Boa notícia da semana: Celso Roth deixará o tricolor

2 03 2009

Quem me conhece sabe que eu nunca fui um daqueles a engrossar o coro de “Fora Roth”, ouvido desde o dia que ele foi contratado, no começo do ano passado. Sempre pensei que não adiantava muito ficar atrapalhando o trabalho do treinador, especialmente sem ao menos ver do que ele é capaz.

Todos sabemos que, provavelmente por causa de sua atuação na casamata, o Grêmio fez uma campanha quase impecável no campeonato brasileiro, que é longo e difícil, com um grupo pouco qualificado em comparação a vários outros clubes brasileiros (Inter).

Agora, no início de 2009, ele teve a quase manutenção completa do grupo que terminou 2008, além da inclusão de jogadores qualificados. De fato, o Grêmio conseguiu mostrar qualidade e jogo mais refinado do que vinha demonstrando no ano passado.

Meu prezado (e MESTRE) irmão discordou de meu ULTRA SINGELO post, feito em HOMENAGEM ao empate contra a Universidad de Chile.

Não lhe tiro a razão.

O problema é o COMANDANTE.

ouvi um ZOOMBIDO de que tão querendo minha cabeça

"ouvi um ZOOMBIDO de que tão querendo minha cabeça"

Não é possível que, depois de ver o Grêmio jogar uma grande partida na estréia da Libertadores, num esquema com 2 atacantes, uma pessoa SÃ resolva mudar tudo em seguida, por conta de sua CAGALHICE. Ok, o adversário desta vez era mais qualificado do que “La U”. Mas tirar Jonas para colocar Diogo, praticamente alterando o posicionamento de todo o meio-campo em relação ao jogo contra o time chileno foi de uma ESTUPIDEZ imensa.

Resultado: time perdido em campo, não acertando dois passes em sequência. Somando-se isso ao um Internacional marcando com AFINCO, o Grêmio não viu a cor da bola no primeiro tempo, que foi muito truncado no meio-campo em ambos lados, praticamente inexistindo chances de gol, até pouco antes do intervalo, quando o Inter arrematou 3 bolas perigosas, exigindo defesas sensacionais de Victor.

No início do segundo tempo, a imbecilidade coletiva: linha de impedimento estúpida mal executada e 3 jogadores colorados absolutamente livres dentro da área em cobrança de falta – Indio foi o felizardo que anotou o primeiro tento colorado.

Daí, vejam só, o nosso LÍDER se deu conta de que não poderia manter o malfadado esquema de jogo. Retirou, de uma só vez, um zagueiro (Léo) para a entrada de um atacante (Jonas) e sacou um volante (Diogo) para colocar um lateral-esquerdo (Fábio Santos), sendo que Jadílson ficaria improvisado no meio-campo. Ou seja, saiu do 3-6-1 para um 4-4-2. O time rapidamente começou a mostrar futebol e dominar a bola, conseguindo articular jogadas e chegar na defesa colorada. Jonas recebeu de costas pro gol e, mesmo marcado fortemente, conseguiu fazer jogada de pivô, entregando bola açucarada para Alex Mineiro, que chutou colocado no ângulo.

Não satisfeito, ROTHWEILER resolveu aprontar de novo, retirando Jadílson para o ingresso de um zagueiro – Héverton. O time voltou a desarrumar-se, permitindo o novo crescimento do Inter no jogo e o inevitável gol de desempate, marcado por Magrão após falta cobrada pelo lado direito do ataque colorado.

Nova derrota em Grenal, novo 2×1. Mas, desta vez, a culpa foi principalmente de CELSO ROTH, que inventou um esquema sabidamente fracassado, escalou mal o time e conseguiu a façanha de corrigir o problema para depois DESCORRIGIR. E, para piorar, praticamente jogou a responsabilidade para os jogadores, ao critica-los após o jogo.

É claro que JUAREZ sairá do Grêmio. Resta torcer para que isso aconteça logo, antes que o ano seja desperdiçado novamente.

Anúncios




É Hexa!

15 12 2008

Não… não estou a falar do SÃO PAULO.

Depois de fracassar na Liga Futsal, a ACBF conseguiu salvar o ano de 2008 ao garantir o título de hexacampeã gaúcha, ao empatar o segundo jogo da final, contra o Atlântico de Erechim, por 5×5, após ter vencido o primeiro jogo por 3×2.

