Enfim… justiça!

20 07 2009

(Luciano Stabel)

Tô ligado que o Grêmio não tem time melhor do que o Inter.

Tô ligado que o Grêmio está ainda 7 pontos atrás do líder do campeonato.

Mas, PRO INFERNO com estas “ligadeiras” (ns). Só sei que METEMOS ontem. E mais, depois de outros dois grenais em que o tricolor jogou melhor, mas perdeu, finalmente a justiça se fez presente no placar. Não é de hoje que eu venho falando que o Grêmio foi muito prejudicado por ter jogado os outros três clássicos fora de seu estádio. Ontem foi a prova de que eu tinha alguma razão.

cara mais engraçada = Rafael Marques WINS (Edu Andrade/Futura Press)

cara mais engraçada = Rafael Marques WINS (Edu Andrade/Futura Press)

Estádio aparentava baixo público. Os 40.020 anunciados pelo placar no final do jogo me desmentiram, mas havia vários clarões. Significa que caberia muito mais, uns 8 mil pelo menos. Nenhum tipo de comemoração especial, evento, ou algo que o valha, relativo ao centenário do clássico. Penso que as diretorias perderam uma oportunidade que nunca mais retornará – mesmo quando for a comemoração de 200 anos, não será a mesma coisa. Especialmente a do Grêmio, já que o jogo era em seu estádio.

Lindo recebimento do time do Grêmio pela Geral, utilizando dois canhões de filme metalizado picado – a chamada “chuva de prata”. Um espetáculo especial. Além da nova faixa contendo os nomes dos 11 atletas gremistas naquele 18 de julho de 1909. Aposto que aqueles jogadores jamais imaginariam como seria importante esta data…

Novamente o Grêmio começou atacando para onde está a Geral. Normalmente acontecia o contrário. Mas, desta vez, o Grêmio ganhou o sorteio e OPTOU pela modificação no lado. O Inter já tinha se posicionado à esquerda das cabines e teve que ir para o outro lado. Acredito que esta “tática” será repetida em outros jogos.

O jogo começou com uma certa pressão tricolor, alguns chutes a gol, mas nada que oferecesse muito perigo. Depois de uns 18 minutos, o Inter passou a dominar o meio-campo e impedir os avanços gremistas. Com muita dificuldade chegava ao ataque mas conseguiu assustar com uma boa cabeceada de Sorondo, após escanteio pela direita, defendida por Victor.

Depois de uma frustrada cobrança de escanteio da direita do ataque tricolor, Andrezinho saiu rapidamente, lançando Nilmar que conseguiu passar por Souza (com excessiva facilidade, no entanto) e tirou de Victor. Grande decepção na massa azul. Eu só pensava: “precisamos empatar logo, precisamos empatar logo”.

mochilas TAISON (Jefferson Bernardes/Vipcomm/Divulgação)

mochilas TAISON (Jefferson Bernardes/Vipcomm/Divulgação)

Não demorou tanto, ainda bem. 11 minutos, pra ser mais preciso. Numa cobrança de falta perfeita, Souza empatou a contenda e voltou a dar equilíbrio ao placar. Alívio é a palavra que descreve a sensação que eu tive. Deu pra notar que o restante do primeiro tempo foi burocrático e os dois times estavam relativamente CAGADOS, preferindo não arriscar.

(Lucas Uebel/Preview.com/Gazeta Press)

A partir do gol gremista, não se ouviu mais um PIO da torcida colorada. Me impressionou muito isso. Em compensação, a tricolor estava EM CHAMAS, enlouquecendo muito a cada minuto que passava. O campo sentiu isso. O segundo tempo teve o nome de GRÊMIO, do início ao fim. O Inter desapareceu e o tricolor deve ter tido uns 80% da posse de bola… Ok, talvez um pouco menos.

Depois de Réver dar uma boa cabeceada aproveitando escanteio, foi outra cobrança de tiro de canto que rendeu o engasgado GRITO de gol. Da vitória! Aos 24 minutos, Tcheco cobrou escanteio da direita, a bola sobrou para Réver, que mandou um bago, que explodiu no peito de Guiñazú e sobrou redonda para Maxi López mandar de cabeça para as redes.

