremista e entrou. O bandeira anulou o gol alegando impedimento do pseudo-cabeceador, mas ele estava em posição legal. Muita indignação no banco do Grêmio.

O jogo seguiu com as duas equipes lutando bravamente pelo empate. O Grêmio seguia aplicado, sem tentar ataques. O Santos também se esforçava em não oferecer perigo. Mas, contra todas as orientações, o ex-gremista George Lucas cruzou com perigo para área, encontrando a cabeça de GANSO (melhor apelido), que colocou a bola fora do alcance de Victor. Festa e comemoração na casamata tricolor.

Faltava muito pouco tempo para o Santos ceder o empate. E assim permaneceu o placar.

Com a indesejada vitória, o Santos encostou no número de pontos do Grêmio, porém continua atrás no número de vitórias. O Grêmio torce pela vitória do Flamengo no jogo de hoje, contra o Cruzeiro, pois assim poderá terminar a rodada na décima posição, perdendo uma mais.

Porém, todas as expectativas residem no jogo do próximo domingo, contra o Atlético Mineiro, no Olímpico. Quem sabe, será a TÃO SONHADA primeira derrota em casa. A esperança é que o fato do Internacional ter ontem perdido sua primeira no Beira-rio, possa motivar os jogadores gremistas a seguir este caminho. A conferir.





Aluga-se blog

10 08 2009

O espaço acima é para qualquer pessoa postar o que quiser sobre o jogo do Grêmio ontem. Eu me esgotei, comentando quase em TEMPO REAL no Twitter. Se alguém tiver criatividade, fique à vontade.

O André Kruse teve a paciência (ou racionalidade) de fazer uma análise. O Vicente também mandou bem, escrevendo sobre a lamentável derrota.

Só vou fazer um comentário: 7 vitórias, 7 derrotas, 4 empates. Sete vitórias em casa, sete derrotas fora. MACONHA total.





Fora de casa, a normalidade

31 07 2009

Demonstrando alguma espécie de sequelas emocionais a respeito de enfrentamentos fora do estádio Olímpico, o Grêmio mais uma vez foi presa fácil longe de seus domínios. O agressor, desta vez, foi o tricolor paulista, que venceu o gaúcho por 2×1 e consolida sua tentativa de recuperação no campeonato brasileiro. O Grêmio, por sua vez, segue cambaleante, ainda sem ter vencido fora de casa e, pior, tendo perdido quase todos os confrontos como visitante, à exceção da partida contra o Fluminense, no Maracanã.

clara tentativa de desestabilização (Gaspar Nóbrega/Vipcomm/Divulgação)

clara tentativa de desestabilização (Gaspar Nóbrega/Vipcomm/Divulgação)

A chuva não perdoava o gramado do Morumbi, deixando-o pesado e difícil para a prática do Ludopédio. No meu entendimento, isso costuma prejudicar mais a equipe da casa do que a visitante, já que a primeira costuma ser mais agressiva em seus domínios. No entanto, o São Paulo conseguiu fazer rolar a bola com qualidade, não errando os passes e, principalmente, marcando sob pressão a saida de bola do Grêmio.

Foi uma noite das piores para a dupla de volantes do Grêmio. Ambos gols do São Paulo foram originados em bolas fáceis perdidas por Túlio. Adilson também foi bastante fraco. Tanto que foi substituido no segundo tempo, por Douglas Costa, que teve atuação razoável.

Souza continua mantendo a escrita de alternar boas e más atuações. Tcheco foi um dos mais lúcidos na meia-cancha, mas não dava velocidade ao ataque, um dos principais defeitos do time na partida.

O São Paulo, por sua vez, teve a “sorte” do retorno do futebol de Hernanes, que não começara o ano muito bem, mas agora retoma o magnífico futebol que encantou o país no ano passado. O passe dele para o Dagoberto, no primeiro gol, foi excelente.

Bastante grave o erro de arbitragem em relação a um ataque do Grêmio no primeiro tempo, antes do gol são-paulino, quando Maxi López foi lançado e corria livre para o gol, mas foi interrompido pelo assistente, que assinalava impedimento. Maxi estava bastante atrás do último marcador. Grande chance de gol suprimida do Grêmio, que poderia ter mudado a história do jogo.