Parecia que tudo seria relativamente fácil, mas não foi ABSOLUTAMENTE NADA tranquilo para a esquadra barbosense. O clube erechinense mostrou que faria de tudo para provar que poderia levar o primeiro caneco estadual para casa. Apesar do time da casa sair vencendo, o Atlântico logo empatou. Ainda no primeiro tempo, a ACBF conseguiu retomar a vantagem no placar mas, novamente, o Atlântico conseguiu empatar o jogo, indo para o intervalo com a igualdade no placar, que seria vantajosa para o time da casa.

No segundo tempo, o técnico Cigano conseguiu agitar o time visitante. Em poucos minutos, o Atlântico marcou duas vezes e quase conseguiu o quinto gol, em arremate que bateu no poste. Foi um reinício de jogo AMASSADOR, para o time erechinense.

Porém, a ACBF conseguiu retomar AS RÉDEAS do jogo e passou a pressionar sem parar o time adversário. O gol de desconto foi convertido por Rodrigo, em cobrança de falta e o empate veio com Tostão, o artilheiro laranja.

Quando parecia que o resultado estaria garantido, Renan marcou o quinto gol do Atlântico, que levaria o jogo à prorrogação. O desespero tomou conta do time da casa e o goleiro erechinense, Chico, fazia excelentes defesas.

Até que…

… faltando CINCO SEGUNDOS para o final do jogo, Daniel consegue salvar bola que estava saindo para a linha de fundo e cruza para Flávio, que ERRA EM BOLA. Mas o erro, ridículo até, fez com que a bola subisse para si próprio, permitindo que o avançado chutasse novamente em gol, desta vez para as redes.

"a rosca foi de propósito, entenderam?"

"a rosca foi de propósito, entenderam?"

A LOUCURA tomou conta do Municipal de Eventos, praticamente lotado. Com o título, o sexto conquistado pela equipe da pequena Carlos Barbosa, a ACBF igualou-se à extinta Enxuta, que também havia conseguido ser hexacampeã e fica a apenas 2 títulos do Internacional, de Porto Alegre, que já não disputa campeonatos de salão.

Parabéns a toda nação LARANJA.





ACBF em mais uma finalíssima

12 12 2008

acbf-logo

Amanhã, 13/12, a Associação Carlos Barbosa de Futsal – ACBF – entrará na quadra do Centro Municipal de Eventos, em Carlos Barbosa, a partir das 9:00, para o segundo jogo da final do Campeonato Gaúcho de Futsal – Série Ouro, contra a equipe do CER Atlântico, de Erechim. O primeiro jogo foi no último sábado, 6/12, em Erechim, cujo placar foi 3×2 para o time visitante.

Com isso, a ACBF necessita apenas de um empate para sagrar-se hexacampeão estadual. Ao Atlântico, somente a vitória interessa, para forçar a disputa de uma prorrogação. O time de Erechim nunca venceu o Gauchão.

Espera-se um grande público em Carlos Barbosa. Todo o dinheiro arrecadado com bilheteria será doado para as vítimas das enchentes no norte de Santa Catarina.

A partida será transmitida pela RBS TV para todo o Estado do Rio Grande do Sul.

Dá-lhe ACBF!





Teste para os bons corações

5 12 2008

Quem esperava um jogo murrinha, para a SEGUNDA PERNA da final da Copa Sulamericana, entre Internacional e Estudiantes, SE ENGANOU-SE (argh) redondamente. A grande final foi muito mais do que emocionante. Tenho certeza de que, se eu fosse colorado, teria tido CENTENAS de ataques cardíacos naqueles 120 minutos de jogo.

Antes de continuar, preciso fazer menção ao ABSURDO proporcionado pelo horário do jogo, devido à transmissão de TV. Simplesmente, após a prorrogação e premiação, a “função” terminou a 1:00 da manhã. Pior que isso só a final da Libertadores, que, como foi para os pênaltis, terminou em torno da 1:30, esse ano. Ah, e nem vamos começar a falar da PRORROGAÇÃO, que aí já é covardia. Prorrogação é uma ABERRAÇÃO que não se encaixa com o futebol atual. Empatou? Vai para os pênaltis, caramba! Ou faz um torneio de PAR-OU-ÍMPAR. Mas não faz os exaustos jogadores terem que correr mais 30 minutos.