GANHAMOS (Luciano Stabel)

"GANHAMOS" (Luciano Stabel)

Daí, ainda teve uma chance linda, em um lance que Maxi López fez jus à sua fama de TROMBADOR, venceu Índio e Sorondo na base da PEITADA, dominou e esperou a aproximação de Herrera. Quando chegou, tocou macia pro outro argentino bater forte no POSTE esquerdo de Lauro. Faltou pouco para o terceiro e definitivo tento.

Depois disso, foi só amorcegamento, mas o Inter não esboçou reação. Victor praticamente passou o resto do jogo NANANDO.

Fazia MUITO tempo que eu não assistia ao Grêmio vencer um Grenal no Olímpico. O último tinha sido em 2000, com o TRAÍRUCHO vestindo a tricolor. Desde ENTONCES, só havia visto empates 0x0 em 2006, 1×1 ano passado, no Brasileirão (gol do Roger SECCO). Que sensação boa, não há como explicar.

Saindo do estádio, a massa cantava “Aonde estão, ninguém os vê, cadê os p… do Inter?”.

Fazendo uma análise do jogo: não entendo porque tanta rasgação de seda para Mário “doril” Fernandes. Ele jogou muito bem o segundo tempo, mas não é um jogador desta função, apoiava pouco. Mas mostra grande qualidade no desarme e na saída pro jogo. Tem potencial.

O time não foi brilhante, errou várias jogadas básicas, mostrando certo nervosismo. O sistema defensivo funcionou bem, à exceção do gol colorado, quando houve uma espécie de BLECAUTE na defesa gremista. Quem, na minha opinião foi o pior em campo foi o Tcheco. O segundo tempo dele foi ainda pior do que o primeiro, diferentemente do resto do time, que mostrou melhora na segunda etapa. Não conseguia dar rapidez às jogadas, errava muitos passes e perdia bolas fáceis. Não sei o que tem o capitão do Grêmio. Reforço a minha ideia de que precisamos de uma sombra, urgente.

Herrera também teve uma tarde infeliz. A entrada de Jonas era quase garantida. Talvez devesse pegar banco na próxima partida.

Ainda acho que um lateral de função deverá dar melhor resultado do que um zagueiro improvisado, na direita. Autuori deveria tentar Joilson aí, até porque ele jogou muito poucas vezes no time e não teve muita chance de mostrar serviço. Eu, sinceramente, tive boas impressões dele. Mesmo Makelele deverá dar retorno melhor nesta função, pois tem muito mais “cacoete” para o apoio. Mário deve ter novas chances, mas na zaga. Ele certamente terá oportunidades, pois a defesa sempre tem a maior incidência de cartões amarelos e suspensões.

Agora é PAPAR o Avaí quarta-feira, pra começar a fazer campanha também fora de casa.

Anúncios




Boa notícia da semana: Celso Roth deixará o tricolor

2 03 2009

Quem me conhece sabe que eu nunca fui um daqueles a engrossar o coro de “Fora Roth”, ouvido desde o dia que ele foi contratado, no começo do ano passado. Sempre pensei que não adiantava muito ficar atrapalhando o trabalho do treinador, especialmente sem ao menos ver do que ele é capaz.

Todos sabemos que, provavelmente por causa de sua atuação na casamata, o Grêmio fez uma campanha quase impecável no campeonato brasileiro, que é longo e difícil, com um grupo pouco qualificado em comparação a vários outros clubes brasileiros (Inter).

Agora, no início de 2009, ele teve a quase manutenção completa do grupo que terminou 2008, além da inclusão de jogadores qualificados. De fato, o Grêmio conseguiu mostrar qualidade e jogo mais refinado do que vinha demonstrando no ano passado.

Meu prezado (e MESTRE) irmão discordou de meu ULTRA SINGELO post, feito em HOMENAGEM ao empate contra a Universidad de Chile.

Não lhe tiro a razão.

O problema é o COMANDANTE.

ouvi um ZOOMBIDO de que tão querendo minha cabeça

"ouvi um ZOOMBIDO de que tão querendo minha cabeça"

Não é possível que, depois de ver o Grêmio jogar uma grande partida na estréia da Libertadores, num esquema com 2 atacantes, uma pessoa SÃ resolva mudar tudo em seguida, por conta de sua CAGALHICE. Ok, o adversário desta vez era mais qualificado do que “La U”. Mas tirar Jonas para colocar Diogo, praticamente alterando o posicionamento de todo o meio-campo em relação ao jogo contra o time chileno foi de uma ESTUPIDEZ imensa.

