Congratulações ao campeão gaúcho

20 04 2009

Quero expressar aqui meus parabéns ao Sport Club Internacional, campeão gaúcho de 2009, de forma invicta e muito contudente, através de uma vitória por 8 x 1 sobre o SER Caxias do Sul, na final da Taça Fábio Koff, referente ao segundo turno do campeonato.

Não há dúvidas de que o Internacional venceu o campeonato de forma justa – aliás, nada pode ser mais justo. Porém, a forma como o Internacional venceu este campeonato, de certa forma, ratifica a minha tese.

Congratulações ao Internacional.

Anúncios




A quem estão querendo enganar?

2 04 2009

“Uma mentira contada mil vezes se torna verdade”, já dizia Goebbels.

apresente provas, Píffero

"apresente provas, Píffero"

Há mais de dez anos, pelo menos, o Internacional exibe, em seu estádio, a frase “A maior torcida do Rio Grande”, quando TODAS as pesquisas realizadas por diferentes institutos (UFRGS, Datafolha, CNT/Sensus) provam que o Grêmio tem a maior torcida do Rio Grande do Sul e tem mais torcida que o Internacional também fora do Estado.

Vejam a pesquisa divulgada pela Datafolha em janeiro de 2008. Para facilitar a leitura, transcreverei o trecho que nos interessa:

No Estado do Rio Grande do Sul o Grêmio é líder isolado, com 48%; o Internacional conta com 36% das preferências. Em Porto Alegre, o tricolor gaúcho atinge 48%, apenas cinco pontos percentuais a mais do que o rival colorado, que obtém 43%, e ocorre um empate, em razão da margem de erro, de exatamente cinco pontos, para mais ou para menos.

É interessantíssimo ler a pesquisa toda. Nela fica provado que o Grêmio é líder de preferências também em Santa Catarina (com 13%), empatado tecnicamente com o Flamengo, que tem 16%. O Internacional tem 8%, empatado com o Corinthians, naquele Estado.

No Paraná, o Grêmio tem 3%, um percentual considerável. O Internacional não é citado.

Agora a frase foi modificada no Beira-Rio: “A maior e melhor torcida do Rio Grande”. Ufanismo total. Não apenas mantiveram a afirmação mentirosa como acrescentaram um adjetivo que não faz o menor sentido. Ok, é pra consumo interno, não me importarei com isso. Até sugiro que eles deixem somente “A melhor…”, pois é algo subjetivo que não pode ser comprovado cientificamente.

O blog gremista Sempre Imortal publicou um texto agressivo, mas interessante a respeito: A Farsa do Século. Recomendo a leitura.

Acredito que o marketing gremista deveria fazer algo a respeito disso, pois do contrário a máxima do ministro da propaganda de Hitler poderá se confirmar.





Estável como um redemoinho

13 10 2008

Os mercados financeiros estão exatamente assim: tranquilos como um TSUNAMI. Bastou os governos e bancos centrais europeus se mexerem (matéria em inglês), que as bolsas, que haviam caído vertiginosamente na última semana, começassem a se recompor.

A Inglaterra confirmou um ajuda financeira de 37 bilhões de libras, enquanto que a França ofereceu 360 bilhões de euros e a Alemanha, pode chegar a disponibilizar até 500 bilhões de euros. Além destes gigantes, Itália, Espanha, Portugal, Suécia, Noruega e Holanda já confirmaram ajudas significativas a seus bancos.

Com estas notícias, hoje as bolsas européias subiram, quase todas elas, 10% ou mais, significando a maior alta diária em toda a história. A Bovespa vai tendo alta de 10% também neste dia e o dólar está sendo negociado a R$ 2,16, uma queda de cerca de 7% em relação ao fechamento anterior.

Até o Banco Central Brasileiro já anunciou alteração no sistema de depósitos compulsórios dos bancos, o que poderá devolver à circulação até R$ 100 bilhões.





Está o mundo a acabar?