ANFAN

A partida começou pendendo um pouco mais para o lado colorado, como era de se imaginar, afinal, jogavam em casa. Em lance polêmico, Bolívar cruzou e a bola acertou o braço de Alayes, que estava dando um carrinho PARA NINGUÉM. O jogador não teria porque deixar o braço levantado daquele jeito, portanto, caracterizaria intenção. Mas o juiz resolveu deixar o jogo seguir.

Logo em seguida, outro lance prejudicial ao time da casa: Nilmar fazia excelente jogada, tendo recuperado a bola com habilidade no meio campo e driblava a um zagueiro do Estudiantes, quando foi calçado. Nilmar avançava com tanta velocidade que, com certeza, ficaria cara-a-cara com o goleiro. No entanto, o árbitro resolveu apenas amarelar o argentino, quando o correto deveria ser a expulsão.

Depois destes lances, o jogo ficou melhor para os de La Plata. Inclusive, aos 32 minutos do primeiro tempo, Boselli cabeceou bola alçada na área em cobrança de falta no canto esquerdo do goleiro Lauro. No entanto, o bandeira marcou impedimento, quando, na verdade, o jogador estava em posição legal. Muita indignação de Leonardo Astrada, “ex-jogador do Grêmio”, como insistentemente afirmava Galvão Bueno, mesmo sabendo que sua passagem pelo Olímpico foi rápida e desastrosa.

mirá muchacho, vos querés que te explique en BRAILLE?

"mirá muchacho, vos querés que te pregunte en BRAILLE?"

Os comandados de Astrada, apesar de demonstrar nitidamente ter menos capacidade técnica que os PASTOREADOS por TITE, continuaram insistindo. A partir da metade do primeiro tempo até o final do tempo regulamentar, a posse de bola passou a ser toda do E de LP. Angeleri fazia grande jogo.

Na metade do segundo tempo, depois da entrada de Perez, que TOCOU O TERROR atacando pelo lado esquerdo, Benitez alçou a bola na área colorada, encontrando Alayes que meteu de primeira e marcou um belo gol.

Apesar da desvantagem no placar, o Inter não conseguiu encontrar-se em campo e continuou sofrendo pressão do Estudiantes. Mesmo assim, os ataques dos argentinos não eram muito consistentes e o Inter conseguiu segurar o resultado e levar o jogo para a prorrogação.

O estilo de jogo imposto por Astrada, apesar de ter funcionado, foi suicida: a marcação sob pressão é mais fatigante e o time argentino não conseguiu ter pernas para sobreviver à prorrogação. O segundo tempo foi MEIA-LINHA.

O melhor condicionamento físico ajudou muito o Internacional. Apesar do jogo eletrizante, Nilmar continuava correndo como um CABRITO, mesmo na prorrogação. Mas, verdade seja dita, a maioria dos jogadores, de ambos os times, se arrastava MISERAVELMENTE.

Aos 8 minutos do segundo tempo da prorrogação, D’Alessandro cobrou escanteio da esquerda, a bola foi cabeceada para o gol por Danny Morais, o goleiro conseguiu tocar na bola, que bateu no travessão e voltou para os pés de Gustavo Neri, que mandou um TALAGAÇO no ESTÔMAGO de Andujar. A bola rebotou e ficou quicando na área, e Nilmar FECHOU OS OLHOS e deu um jeito de chutar a redonda pras malhas.

nilmarpnc

Agora, o efeito “pós-jogo” na mídia gaúcha e brasileira foi um festival de manifestações esquizofrênicas. O termo “campeão de tudo” foi repetido ad eternum. Algum desavisado poderá pensar que o colorado obteve uma grandiosa conquista jamais vista na história da humanidade. Em blogues por aí, torcedores do Internacional lamentam a baixa repercussão entre os torcedores gremistas – certamente imaginavam que haveria inveja e ranger de dentes.

Lamento informar-lhes, vermelhos, mas não, não há inveja. Talvez, se tivesse jogado com equipe principal, o Grêmio não teria passado pelo Inter do mesmo jeito. Mas, desde o início da competição, nosso clube preteriu a Sulamericana visando algo maior – o campeonato brasileiro e a vaga para a Copa Libertadores, o maior título do continente. A garantia de participação na fase de grupos da Liber já foi confirmada. O título provavelmente não sairá, mas ainda há chances. E vocês?

Enfim, parabéns ao Sport Club Internacional pela conquista. Mas não tentem nos vender gato por lebre, por favor.