Resultado: time perdido em campo, não acertando dois passes em sequência. Somando-se isso ao um Internacional marcando com AFINCO, o Grêmio não viu a cor da bola no primeiro tempo, que foi muito truncado no meio-campo em ambos lados, praticamente inexistindo chances de gol, até pouco antes do intervalo, quando o Inter arrematou 3 bolas perigosas, exigindo defesas sensacionais de Victor.

No início do segundo tempo, a imbecilidade coletiva: linha de impedimento estúpida mal executada e 3 jogadores colorados absolutamente livres dentro da área em cobrança de falta – Indio foi o felizardo que anotou o primeiro tento colorado.

Daí, vejam só, o nosso LÍDER se deu conta de que não poderia manter o malfadado esquema de jogo. Retirou, de uma só vez, um zagueiro (Léo) para a entrada de um atacante (Jonas) e sacou um volante (Diogo) para colocar um lateral-esquerdo (Fábio Santos), sendo que Jadílson ficaria improvisado no meio-campo. Ou seja, saiu do 3-6-1 para um 4-4-2. O time rapidamente começou a mostrar futebol e dominar a bola, conseguindo articular jogadas e chegar na defesa colorada. Jonas recebeu de costas pro gol e, mesmo marcado fortemente, conseguiu fazer jogada de pivô, entregando bola açucarada para Alex Mineiro, que chutou colocado no ângulo.

Não satisfeito, ROTHWEILER resolveu aprontar de novo, retirando Jadílson para o ingresso de um zagueiro – Héverton. O time voltou a desarrumar-se, permitindo o novo crescimento do Inter no jogo e o inevitável gol de desempate, marcado por Magrão após falta cobrada pelo lado direito do ataque colorado.

Nova derrota em Grenal, novo 2×1. Mas, desta vez, a culpa foi principalmente de CELSO ROTH, que inventou um esquema sabidamente fracassado, escalou mal o time e conseguiu a façanha de corrigir o problema para depois DESCORRIGIR. E, para piorar, praticamente jogou a responsabilidade para os jogadores, ao critica-los após o jogo.

É claro que JUAREZ sairá do Grêmio. Resta torcer para que isso aconteça logo, antes que o ano seja desperdiçado novamente.





O mundo é injusto OU Deus não existe

9 02 2009

Foi grande o sentimento de frustração depois da derrota por 2×1, ontem. Primeiro porque tomar um gol contra, a 2 minutos de jogo, numa CAGADA monumental de um jogador que tu consideras bom, DERRUBA AS BOLAS do cidadão. E altera significativamente os rumos da partida. Não é absurdo dizer isso, pois tenho certeza que, por exemplo, o Inter não teria sido TOTALMENTE DOMINADO pelo Grêmio no primeiro tempo caso não tivesse saído na frente do placar tão cedo.

E DÓI NA ALMA ver o teu time errar QUATROCENTAS chances claras de gol. Várias por intervenções seguras do arqueiro adversário e outras por incompetência. Apesar do Grenal ter significado uma GRANDE atuação do ala esquerdo Fábio Santos, também mostrou como esse sujeito é AZARADO – pelo menos umas 5 bolas na trave ou por cima, em arremates perigosíssimos.

O Grêmio tinha toque de bola refinado, fazia tabelas e Souza jogava o FINO DA BOLA. Enquanto que o Inter estava totalmente recuado e a bola praticamente não chegava a Nilmar e Taison. Alex só pegou na redonda num lance que fez fila no lado direito da defesa do Grêmio, mas foi desarmado antes de chegar à área. Foi substituído no intervalo, corretamente.

No segundo tempo, o Inter equilibrou o jogo, pelo menos no começo e perdeu um gol incrível, com Nilmar (em duas defesas incríveis de Victor). Mas, logo o Grêmio voltou a dominar, até que o gol finalmente saiu, com Jonas (entrou no lugar de Diogo, que pedia pra ser expulso) em falha bisonha de Índio.

