Galo segue ao sabor de ROTH

24 08 2009
comeu a bola (Roberto Vinicius/Ag. Free Lancer/Futura Press)

comeu a bola (Roberto Vinicius/Ag. Free Lancer/Futura Press)

O Grêmio foi a campo com um certo friozinho na barriga – muito medo de perder a primeira partida em seus domínios. Afinal, estava claro que a vitória fora de casa não virá mais, então, há sempre o risco de se perder o HÍMEN.

Isso quase aconteceu no comecinho do jogo, quando o Atlético aproveitou alguns lances pela AVENIDA BRUNO COLLAÇO, que logo foi interditada, graças a Deus. Mas o galo conseguiu cruzar uma bola com perigo, que passou na frente da goleira mas não houve nenhum COCK por perto para mandar pras malhas.

Como o Grêmio não tem culpa pelo técnico dos outros, aos 7 minutos e pouco Tcheco chuveirou uma falta pelo lado esquerdo do ataque. A zaga atleticana brincou de PIMPONETA e Réver subiu altivo, para marcar 1×0.

O gol fez bem ao Grêmio, que passou a dominar o jogo. O Atlético não jogava nada. O destaque da partida, naquele momento, era o árbitro Wilson Souza de Mendonça, que além de sonegar um pênalti para Túlio, ficou atrapalhando o jogo nuns 5 lances, pelo menos, extremamente mal colocado em campo. Trofeu MANGOLÃO DE APITO pra ele.

Depois dos 20 minutos, em dois lances o Grêmio matou o jogo – os dois com a assinatura de Souza: em boa tabela com Túlio, o endiabrado chegou à linha de fundo, cruzando com perfeição para Perea que, livre, cabeceou na trave. Por sorte a bola caiu próxima a linha do gol, bateu nas costas do goleiro e entrou. Apesar do esforço em errar, o colombiano marcou seu segundo gol.

eu sei comemorar gols (Gazeta Press)

"eu sei comemorar gols" (Gazeta Press)

Alguns minutos depois, falta na frente da área, porém, à esquerda do ataque tricolor. Souza cobrou com rara perfeição. 3×0 em 29 minutos de jogo.

Daí era só requentar o BRODO (piada inevitável). O Grêmio ainda manteve um certo ímpeto ofensivista, mesmo com o placar amplamente favorável num curto espaço de tempo – isso me agradou. O quarto gol, acontecido no começo do segundo tempo, foi resultado desta contínua pressão exercida sobre o Atlético Mineiro, que nada conseguia fazer para mudar a situação. O gol do Jonas foi esquisitaço, aparentemente resultado de um erro total da defesa e dele mesmo, apesar da conclusão para as redes.

Aliás, incompreensível a DANCINHA feita por ele na comemoração do gol. Valeria uma versão daquele filme do Spike Lee “White strikers can’t celebrate goals”.

De novo, assinatura de Souza na co-autoria do tento.

Depois, o jogo ficou RÓNC. O Grêmio passou a COCHILAR na defesa, permitindo ao Atlético tentar mostrar algum futebol. O Galo, já DEPENADO, não desesperou, apenas se esforçou em tentar não fazer tão feio. Parecia que o Grêmio queria mesmo que o alvinegro mineiro saísse daqui com algum tipo de recompensa. Só esqueceram de avisar INVICTOR (gostei dessa), que fez uma defesa MAGISTRAL em chute de Diego Tardelli, de DENTRO DA ÁREA.

Mas logo depois, Evandro carregou a bola pela esquerda, esperou que Mário Fernandes FUGISSE (eterno), passou por dois zagueiros gremistas e chutou no canto. Um gol fácil, e bonito também. O de honra.

Boa apresentação do Grêmio, que rendeu o QUARTO 4×1 do Grêmio no Olímpico – o terceiro CONSECUTIVO. É difícil até de acreditar nisso. Em virtude do inesperado ofensivismo do Grêmio em seus domínios, o time atualmente conta com o terceiro melhor ataque da competição (37 gols, contra 40 do Barueri e 39 do Goiás) e o segundo melhor saldo (13, contra 14 do Palmeiras). Jonas, o PIOR ATACANTE DO MUNDO (a/c jornal Marca), está a dois gols do artilheiro do campeonato.

Agora, só de pensar no que pode acontecer no próximo jogo, contra o Botafogo, me dá uma profunda AGONIA. Porque não é FACTÍVEL o que acontece com o Grêmio. Simplesmente não dá pra aceitar. Ontem Souza gastou a bola, Tcheco jogou apenas medianamente. Se o 8 resolve jogar bem, talvez a gente tenha alguma chance.

Acertar passes. Fica a dica.

Anúncios




Habemus VICTOR

17 08 2009
te respeitei, diz Adriano (foto: Gremio.net)

"te respeitei", diz Adriano (foto: Gremio.net)

Numa tarde onde as duas equipes jogariam com vários desfalques cada, não era de se esperar grande futebol. De fato, o jogo foi um pouco esquisito, mas não dá pra reclamar da quantidade de chances de gol criadas por ambos os times, especialmente o Flamengo. O rubro-negro só não contava com a presença da DIVINDADE.

Victor teve atuação ANTOLÓGICA. Conseguiu anular o artilheiro do campeonato, o desconhecido Adriano. Fez, pelo menos, seis defesas difíceis, sendo umas 4 delas BEIRANDO O IMPOSSÍVEL. Não há como dizer algo em contrário, Victor estava EM CHAMAS. Ele deveria pegar TITULARIDADE na seleção, até o excelente Júlio César admitiria isso.