16 09 2008

Impossível ficar indiferente às notícias que vêm bombardeando o cenário econômico mundial. Ontem a notícia da solicitação de proteção contra falência de um grande banco americano – o Lehman Brothers – somada à venda do Merrill Lynch ao Bank of America, fez as bolsas do mundo inteiro desabarem, tal e qual as tempestades que atormentaram o Rio Grande do Sul na última semana.

O Lehman Brothers é o quarto maior banco de investimentos dos Estados Unidos e possuía grande posição em títulos sub-prime, os famosos créditos podres relacionados ao mercado hipotecário americano, que vêm causando grande estrago no país mais rico do mundo. Diziam as fofocas do mercado que esta quebra era esperada, mas o nome do banco “a quebrar” permanecia oculto. Agora, saiu do armário.

Os efeitos foram desastrosos, para dizer o mínimo. O Ibovespa, que já vinha acumulando quedas expressivas nas últimas semanas, despencou nada menos do que 7,59% no fechamento de ontem, a maior queda em um único dia desde 11 de setembro de 2001. O dólar foi menos afetado no dia de ontem, mas hoje já está sendo negociado a R$ 1,84. O Ibovespa está caindo mais 2,21%, agora.

Além dos problemas já relatados, existe o forte indício de que a AIG, uma das maiores seguradoras do mundo está indo pro vinagre também. No caso, eles estão pedindo ajuda financeira, para não quebrar. Este fato também está influenciando fortemente os mercados.

Momentos preocupantes, sem dúvida. O pior é que eu marquei viagem para daqui a duas semanas, espero que as moedas estejam mais “tranquilas” até lá. Seria excelente saber qual será o piso deste movimento de queda, já que seria o momento mais adequado para adquirir ações que, invariavelmente, voltarão a subir mais adiante.





Final da 24 rodada (bonus track: Chile x Brasil)

8 09 2008

Sábado, dia 6/8, houve a finalização da vigésima-quarta rodada do campeonato brasileiro, com a realização de 4 jogos. Vamos aos comentários sobre os mesmos:

– Fluminense 0 x 0 Grêmio: um jogo meio murrinha, com poucas finalizações e chances de gol de cada lado. O time da casa mostrou um pouco mais de entusiasmo na primeira parte do jogo, especialmente na segunda metade do primeiro tempo, quando conseguiu duas chances incríveis para abrir o marcador. Na primeira, um cruzamento da direita com furo de Pereira e Leo travado no chão – Washington dominou, girou e chutou em cima de Victor. No último lance do primeiro tempo, escanteio da esquerda, a defesa afasta, um jogador do Fluminense joga pra dentro da área, novo furo da defesa e Washington tenta tirar de Victor. A bola bate na trave, no goleiro e é afastada pelo zagueiro gremista. O Grêmio teve uma chance importante, quando Souza fez linda jogada individual pela direita, entrando na área a dribles e chutando forte no meio do gol, onde estava o goleiro Diego.

No segundo tempo, o Fluminense teve grande queda de rendimento, provocada pelo mau condicionamento físico, creio eu, e o Grêmio conseguiu “tomar as rédeas” da partida. Isso não significou criar grandes quantidades de chances de gol, mas na segunda etapa o Fluminense não ameaçou o tricolor gaúcho. O Grêmio meteu um pouco de pressão e quase marcou, especialmente numa cobrança de falta de Tcheco espalmada pelo goleiro do Fluminense, mas o rebote foi mal aproveitado. No final do jogo, Washington perdeu a cabeça e empurrou Victor, sendo expulso imediatamente. Mas o Grêmio não teve forças para atacar o Fluminense e o empate persistiu. Um péssimo jogo.

Souza, apesar do lindo lance do primeiro tempo, não teve boa atuação. A posição dele é MEIA-ATACANTE, jogar no ataque ou na ala não dá certo com ele. Tcheco jogou medianamente, gostei mais do Orteman, no segundo tempo. Os dois alas jogaram MUITO MAL, especialmente Paulo Sérgio, que errou TODOS os cruzamentos. Leo vem comprometendo a vários jogos. Estranha e preocupa muito a queda no rendimento deste jogador.