Por outro lado, mesmo que os comentaristas do SporTV tenham afirmado que o segundo gol do SPFC foi irregular, eu não concordo com isso. Apesar do Borges “estar no lance”, ele não participa da jogada. Pra mim, o gol foi legal.

Bottom line: o São Paulo jogou bastante melhor que o Grêmio e mereceu vencer.

Ambos clubes empatam com 21 pontos, sendo que o Grêmio está em 10º e o São Paulo, em 11º.





Derrota patética na ilha

22 07 2009

Hoje tive a infelicidade de assistir, integralmente, à PATÉTICA derrota do Grêmio para o Avaí, por 1×0, no estádio da Ressacada, em Florianópolis. Quer dizer, assisti pela TV. Teria muita pena dos 1800 bravos tricolores que foram lá, cheios de esperança e saíram provavelmente cheios de dúvidas sobre o futuro da equipe.

símbolo do fracasso

símbolo do fracasso

Não vou fazer papel de profeta ou algo do gênero, muito menos de “sabe-tudo”. Mas vários defeitos que haviam ficado claros nos últimos jogos, inclusive no Grenal, foram MULTIPLICADOS no jogo de hoje.

Entendo que o time inteiro foi extremamente mal. O único momento de algum, digamos, brilho do Grêmio, foi o início do jogo, quando o time conseguiu acertar alguns passes e conseguiu oferecer algum perigo ao gol do Eduardo Martini. Mas o Grêmio descuidou absurdamente da defesa enquanto se jogava para o ataque, cometendo falhas bobas e correndo grandes riscos, que não foram convertidos em gols pela baixa qualidade técnica do Avaí.

Aí, resolveram não fazer nem mais ataque. Resolveram errar TODOS os passes. Resolveram parar de jogar.

Mesmo assim, o Avaí não fazia muito, por sua única incompetência. Mas o Grêmio quis ajudar, então Réver fez uma falta absurda, na meia lua da grande área, no ínicio do segundo tempo. Gol do Avaí.

Logo em seguida, o Avaí teve um jogador expulso. Qualquer time razoável teria conseguido virar o jogo e fazer até uma goleada num adversário tão frágil. Mas o Grêmio não é um time comum, parece que se apavora quando joga fora do Olímpico. A partir da expulsão, as chances de gol do Grêmio foram praticamente as mesmas do primeiro tempo, ou seja, nulas.

você diz TCHECO, eu vejo isso

Não consigo salvar ninguém do jogo de hoje. Todos foram péssimos. Maxi López foi ridículo, assim como Herrera, assim como os dois zagueiros. Nem fale de Tcheco e do Fábio Santos, duas nulidades absolutas. Mário Fernandes estava travado como no começo do Grenal, algo compreensivel para um jogador fora de sua função correta.

Enfim, mais uma derrota merecida, fora de casa, que praticamente alija o Grêmio de querer qualquer coisa melhor neste campeonato. Não sei o que pensar.





Vendo pelo lado positivo

16 07 2009

Mesmo tendo sido derrotado por 2×1 pelo Coritiba, de virada, vejo um fato do jogo de ontem por um prisma positivo: a expulsão de Thiego obrigará Paulo Autuori a escalar um lateral DE VERDADE, em vez de usar um tampão, PÉSSIMO por sinal.

pelo menos, EU faço alguma coisa (foto: Heuler Andrey/Agif/Gazeta Press)
“pelo menos, EU faço alguma coisa” (foto: Heuler Andrey/Agif/Gazeta Press)

O Grêmio começou o jogo de forma AUSPICIOSA (a/c vênus platinada) e marcou seu gol logo aos 9 minutos, em linda jogada de Jonas. Porém, apesar da obviedade da tentativa de reação do Coritiba, o Grêmio continuava jogando melhor e tendo as melhores oportunidades de gol. Parecia que a ampliação do placar e a vitória seriam inevitáveis. Parecia.

Eu deixei de assistir o jogo aos 42 do primeiro tempo para jantar e voltei a ver aos 6 do segundo tempo. Perdi nada menos do que o gol de empate do coxa, marcado aos 46 minutos por Marcelinho Paraíba, um verdadeiro TIRAMBAÇO MARAVILHOSO, uma verdadeira pintura de gol.