Feita a necessária (mas insuficiente) ODE ao arqueiro tricolor, vamos aos fatos. O jogo contou com o apagão no sistema defensivo do Grêmio, que facilitou muito o trabalho do Flamengo em criar chances de ataque. É simplesmente vergonhosa a presença de Jadílson na lateral-esquerda que, além de não apoiar UM ABACATE, não marca nem UM BICHO PREGUIÇA. Seria correto promover Bruno Collaço para titular, apesar da baixa experiência porque, se é para não apoiar, que pelo menos fique bem postado defensivamente. Nisso o junior é melhor que o veterano.

Confesso que tive calafrios cada vez que os ADRIANO BOYS subiam pro ataque, achando espaços na direita e na esquerda, principalmente nesta última. Embora, no lance do gol do Flamengo, o espaço estava na direita, onde o Mário Fernandes deveria estar. Naquele momento, o FUJÃO estava no meio da área. Mesmo assim, o guri teve boa atuação, principalmente na marcação.

muito MESTRE (foto: gremio.net)

muito MESTRE (foto: gremio.net)

Réver teve grande atuação (nenhuma novidade) jogando na VOLÂNCIA, inclusive, ao tabelar com Douglas Costa (que também jogou bem), driblou dois e fez um golaço quase impensável para um jogador de defesa. Porém, tenho dúvidas se ele deveria continuar nesta função, pois a zaga ontem esteve fragilizada.

Apesar de ter marcado o primeiro gol gremista, Perea teve fraca atuação no primeiro tempo. No segundo, conseguiu movimentar-se melhor e foi lançado algumas vezes com bastante liberdade. Teve uma excelente chance, defendida por Bruno e depois, foi derrubado. Embora eu ache que ele dobrou as pernas antes mesmo de ser atingido. Pra mim, foi MIGUÉ. Jonas não jogou um ovo, mas fez dois gols de pênalti. O primeiro, muito bem batido. O segundo, mais sorte que juízo.

Adilson não comprometeu desta vez. Túlio esteve um pouco abaixo de suas melhores possibilidades. Quando Joílson entrou no lugar de Douglas Costa e tomou um cartão logo no primeiro lance, já temi pelo pior – será expulso de novo. Mas não, se recompôs e conseguiu ter uma boa atuação nos poucos minutos que jogou, inclusive sofrendo um pênalti – este sim, verdadeiro.

Pelo menos não foi desta vez que o Grêmio perdeu o CABACINHO 2009 no Olímpico. Pena que a ESQUIZO continua pegando firme. Best at home, worst away. Aposto duas BALAS XAXÁ que os títulos de algumas matérias na Zero Hora, ClicRBS e outros veículos serão: “Hora de vencer fora de casa” ou “Grêmio tentará vencer a primeira fora”.

Eu até apostaria as balas, se soubesse onde encontrá-las. Se alguém souber, me avise. Muita nostalgia das AMARELINHAS.

E assim fechou o placar em 4×1 no último jogo do primeiro turno. Que não está definido, por causa do ASTERISCO. Considerando que o Inter está em GRANDE FASE, tendo vencido duas partidas seguidas contra adversários de ALTO NAIPE, é provável que vencerá o Atlético Mineiro em casa e conseguirá pelo menos um empate contra o Santos, na Vila. Se confirmando isso, o Inter ultrapassaria o Palmeiras no primeiro turno. Porém, o confronto entre os dois times acontecerá antes mesmo do colorado PAGAR O QUE DEVE ao certame. Este “confronto direto será decisivo para a definição do líder.

Dizer que o TRICO precisa ganhar fora pra conseguir pegar G4 é redundância demais. Nem preciso me dar ao trabalho.





Com dois a mais, é covardia

3 08 2009

O jogo de ontem, mais uma vez com péssimo público no Olímpico, teve alguns “mais do mesmo”, infelizmente. Porém, algumas (boas) novidades também.

O Cruzeiro seria um caco daquele que me deixou meio cansado na semifinal da Libertadores deste ano. Afinal, dois jogadores IRRELEVANTES, como Kléber e Wagner, estariam ausentes do time estrelado. Portanto, uma postura mais defensiva da equipe mineira era esperada para o confronto.

O jogo mostrou, de fato, um Cruzeiro pouco interessado em buscar gols, ao contrário do Grêmio, que fazia pressão mas não conseguia concluir com qualidade. A história do jogo foi alterada cedo, pois Jonathan, que já havia sido amarelado num dos primeiros minutos do jogo, deu um carrinho estabanado em Tcheco, levou o segundo e foi expulso aos 17 minutos de jogo. Com a vantagem numérica, a pressão tricolor sobre o Cruzeiro foi grande, mas as conclusões a gol eram péssimas. Alguns minutos após a expulsão, Autuori ousou, ao trocar o lateral Thiego por Douglas Costa, com o objetivo de tornar o Grêmio mais ofensivo. De fato, o jogo se configurava positivo para uma boa atuação da jovem promessa, o que de fato aconteceu, mas sem nenhuma genialidade.