(aliás, TODOS os gols foram originados em falhas bisonhas, como explicarei a seguir)

A partir daí, o jogo perdeu um pouco em qualidade, os dois times passaram a se RESGUARDAR. O Inter perdeu um gol feito, com Andrezinho, que foi defendido pelo reflexo de Victor. Em compensação, o bandeira anulou um gol legítimo de Jonas, marcando impedimento que não houve. Gol que seria o segundo dele e colocaria o Grêmio na vantagem, o que faria justiça.

Mas, como Deus não existe ou estava no PLANETA ATLÂNTIDA, o Grêmio se posicionou no ataque para um cruzamento. Até aí tudo bem, mas OITO jogadores do Grêmio se deslocaram da defesa para a área de Lauro. O rebote ficou para Taisson, que FOI COM TUDO pra cima de DOIS defensores do Grêmio. Sinceramente, Taisson e Nilmar contra dois zagueiros é covardia. Não deu outra, o CARA DE BONECA mandou pras malhas.

Pra mim, foi uma falha bisonha, pois até a VELHINHA DE TAUBATÉ (ns) sabia que deixar dois zagueiros no mano-a-mano com o velocíssimo contra-ataque do Inter é SUICÍDIO. E foi.

Aí não dava mais tempo, o Inter fez todo tipo de cera possível. Um balde de água fria. E o pior venceu.

Destaques positivos:

– Estádio dividido. Dá outro tom ao maior clássico do Brasil.
– Souza, Fábio Santos e Victor, para o Grêmio. Alex Mineiro também teve importante atuação no primeiro tempo, fazendo o trabalho de pivô e dando importantes assistências aos meiocampistas que vinham de trás. No segundo tempo, Jonas mostrou que Herrera não estará garantido, já que o renegado teve a precisão que os outros não tiveram.
– Lauro e Nilmar, para o Inter.

Destaques negativos

– Tcheco: não jogou
– Diogo: nervosinho, vai bem defensivamente mas bate demais, podendo comprometer com uma expulsão ou algo do gênero
– William Magrão: não jogou mal, mas entregou a rapadura no comecinho do jogo
– Adilson: o alemão não é jogador pro Grêmio
– do Inter: Índio (entregou), Alex (se escondeu), Guiñazu (o motor do time estava queimado), Tite (permitiu que o Grêmio dominasse o jogo – quase comprometeu o resultado).

Se o Grêmio não tivesse feito a besteira de colocar time totalmente reserva no jogo contra o Veranópolis, não estaríamos em sexto no nosso grupo e teríamos chance maior de chegar em primeiro no nosso grupo. Agora, é até de se imaginar que o Inter perca de propósito para o Ypiranga só para impedir definitivamente que o Grêmio se classifique em primeiro no grupo (embora esta chance esteja praticamente descartada). É evidente que não faria sentido desgastar demais o grupo que se prepara para a Libertadores, o grande objetivo do semestre. Mas um time misto já poderia ter servido para vencer o time serrano.

Não consigo ter a visão de que a arbitragem comprometeu o resultado. Prejudicou o Inter primeiro, ao não expulsar Réver num lance que Nilmar estava passando lotado por ele, último homem da defesa tricolor. Era pra mostrar vermelho, não amarelo. Depois o Grêmio, com o gol anulado. De resto, deixou o jogo rolar e não deixou descambar pra violência.

Fazia muito tempo que eu não via um Grenal de qualidade técnica, como foi ontem. Mas fiquei com a sensação amarga de ter perdido um jogo, tendo jogado não melhor, mas MUITO melhor.

A palavra certa é FRUSTRAÇÃO.

O que não justifica o desabafo equívoco do presidente Duda Kroeff, que “ameaçou” largar de mão o Gauchão, caso o tricolor “continue sendo prejudicado”.

MENAS.





Tabela do Brasileirão 2009

6 02 2009

Saiu a tabela do Campeonato Brasileiro de 2009, que terá início em 10 de maio e finalizará dia 6 de dezembro. A primeira rodada terá os seguintes confrontos:

Corinthians x Internacional
Palmeiras x Coritiba
Santo André x Botafogo
Atlético-PR x Vitória
Grêmio x Santos
Fluminense x São Paulo
Goiás x Náutico
Sport x Barueri
Cruzeiro x Flamengo
Avaí x Atlético-MG

A tabela completa está aqui.

Mas o melhor está por vir.