"pode fazer ANTIDÓPS, tá tudo limpo" (foto: Globoesporte.com)

Um absurdo levar um gol nos acréscimos, numa jogada gerada no contra-ataque. O Grêmio estava realmente achando que venceria fácil, pois estava com o time inteiro no ataque no finalzinho da primeira etapa. Isso me parece um pouco de salto alto.

Outra coisa que eu perdi foi a expulsão de Thiego. Agora eu revi o lance – FOI NO CAMPO DE ATAQUE! Ele, sem motivo aparente, resolveu dar uma FOIÇADA no cara do Coritiba. Que bicho BEM BURRO. Acho que não é injusto atribuir o segundo gol do Coritiba à imbecilidade do nosso improvisado lateral, pois o time desarrumou-se defensivamente.

Aproveitando o ENSEJO, o time da casa largou-se pro ataque e, num lance desses da vida, UM minuto depois de eu ter novamente ligado a televisão, Ariel recebeu uma bola na área, girou e chutou perfeitamente no canto de Victor. Uma virada facilitada pela ESTUPIDEZ (não vou me cansar de DETONAR esse idiota).

A partir daí, o Coritiba pouco fez, satisfeito com a vitória. O Grêmio demorou para encontrar-se novamente em campo. Autuori promoveu a saída de Alex Mineiro (que não havia feito nada, visivelmente buscando a saída da equipe) para a entrada de Makelele, visando recompor o sistema defensivo. Uma decisão compreensível, mas questionável, uma vez que o time precisava marcar um gol, pelo menos. De fato, aos poucos, o Grêmio voltou a dominar a bola e a impedir o Coritiba de jogar (e como erra passes esse time, MEO DEOS).

Mas o Grêmio estava afobado e desconcertado, errando jogadas que há pouco não eram desperdiçadas tão facilmente. Em um certo momento da partida, Autuori optou pela substituição de Jonas por Perea. Também não sei se essa foi uma boa decisão, talvez ele estivesse pensando em preservar o atacante para o Grenal. Mas Jonas estava jogando melhor do que Perea, um atleta que recém voltou de lesão.

Aliás, teve um lance dele tão TOSCO que me fez perder a esperança de ver o CICLÓN apresentar bom futebol novamente.

Enfim, eu logo percebi que nada mais viria daquele time. E o placar acabou fechando em 2×1, merecido pelo Coritiba.

Apesar do Santos ter-nos feito um belo favor, empatando um jogo em que perdia por 3×0, EM CASA, contra o Barueri, acho muito complicado alcançar o G4 tão cedo. No Grenal, está matematicamente impossível agora. Se o Grêmio não vencer alguns jogos fora de casa, pelo menos, será muito complicado. Até agora, não ganhou nenhum.

Mas não vou DETONAR tudo não. O Grêmio está jogando visando o ataque, visando o gol. Eu vejo uma melhoria significativa na forma de jogar do time. O problema mais grave é que o Grêmio é visivelmente uma equipe em formação. Considerando que estamos na metade de julho, é meio tarde para isso. Faltam apenas 8 rodadas para o fim do primeiro turno. Autuori precisa FINALIZAR  a formação, e tem que ser JÁ.

Aposto MINHAS DUAS MÃOS que os “sites especializados” em futebol já colocarão o Inter novamente na situação de favorito para o clássico de domingo. Eu até acho melhor assim.





Apesar dos pesares

30 06 2009

Quando eu vi que a escalação do Grêmio para enfrentar o Sport seria totalmente reserva, não imaginei outro resultado que não fosse a derrota. Mesmo o Sport sendo o último colocado do campeonato (era), sabia que não era um time totalmente horrível e jogaria em casa. Para mim, a escalação somente de reservas era um erro.

Descobri mais tarde que não foi um erro completo não. Mas foi um erro.