Da parte do Grêmio, teve destaque uma sequência ofensiva, depois de um passe sensacional de Tcheco para Túlio, que concluiu bem, mas o zagueiro cruzeirense tirou. Na cobrança do escanteio, Réver desviou e Jonas cabeceou no poste, no rebote, Souza achou Tcheco na direita que cruzou – Fábio espalmou para fora da área, a bola sobrou para Fábio Santos, que chutou forte e alto, no meio do gol, para boa defesa do goleiro cruzeirense. Uma sequência de tirar o fôlego!

Uma “recuada” de bola de Fábio Santos para o goleiro do Cruzeiro, numa ótima jogada de Jonas, aos 38 minutos, precedeu o que poderia ter sido o desastre: o estrelado saiu em contra-ataque, cruzou da direita para área, sem perigo e Tcheco, idiotamente, deixou o cotovelo nas costas de Wellington Paulista, numa jogada que não tinha grande perigo, com a defesa toda arrumada. Num primeiro momento, eu acreditei que Evandro Rogério Roman estava sendo exagerado. Mas, depois do intervalo, no momento que Tcheco disse que era um lance “de interpretação”, praticamente assumiu que foi sim, pênalti (se ele achasse que não tinha sido, teria negado). Wellington cobrou e marcou o gol clássico do “quem não faz, leva”.

ninguém imita Claudio Millar impunemente (Lucas Uebel/VIPCOMM)

ninguém imita Claudio Millar impunemente (Lucas Uebel/VIPCOMM)

Uma ressalva: se eu fosse goleiro e o cobrador do pênalti fosse destro, eu cairia SEMPRE para a direita. Se fosse canhoto, o inverso. Sério mesmo.

Apesar do primeiro tempo com a derrota no placar, a expectativa era de conseguir o empate, já que a diferença numérica se fez sentir em quase todo o primeiro tempo. A menos que Roman achasse uma expulsão contra o Grêmio, algo muito comum na arbitragem brasileira.

Aos 4 minutos, quase que Réver fez um GOLAÇO, ao receber livre na área, de costas para o gol, dominar e mandar de voleio. A bola passou no canto esquerdo do goleiro, perto do poste. Teria sido uma verdadeira PINTURA. Aos 5 minutos e meio da segunda etapa, o lance que determinou o fracasso cruzeirense: num lance no campo de ATAQUE, após perder uma bola para a defesa do Grêmio, Thiago Ribeiro deu um cotovelaço no rosto de Túlio. Um lance tri idiota, provando que Kléber FAZ ESCOLA. Pior foram os comentaristas do SporTV, visivelmente se baseando somente na câmera lenta, que sempre elimina a POTÊNCIA do lance, disseram que foi exagero do árbitro. Assim é fácil ganhar salário…

A partir daí, OITO a UM era o mínimo resultado possível. E foi QUASE isso.

Réver aos 13′, empatou. Tcheco, adiantado, meteu a bola no cantinho esquerdo de Fábio para marcar o segundo gol, aos 19′. Detalhe: ele estava sim, adiantado, mas o “passe” foi, na verdade, a tentativa do zagueiro do Cruzeiro de tirar a bola de Jonas. O gol foi legal e parem de chorar. Jonas aos 30′ e Maxi López, aos 43′, fecharam a contenda. GOLAÇO o do Maxi, diga-se.

derrapar na caixa é o que há (Roberto Vinícius/Ag. Free Lancer/Futura Press)

"derrapar na caixa é o que há" (Roberto Vinícius/Ag. Free Lancer/Futura Press)

Aliada à derrota do Vitória (cacofonia eterna) para o SPFC, no Barradão, o Grêmio fica dono da melhor campanha em casa no Brasileiro 2009, com 85,2% (7v, 2e, 0d – 23 pontos de 27 disputados). O Vitória tem 79,2% no Barradão (6v, 1e e 1d – 19 pontos em 24 disputados).

Falando em desempenho dentro e fora de casa, não precisamos falar dos ridículos 4,76% do Grêmio que fez 1 ponto em 21 disputados fora do Olímpico, até agora. Em compensação, o Goiás, que ontem venceu o Santo André por 2×1, em São Caetano do Sul, tem nada menos que 70,8% de aproveitamento fora do Serra Dourada (5v, 2e, 1d). É a melhor campanha como visitante, o que lhe rendeu a terceira colocação, com 29 pontos, dois à frente do Internacional que poderia recuperar a posição mas não jogou nesta rodada (sua partida com o Santos será no dia 26/8).

Se alguém souber de algum site onde tenha a informação, já mastigada, do aproveitamento de cada clube em casa e fora, eu agradeço. Basicamente, eu tirei estas informações do site do Prof. Tristão Garcia, o Infobola, sempre rico em estatísticas relevantes.

Abaixo, a classificação atualizada, também extraída do Infobola.

CLASSIFICAÇÃO E CHANCES DE SER CAMPEÃO
Clubes Pontos ganhos Vitórias Empates Derrotas Saldo de gols Gols pró Gols contra Jogos
1. Palmeiras 34 10 4 2 14 28 14 16
2. Atlético-MG 31 9 4 3 12 31 19 16
3. Goiás 29 8 5 3 11 30 19 16
4. Inter 27 8 3 4 6 26 20 15
5. Corinthians 25 7 4 5 0 21 21 16
6. Grêmio 24 7 3 6 9 28 19 16
7. Vitória 24 7 3 6 3 23 20 16
8. São Paulo 24 6 6 4 2 20 18 16
9. Flamengo 24 6 6 4 0 24 24 16
10. Avaí 23 6 5 5 4 23 19 16
11. Barueri 22 5 7 4 8 33 25 16
12. Santos 20 5 5 5 -1 28 29 15
13. Botafogo 19 4 7 4 -2 23 25 15
14. Santo André 18 4 6 6 -4 20 24 16
15. Cruzeiro 17 5 2 8 -9 15 24 15
16. Coritiba 16 4 4 8 -5 22 27 16
17. Atlético-PR 15 4 3 9 -14 15 29 16
18. Sport 13 3 4 9 -5 22 27 16
19. Náutico 12 2 6 8 -16 18 34 16
20. Fluminense 11 2 5 9 -13 13 26 16
Chance
54%
15%
13%
9%
1%
1%
1%
2%
1%
1%
1%
1%