No fim de semana de 18 e 19 de julho acontecerá o primeiro Gre-nal, no estádio Olímpico. Acontece que no dia 18 de julho de 1909 foi disputado o PRIMEIRO GRE-NAL DA HISTÓRIA, vencido pelo Grêmio por 10 x 0. Ou seja, a CBF atendeu à genial ideia do Paulo Roberto T. Sanchotene, frequentador assíduo do Impedimento, que sugeriu que o primeiro Gre-nal do Brasileirão fosse na data do centenário do MAIOR CLÁSSICO DO BRASIL, segundo a revista Trivela. E com direito a troféu (ainda vai acento?) e festejos mil.

o maior clássico do Brasil completa 100 anos

O jogo será no Olímpico, já que na Baixada do Moinhos de Vento não dá mais… ou podiam fazer o jogo no PARCÃO? Espero que seja no sábado, dia 18 de julho, pois assim seria EXATAMENTE no dia do centenário do confronto.





Grenal

2 10 2008

Não assisti o jogo, como já havia informado. Porém, soube do resultado no momento em que meu vôo pousou – a Gra tinha me mandado um SMS. Ou seja, meu dia (a segunda-feira) começou pessimamente, já que foi justamente o aviso de uma derrota maiúscula.

Não posso opinar, portanto.

Espero que as coisas se ajeitem no lado do Olímpico. Obviamente ainda há chances de título, mas temos que, pelo menos, garantir a vaga para a Libertadores.





Primeiro Gre-Nal – Copa Sulamericana

14 08 2008

Tentei MUITO assistir ao Gre-Nal, mas só consegui ver alguns minutos do jogo e os gols. Aparentemente, o jogo foi meio ruinzinho. Mas não dá pra desprezar o resultado, por ter sido no Beira-Rio e pelo fato do Grêmio ter jogado com UM titular (só o Leo).

Na estréia de D’Alessandro no time colorado, nada mais interessava ao Internacional, a não ser a vitória, que poderia recolocar o time beiralagano nos eixos. Mas o que se viu foram muitos erros e jogadas sem efeito. O primeiro tempo foi sonífero. O segundo, um pouco melhor, quando aconteceram os gols. Inclusive teve um tento anulado do Grêmio, antes mesmo do primeiro gol, de pênalti, marcado pelo Inter. Mas o gol foi corretamente anulado. Depois do pênalti sofrido por Guiñazu e cobrado por Daniel Carvalho, o Grêmio empatou com um gol de NUCA de Léo, o único titular da equipe. E o Marcelo Grohe demonstrou que poderia ser titular, caso o dono da camisa 1 não fosse um cara DOENTE DE BOM.

No mais, a SUDA é algo questionável mesmo, especialmente para o líder do BRÃO 2008. Mas seria lindo eliminar o colorado, isso é indiscutível.





E a SULA?

4 08 2008

Com o Grêmio fazendo excepcional campanha no Brasileirão 2008, muitas vozes creem ser a melhor solução colocar time misto nos grenais da Copa Nissan Sulamericana. O primeiro, no Beira-Rio, será no dia 13/8 enquanto que o segundo, no dia 28/8.

Penso que essa hipótese, se levantada e considerada pela comissão técnica do Grêmio, teria como motivação principal não a questão física e, sim, “blindar” os jogadores contra eventuais insucessos nos clássicos, que sempre têm o poder motivador e devastador, dependendo do resultado. Evidentemente, na situação atual, o Grêmio tem muito mais a perder do que o Inter, considerando a diferença de 10 pontos que nos separam.

Porém, eu acredito que o ideal é jogar com time normal. Sempre penso que os campeonatos devem ser disputados para vencer. E a Sulamericana é uma competição importante, valorizada e garante boas premiações aos participantes. Essa questão do desgaste físico é pura balela – os caras viram noites nas boates e depois reclamam do excesso de jogos?

Mas o Beto Borracho, comentarista tradicional no Impedimento, sugere o seguinte time: Victor, Jean, Réver, Thiego, Felipe, Orteman, Amaral (ou Makelele), Souza e Hélder, Reinaldo e Soares. Embora seja uma equipe que nunca jogou junta, é uma boa opção, para poupar um pouco os titulares. Creio que dá pra vencer com esta formação. O que vocês acham?