Afinal, o que o Grêmio vai fazer se passar (e vai passar) para as finais da Libertadores? Jogará mais duas ou três rodadas com time reserva? Me parece que anteontem o Grêmio perdeu uma verdadeira oportunidade de aproximar-se um pouco mais do grupo dos líderes e afastar-se do grupo de rebaixáveis. Neste momento, apenas 1 ponto separa o 17º colocado do Grêmio, que é 14º. Claro que o tricolor jogará seu próximo jogo em casa, o que deve facilitar um pouco as coisas.

Estou atrasado para comentar sobre o jogo, portanto, indico o relato do André Kruse, que está coerente, como geralmente é. Ele indica os graves erros de arbitragem que prejudicaram o Grêmio, especialmente o primeiro gol do Sport e a expulsão de Jonas, que acarretou a ampliação do placar pelo time pernambucano. Só não concordo com a parte que diz que o gol do Grêmio no primeiro tempo foi anulado incorretamente. Ao meu ver, o Orteman impediu o zagueiro de saltar para o cabeceio, que seria salvador. Portanto, seria um erro grave ter validado aquele gol. Claro que o ideal seria que o árbitro não tivesse prejudicado tanto o Grêmio em outros lances.

No entanto, assistir a um jogo recheado de juniores e jogadores muito jovens não foi uma experiência ruim. Para falar a verdade, alguns jogadores tiveram destaque neste confronto contra o Sport, algo gratificante. Maylson teve ótima atuação, assim como os zagueiros Mário “fujão” Fernandes (jogou o primeiro tempo) e Héverton (entrou no seu lugar, no segundo). Orteman foi regular (ou seja, PÉSSIMO, como sempre) e Douglas Costa não jogou NADA. Isael entrou em seu lugar no segundo tempo e fez consideravelmente mais que o antecessor. Autuori inventou Hélder como terceiro zagueiro o que foi quase desastroso. Inexplicável, já que ele tinha Héverton no banco.

A dupla de ataque foi Jonas e Herrera. O argentino mostrando mais uma vez muita qualidade e o brasileiro… errando gols imperdíveis, como de costume. Além de ser expulso (exageradamente) em um lance de muita IMBECILIDADE (não exageradamente). DEMÊNCIAS à parte, ele só deveria ter levado um amarelo.

No final das contas, a formação inesperada do Grêmio fez o time buscar o ataque quase que o tempo inteiro, tocando bola e envolvendo a defesa pernambucana. Com um TIQUINHO mais de qualidade, sem expulsões e com um atacante minimamente capaz no lugar de Jonas, o Grêmio poderia ter saído com a vitória de Recife. E aí vem a questão: será que um time misto não teria sido mais eficiente?

Enfim, 3×1 pro Sport, que saiu da lanterna e da zona de rebaixamento.

Não comentarei os outros jogos da rodada, mas aí vai a tabela de jogos:

Data Hora Cidade Estádio Jogo
27/06 16:10 Curitiba Arena da Baixada Atlético Paranaense 1 x 0 Corinthians
27/06 16:10 São Paulo Morumbi São Paulo 2 x 0 Náutico
27/06 16:10 Barueri Arena Barueri Barueri 4 x 2 Atlético Mineiro
27/06 18:30 Belo Horizonte Mineirão Cruzeiro 1 x 0 Avaí
27/06 18:30 Rio de Janeiro Engenhão Botafogo 1 x 4 Goiás
28/06 18:30 Porto Alegre Beira-rio Internacional 3 x 0 Coritiba
28/06 18:30 São Paulo Palestra Itália Palmeiras 1 x 1 Santos
28/06 18:30 Recife Ilha do Retiro Sport 3 x 1 Grêmio
14/06 18:30 Rio de Janeiro Maracanã Fluminense 0 x 0 Flamengo
14/06 18:30 Salvador Barradão Vitória 4 x 1 Santo André

E a classificação, de forma simplista, extraída do Impedimento.

1º Atlético-MG 17
2º Internacional 17
3º Vitória 16
4º Barueri 13
5º Palmeiras 13
6º Corinthians 11
7º Flamengo 11
8º Goiás 11
9º Cruzeiro 10
10º Santos 10
11º São Paulo 10
12º Santo André 10
13º Fluminense 10
14º Grêmio 9
15º Sport 8
16º Atlético-PR 8
17º Náutico 8
18º Coritiba 7
19º Avaí 7 8
20º Botafogo 6