Viúvo

13 07 2009
”]ai que saudades da OFÉLIA (ns) [foto: Gazeta Press]

Ontem foi um dia muito feliz. Afinal, estive no Olímpico e presenciei um verdadeiro ESPETÁCULO futebolístico, um domínio absoluto do tricolor sobre o campeão da Copa do Brasil, considerado por muitos o melhor time brasileiro da atualidade (aposto que, a partir de quarta, voltará a ser o Cruzeiro, mas…)

Um pouco do PRÉ-JOGO:

Consegui empurrar meu cunhado Ricardo pra assistir esse jogo, já que passamos o findi em Porto Alegre e as VERMELHAS gurias não teriam nenhum inconveniente em passar algumas horas no CHÓPS (apesar do peso crescente de JAY PEE incidindo sobre a coluna da Pita). Nos encaminhamos para o Olímpico cerca de 14:30, pois eu queria aproveitar o ADIANTO para dar uma ZAPEADA na loja Grêmio Mania do estádio.

Pra variar, a Rua Porto Alegre estava bloqueada mais uma vez, portanto, NECAS de estacionar na Rua Florianópolis. Mesmo chegando cedo, acabei estacionando longe do estádio (transitar na Av. Azenha era uma INSANIDADE) e demoramos um pouco mais para chegar.

Bônus: um carro bateu com certa violência na traseira de outro, na Av. da Azenha. Um TRASEUNTE falou: “tinha que ser um carro VERMELHO mesmo” (ns). Impressionante foi acelerar tanto num momento que a única velocidade possível era, sei lá, 500 metros por hora.

Nas imediações do Portão 1, havia boa movimentação de HINCHAS, mas evidentemente muito abaixo do jogo contra o Cruzeiro, por exemplo. Não havia filas no portão, naquele momento. Entramos e tínhamos muita tranquilidade para ir até perto do meio do campo, posicionando-nos melhor para assistir ao jogo. Mas eu fiquei ainda mais impressionado com a AUSÊNCIA da maior parte da Geral. Normalmente a Geral costuma ocupar bem seus espaços mesmo com muita antecedência aos jogos. Ontem, estava quase às moscas, faltando 45 minutos pro início do jogo. No final, acabou enchendo (mas não lotando completamente). Acredito que foi algum tipo de protesto (além da faixa que chamava Luiz Onofre Meira de MENTIROSO).

Enfim, vamos AO JOGO:

Durante o minuto de silêncio, o estádio em coro gritava “Ronaldo, VIÚVO”. Rachei de tanto rir, melhor corneta EVER.

Desde logo o início do jogo, notava-se qual seria a principal característica do time naquela tarde: defesa forte, marcando bem a saída de jogo e antecipando-se às jogadas corintianas. Não por menos, os desarmes foram muitos e as bolas não chegavam ao Ronaldo, nem ao Dentinho, nem ao Jorge Henrique. Excelente.

Rapidamente o Grêmio foi tomando conta do jogo, lançando-se ao ataque com VOLÚPIA. E de forma eficiente, por mais estranho que isso possa parecer, quando a dupla de ataque é formada por Alex Mineiro e Jonas. Aliás, esta foi a ordem dos dois primeiros gols. O carequinha (Britto, Paulo, 2009 x 400.000 inserções no Gauchão) recebeu bom cruzamento de Fábio Santos (às vezes ele se puxa) e mandou de primeira. Felipe SE APAVOROU e levou, aos 16 minutos de jogo.

vejam como RELUZ (foto: Gazeta Press)

"vejam como RELUZ" (foto: Gazeta Press)

Pouco depois, aos 22, Adílson (vejam só) foi até a linha de fundo e achou espaço para cruzar, com perfeição, na cabeça de Jonas, que cumprimentou o goleiro Felipe e mandou a bola LAMBENDO O POSTE direito do goleiro do Timão. Eu fiquei seriamente na dúvida se tinha sido gol. E descobri que até quem estava envolvido no lance ficou na dúvida.

Todos queriam mais.

Um pouco depois do segundo gol gremista, Jean, ex-zagueiro do Grêmio, cometeu falta frontal à defesa do Corinthians. Ele deu uma xingada ao árbitro, deve ter chamado ele de AMIGÃO. Levou o segundo amarelo e foi pro chuveiro. A partir daí, foi uma BABA só.

Aos 37, após escanteio cobrado por Souza a bola sobrou para ele mesmo que, de fora da área, cruzou novamente. A bola encontrou um inexplicavelmente desmarcado Rafael Marques, que abaixou-se e testou pro fundo das redes. 3×0 e a casa alvinegra foi definitivamente desmontada.

PIM-PO-NE-TA

"PIM-PO-NE-TA" (foto: Nabor Goulart/Ag Freelancer/Futura Press)

A sensação que nós tivemos, no momento do terceiro gol era de “TIRA O THIEGO”. Primeiro, porque ele destoava do resto do time, fazendo outra partida HORRENDA, em virtude de não ser um lateral-direito, a despeito do que o técnico pensa. Segundo porque ele tomou um amarelo logo no comecinho do jogo e já tinha se estranhado com o juiz. Todas as suspeitas de qual jogador gremista seria expulso para compensar a exclusão de Jean recaíam sobre ele.

Graças a Deus, isso não aconteceu.

O segundo tempo foi da tranquilidade total do Grêmio, que passou a valorizar imensamente a posse de bola e a troca de passes no campo de ataque, como todo time maduro deveria fazer SEMPRE que tem uma grande vantagem a favor. Recuar nunca foi uma solução segura. Apesar de uma excelente chance corintiana de marcar aos 35 do segundo tempo, quando Victor fez uma defesa simplesmente MAGISTRAL, o Grêmio teve pelo menos umas 3 chances claríssimas de gol na segunda etapa. Numa delas, Souza recebeu um passe de NUCA de Alex Mineiro mas quis dar show dentro da área, em vez de tirar do goleiro e correr pro abraço. Acabou permitindo a defesa de Felipe.

Com o jogo dominado, Autuori resolveu experimentar alguns jogadores. Colocou Makelele no lugar de Túlio e a resposta foi bastante positiva. É um jogador que dá velocidade sem perder a força de marcação. Ainda colocou uma pelota muy linda para Perea (que entrou no lugar de Jonas), porém, o CICLÓN chutou sobre o goleiro.

Num lance meio estranho, Souza gratuitamente deu um carrinho num jogador corintiano e levou cartão amarelo. Em seguida, foi substituído por Maylson. Veio então a explicação: ele forçou o terceiro cartão amarelo, assim, ficará disponível para o Grenal de domingo. Maylson recebeu lançamento MAGISTRAL de Tcheco, porém, concluiu mal. Ou seja, se já foi goleada, poderia ter sido ESTRONDOSA.

Mano Menezes AGRADECEU a Paulo Autuori pela PIEDADE. Eu já penso que foram apenas ordens para se poupar.

Não dá para esquecer alguns pontos defeituosos no Grêmio. Por exemplo, ficou mais que evidente que Thiego não é lateral. Não insistam. A atuação dele foi péssima, graças a Deus o grupo compensou sua deficiência. Espero que Autuori já coloque Joilson em seu lugar, imediatamente, no jogo de quarta-feira contra o Coritiba. Souza foi mal, não a ponto de comprometer e também teve sua parcela de “culpa” pelo terceiro gol do Grêmio. Mas errar gol como ele errou é inaceitável. Precisa se focar mais e parar de querer enfeitar as jogadas.

Com a vitória, o tricolor foi a 15 pontos, 6 atrás do líder Atlético Mineiro. Agora ocupamos a sexta colocação. A meta de entrar no G4 depois do Gre-Nal é perfeitamente cabível. Se vencer a próxima rodada, poderá ir para 5º, porém, muito perto dos líderes. Vencer o Gre-Nal será o caminho para a aproximação definitiva do pelotão de cima.

Adversários, TREMEI. O Grêmio voltou.





Ruy é um homem de sorte

5 06 2009
pinky e o cérebro (foto: Daniel Marenco)

pinky e o cérebro (foto: Daniel Marenco)

Sim, este homem tem muita sorte. Porque, mais uma vez, não jogou um OVO. Foi substituído aos 20 do segundo tempo por Joílson, que em dois minutos, botou uma bola redondinha na cabeça de López para marcar o segundo gol gremista. No tempo em que ficou jogando teve atuação muitíssimo superior ao antecessor. E, no final do jogo, conseguiu tomar dois cartões amarelos em 4 minutos, em lances que nem Freud e Jung juntos entenderiam, já que a vitória estava garantida. Assim, CABEÇOLHO garante sua RESERVA DE MERCADO no lado direito tricolor para o próximo jogo do campeonato brasileiro. Na Libertadores ele já está com esta garantia de qualquer jeito, pois Joílson foi inscrito pelo SPFC e não pode ser alterado para o Grêmio.

Mas vamos aos fatos.

“Olímpico às moscas”, foi a mensagem de celular que meu bravo irmão Luciano me mandou às 20:18, 42 minutos antes do início da contenda entre Grêmio e Náutico, pela 5a rodada do campeonato brasileiro. Assistindo pela TV, não dá pra ter a noção exata do público presente, mas quando liguei pra ele no intervalo, me disse que devia ter umas 10.000 pessoas.

Ok, tá certo que tava frio e tal, mas a torcida tricolor não era assim. Nos últimos três anos, vinha colocando públicos mínimos de 18.000. O anel inferior geralmente ficava totalmente tomado, ou quase. Ontem, era uma terra sem dono.

O que está acontecendo? Perderam o TESÃO? Estão “preocupados” com o Inter, que foi pra final da Copa do Brasil? Estão decepcionados com o futebol de má qualidade apresentado pelo time em alguns jogos? Na minha opinião, nada disso é justificativa aceitável para o baixo público dos últimos jogos. Espero muito que isso mude para a sequência do campeonato.

O primeiro tempo não foi bom. Muitos erros de passes, Tcheco mal posicionado, excessivamente defensivo, Adilson em má jornada (mais uma vez), Souza perdendo bolas fáceis (e tomando vaias dos corneteiros de plantão), os dois laterais jogando normal (ou seja, péssimo). O Náutico conseguiu chegar com perigo em pelo menos, duas oportunidades no início do jogo, enquanto que o Grêmio tinha mais dificuldade em fazer uma conclusão decente.

O passe tipo “puxada” de Alex Mineiro para Souza foi primoroso, mas infelizmente o jogador gremista estava em posição irregular. Ainda que o bandeira não tenha registrado e o gol tenha sido legalizado pelo árbitro, não gosto quando isso acontece. Depois ainda houve uma boa jogada iniciada pela direita, em que vários jogadores tiveram a oportunidade de concluir a gol, mas pareciam que tinham medo, ou algo assim. O ataque acabou sendo desperdiçado inutilmente.

vaiem agora, seus POHA (foto: Lucas Uebel/Preview.com/Gazeta Press)

"vaiem agora, seus POHA" (foto: Lucas Uebel/Preview.com/Gazeta Press)

O segundo tempo não começou bem para o tricolor, com o Náutico tentando crescer e, de certa forma, conseguindo. O alvirrubro pernambucano teve algumas chegadas perigosas com Gilmar, de boa atuação. A entrada de Anderson Lessa também deu mais mobilidade ao Timbu. Porém, a partir dos 10, 12 minutos da segunda etapa, o Grêmio dominou o jogo como não havia feito no primeiro tempo e já não deu chances ao Náutico. As finalizações foram se avolumando, sendo que somaram 19, ao final do jogo – um número considerável.

Como eu já disse, a entrada de Joílson melhorou MUITO as jogadas pelo lado direito. O Grêmio, por instrução de seu treinador, passou a tocar a bola com qualidade, sem rifadas e chutões da defesa, permitindo mais chegadas ao ataque. Souza jogou DEMAIS no segundo tempo.

Aos 22 ST, Joílson fez lindo cruzamento na cabeça de Maxi, que tocou de ORELHA (mentira) e mandou no canto direito de Eduardo. 2×0.

gostaram da minha faixa? (foto: Wesley Santos/Foto Arena/Gazeta Press)

"não, não sou o LUCAS" (foto: Wesley Santos/Foto Arena/Gazeta Press)

A partir daí, tudo ficou TRANQUILAÇO. Mas, diferente de outras ocasiões, o Grêmio não desistiu do jogo e continuou insistindo no ataque. Maxi foi substituido por Herrera, que não teve muitas oportunidades. Aos 35, Gladstone (pior zagueiro) falha TOSCAMENTE, errando um passe na cara de Alex Mineiro, que interceptou a bola e serviu com maestria Souza, que apenas tocou de CHAPA pro fundo das malhas. 3×0.

O Grêmio continuou insistindo. Era visível que eles estavam DOPADOS emocionalmente. Coisa boa, diga-se. Pena que o Joílson levou a sério demais essa história e foi expulso de forma muito idiota. Troféu MANGOLÃO da semana pra ele.

Douglas Costa entrou no lugar de Alex Mineiro aos 40′ ST, mas aí era só pra “ganhar o bicho”. A maior promessa do Grêmio depois de Ronaldinho (nojo) continua sem ter muitas chances de aparecer. Veremos na sequência do Brasileirão.

Dever de casa cumprido. O Grêmio vai a 7 pontos e assume temporariamente a 6a colocação do campeonato, mas cairá várias posições até o final, pela lógica. Como Santos e Santo André empataram em 3×3, nenhum dos dois se distanciou consideravelmente, uma boa notícia. A rodada continua no sábado, com Corinthians x Coritiba e todos os demais confrontos no domingo.

O próximo jogo do tricolor é no domingo, 14/6, contra o Fluminense, no Maracanã.





Sapatada histórica

20 11 2008
uái ém ci êi

"uái ém ci êi"

Ontem tinha duas opções futebolísticas na TV brasileira, devido à tosqueira da CBF: Inter x Chivas e Brasil x Portugal. Tosqueira, pois a CBF não poderia ter marcado um amistoso da seleção no mesmo dia de um jogo importante de uma competição internacional. No entanto, aposto que se fosse o FRAMENGO no lugar do Inter, o amistoso não teria acontecido e todos nós teríamos que ENGOLIR o rubro-negro.

ANFÂN

A vitória por 2×0 no confronto da semana passada, em Guadalajara, já dava uma tranquilidade absurda ao colorado. No entanto, a fragilidade da equipe mexicana era tão grande, que o resultado não poderia ter sido outro: 4×0 para o Inter, no jogo de volta, em Porto Alegre. Obviamente eu optei pelo jogo da Sulamericana, em vez de assistir à TURMA DO ROBINHO fazer um placar elástico de 6×2 sobre Portugal, o que certamente manterá Dunga por mais uns SETENTA ANOS no comando da seleção.

Constrangia a falta de capacidade do Chivas Guadalajara de chegar na defesa do Inter. O colorado errava muitos passes no começo do jogo, facilitando a vida dos mexicanos. No entanto, eles não aproveitavam, tocando bastante a bola mas errando na intermediária. O primeiro tempo terminou sem ter um único chute defendido por Lauro.

Em compensação, o Inter rapidamente fez o placar, chegando a três a zero numa rapidez e facilidade impressionantes. O amadorismo mexicano ficou claro no momento do pênalti sobre D’Alessandro – algo inconcebível no futebol atual. O argentino converteu e marcou o primeiro gol. Ele também foi responsável pelo segundo gol, oriundo de uma falta boba na entrada da área. Sua cobrança foi excelente, sem chances para o goleiro.

O Chivas conseguiu aumentar sua cota de tosquice ao ter um jogador expulso de forma absolutamente ridícula. Após tomar uma VACA, um jogador mexicano deve ter ficado indignado e resolveu dar um carrinho por trás em Nilmar, sem ter a menor chance de tocar na bola. O árbitro Oscar Ruiz deve ter ficado constrangido em puxar o cartão vermelho.

Já o terceiro gol, também marcado no primeiro tempo, derivou de escanteio cobrado por Taison e que seria facilmente defendido por algum goleiro razoável. Porém, o arqueiro mexicano não possui esta característica e falhou absurdamente, dando um soco para trás, presenteando Nilmar, que mandou o coco na pelota e ainda quase torceu o pé, dentro do gol.

O segundo tempo foi de um tédio do tamanho do Beira-Rio, pois era evidente que o Chivas não conseguiria marcar 5 gols e inverter a situação. Ele nem tentou, pra dizer a verdade. Assim, o Inter tocava bola no campo de defesa e a torcida gritava olé, quando o relógio marcava QUINZE MINUTOS do segundo tempo. Mas ainda teve tempo para uma bonita jogada de Taison e uma igualmente bela conclusão de Nilmar, consolidando a goleada.

Agora, com o sangue mais doce do que abelha, o Inter espera pelo seu adversário argentino, que poderá ser o Argentinos Jrs. ou o Estudiantes de La Plata. O primeiro jogo foi 1×1, no estádio Diego Armando Maradona. Hoje haverá o jogo de volta, em La Plata. A vantagem é do Estudiantes.

Eu acredito que a única chance do Inter perder este título é com a classificação do time de La Plata. Mesmo assim, acredito que o colorado tem um time muito melhor do que o Estudiantes e, por isso, deve faturar o caneco.

Como eu já disse AQUI, ainda em agosto, sou favorável à concessão de uma vaga à Libertadores para o campeão da Copa Sulamericana. É uma forma de torná-la mais atraente. No entanto, será uma TREMENDA SACANAGEM fazer isso nesta edição da Copa, pois quando ela começou, NÃO HAVIA ESTA INFORMAÇÃO.

Sinceramente, vocês acham que os times brasileiros e vários de outras nacionalidades teriam sido tão RELAPSOS com a Sulamericana, caso soubessem que a mesma daria uma vaga para a Libertadores? Tenho certeza que não.

Por que o Inter colocou força total? Muito simples: não tinha A MENOR CHANCE de conseguir a vaga para a Libertadores pelo campeonato brasileiro. Caso tivesse, DUVIDEODÓ que teria colocado força máxima na Sula.

Portanto, apenas espero que esse lance não se confirme. Pois, caso o campeão da Sulamericana realmente ganhe uma vaga para a Libertadores de 2009, será uma GRANDE INJUSTIÇA.





Final da 24 rodada (bonus track: Chile x Brasil)

8 09 2008

Sábado, dia 6/8, houve a finalização da vigésima-quarta rodada do campeonato brasileiro, com a realização de 4 jogos. Vamos aos comentários sobre os mesmos:

– Fluminense 0 x 0 Grêmio: um jogo meio murrinha, com poucas finalizações e chances de gol de cada lado. O time da casa mostrou um pouco mais de entusiasmo na primeira parte do jogo, especialmente na segunda metade do primeiro tempo, quando conseguiu duas chances incríveis para abrir o marcador. Na primeira, um cruzamento da direita com furo de Pereira e Leo travado no chão – Washington dominou, girou e chutou em cima de Victor. No último lance do primeiro tempo, escanteio da esquerda, a defesa afasta, um jogador do Fluminense joga pra dentro da área, novo furo da defesa e Washington tenta tirar de Victor. A bola bate na trave, no goleiro e é afastada pelo zagueiro gremista. O Grêmio teve uma chance importante, quando Souza fez linda jogada individual pela direita, entrando na área a dribles e chutando forte no meio do gol, onde estava o goleiro Diego.

No segundo tempo, o Fluminense teve grande queda de rendimento, provocada pelo mau condicionamento físico, creio eu, e o Grêmio conseguiu “tomar as rédeas” da partida. Isso não significou criar grandes quantidades de chances de gol, mas na segunda etapa o Fluminense não ameaçou o tricolor gaúcho. O Grêmio meteu um pouco de pressão e quase marcou, especialmente numa cobrança de falta de Tcheco espalmada pelo goleiro do Fluminense, mas o rebote foi mal aproveitado. No final do jogo, Washington perdeu a cabeça e empurrou Victor, sendo expulso imediatamente. Mas o Grêmio não teve forças para atacar o Fluminense e o empate persistiu. Um péssimo jogo.

Souza, apesar do lindo lance do primeiro tempo, não teve boa atuação. A posição dele é MEIA-ATACANTE, jogar no ataque ou na ala não dá certo com ele. Tcheco jogou medianamente, gostei mais do Orteman, no segundo tempo. Os dois alas jogaram MUITO MAL, especialmente Paulo Sérgio, que errou TODOS os cruzamentos. Leo vem comprometendo a vários jogos. Estranha e preocupa muito a queda no rendimento deste jogador.

Vejo que o Grêmio joga com muito pouca qualidade especialmente em GRANDE SUPERFÍCIE, como é o caso do Maraca. Num campo mais compacto, o rendimento pode ser melhor, já que a marcação é sob pressão e leva menos tempo para ir da defesa para o ataque. Mas o empate não pode ser desvalorizado inteiramente, já que põe o Grêmio, no final de uma rodada na qual jogou fora de casa, com um ponto a mais de diferença para o segundo colocado, em comparação à rodada anterior. O cenário é bastante positivo, pois o Grêmio jogará sábado com o Goiás, em casa. Uma vitória, combinada com um empate entre Palmeiras e Cruzeiro, poderá aumentar ainda mais a diferença, mesmo que o Botafogo vença e assuma a segunda colocação.

– Internacional 1 x 0 Portuguesa: apenas vi os melhores momentos do jogo, já que ocorreu simultaneamente ao do Grêmio, mas deu pra ver que foi uma partida fria, assim como a noite que congelava Porto Alegre e fez com que menos de 10.000 expectadores encarassem as arquibancadas do Beira-Rio (creio que foi o menor público da dupla, este ano). No primeiro tempo, Clemer bateu roupa feio e quase entregou. Mas foi num cruzamento de Alex que Magrão, mais SOZINHO que ROBINSON CRUSOÉ, cabeceou pras malhas.

não tenho OTITE

"não tenho OTITE"

Na comemoração, o principal lance do jogo: Magrão praticamente esquivou-se dos colegas em campo e foi direto comemorar com BOLÍVAR, no banco, sem sequer olhar para o técnico TITE. Acho que a cabecinha do pastor já era.

No segundo tempo, o Inter teve ainda boas oportunidades de marcar e a Lusa teve poucas. Com isso, persistiu o resultado que o manteve na 11a colocação, empatado em pontos com o Goiás, mas perdendo no saldo. Caso o Inter vença seu próximo compromisso, contra o Botafogo no Engenhão, o Grêmio vença em casa o Goiás e o Sport não vença o Figueirense, em casa, o Inter poderá ultrapassar duas equipes na próxima rodada e aproximar-se verdadeiramente do batalhão de cima, além de fazer um lindo favor para o Flamengo.

– Coritiba 0 x 1 Botafogo: Nei Franco está nas nuvens. Além de manter a excelente campanha do Botafogo, a melhor entre todas as equipes no segundo turno, venceu um adversário direto fora de casa e ultrapassou o Flamengo, assumindo a quarta posição isolada e retomou sua vaga no G4. Agora joga contra o Inter sabendo que, no caso de um empate entre Cruzeiro e Palmeiras, poderá subir para a segunda colocação.

– Náutico 2 x 0 Ipatinga: embora nada imprevisível, o resultado serviu para enviar o Fluminense de volta à zona de rebaixamento, além de subir a linha da mesma – estava em 23 pontos e agora passou a 25. A próxima rodada terá novamente jogos entre equipes que se encontram dentro ou próximas da zona de rebaixamento, o que deverá dar ares de batalha nestes confrontos. Grandes chances de mudanças significativas nos times do G4 NEGATIVO.

De quebra, tivemos ontem o confronto entre Chile e Brasil, no CONVIDATIVO horário das 22 horas, num domingo à noite. De todas as pessoas com quem conversei hoje pela manhã, a maioria não assistiu ao jogo inteiro. A vitória brasileira foi merecida, mas 3×0 foi excessivo pelo futebol apresentado. Meus comentários acerca:

* o campo do Estádio Nacional de Santiago é relativamente pequeno, o que propicia rapidez na ligação entre defesa e ataque. Isso ajudou a dar velocidade à partida, tornando-a interessante.

* o Brasil jogou com marcação forte. Diego bateu como nunca havia feito antes, na vida. Os contraataques canarinhos eram rápidos, aproveitando-se da defesa completamente adiantada dos chilenos. Bielsa provou mesmo porque é conhecido como “loco”.

* o atacante chileno SUAZO errou um gol incrível, no começo do jogo. Dominou e chutou um ABACATE. Era o prenúncio de que a vida não seria vermelha naquela noite.

* o pênalti errado por Ronaldinho não foi tão mal batido. Justiça seja feita. Mas a partida do dentuço foi semelhante às anteriores: cisca-cisca e toquinho pro lado. Possivelmente jogará bem contra a Bolívia (= ÍNDIOS MANCOS) e garantirá titularidade por mais uns 5 jogos.

yo no hice nada, doctor!

"yo no hice nada, doctor!"

* dois lances cruciais da arbitragem de Carlos Torres, ambas desfavoráveis ao Chile: no segundo gol do Brasil, Luís Fabiano claramente domina a bola com seu braço direito, antes de girar e fazer o passe para o lindo arremate de Robinho (que jogou muito bem, ontem, sem firular). Além disso, a expulsão de Valdívia foi um exagero, já que ele não demonstrou maldade no carrinho. Amarelo era suficiente. Embora em termos de futebol o Chile jogou muito pouco, os dois lances poderiam ter modificado significativamente a história do jogo, especialmente considerando-se que o Chile poderia ter tido mais tempo para aproveitar a vantagem numérica.

* o “interessante” é que NINGUÉM, absolutamente NINGUÉM da Globo fez menção ao toque do Luis Fabiano. Simplesmente IGNORARAM o lance. Aliás, toda a imprensa o fez.