Vejo que o Grêmio joga com muito pouca qualidade especialmente em GRANDE SUPERFÍCIE, como é o caso do Maraca. Num campo mais compacto, o rendimento pode ser melhor, já que a marcação é sob pressão e leva menos tempo para ir da defesa para o ataque. Mas o empate não pode ser desvalorizado inteiramente, já que põe o Grêmio, no final de uma rodada na qual jogou fora de casa, com um ponto a mais de diferença para o segundo colocado, em comparação à rodada anterior. O cenário é bastante positivo, pois o Grêmio jogará sábado com o Goiás, em casa. Uma vitória, combinada com um empate entre Palmeiras e Cruzeiro, poderá aumentar ainda mais a diferença, mesmo que o Botafogo vença e assuma a segunda colocação.

– Internacional 1 x 0 Portuguesa: apenas vi os melhores momentos do jogo, já que ocorreu simultaneamente ao do Grêmio, mas deu pra ver que foi uma partida fria, assim como a noite que congelava Porto Alegre e fez com que menos de 10.000 expectadores encarassem as arquibancadas do Beira-Rio (creio que foi o menor público da dupla, este ano). No primeiro tempo, Clemer bateu roupa feio e quase entregou. Mas foi num cruzamento de Alex que Magrão, mais SOZINHO que ROBINSON CRUSOÉ, cabeceou pras malhas.

não tenho OTITE

"não tenho OTITE"

Na comemoração, o principal lance do jogo: Magrão praticamente esquivou-se dos colegas em campo e foi direto comemorar com BOLÍVAR, no banco, sem sequer olhar para o técnico TITE. Acho que a cabecinha do pastor já era.

No segundo tempo, o Inter teve ainda boas oportunidades de marcar e a Lusa teve poucas. Com isso, persistiu o resultado que o manteve na 11a colocação, empatado em pontos com o Goiás, mas perdendo no saldo. Caso o Inter vença seu próximo compromisso, contra o Botafogo no Engenhão, o Grêmio vença em casa o Goiás e o Sport não vença o Figueirense, em casa, o Inter poderá ultrapassar duas equipes na próxima rodada e aproximar-se verdadeiramente do batalhão de cima, além de fazer um lindo favor para o Flamengo.

– Coritiba 0 x 1 Botafogo: Nei Franco está nas nuvens. Além de manter a excelente campanha do Botafogo, a melhor entre todas as equipes no segundo turno, venceu um adversário direto fora de casa e ultrapassou o Flamengo, assumindo a quarta posição isolada e retomou sua vaga no G4. Agora joga contra o Inter sabendo que, no caso de um empate entre Cruzeiro e Palmeiras, poderá subir para a segunda colocação.

– Náutico 2 x 0 Ipatinga: embora nada imprevisível, o resultado serviu para enviar o Fluminense de volta à zona de rebaixamento, além de subir a linha da mesma – estava em 23 pontos e agora passou a 25. A próxima rodada terá novamente jogos entre equipes que se encontram dentro ou próximas da zona de rebaixamento, o que deverá dar ares de batalha nestes confrontos. Grandes chances de mudanças significativas nos times do G4 NEGATIVO.

De quebra, tivemos ontem o confronto entre Chile e Brasil, no CONVIDATIVO horário das 22 horas, num domingo à noite. De todas as pessoas com quem conversei hoje pela manhã, a maioria não assistiu ao jogo inteiro. A vitória brasileira foi merecida, mas 3×0 foi excessivo pelo futebol apresentado. Meus comentários acerca:

* o campo do Estádio Nacional de Santiago é relativamente pequeno, o que propicia rapidez na ligação entre defesa e ataque. Isso ajudou a dar velocidade à partida, tornando-a interessante.

* o Brasil jogou com marcação forte. Diego bateu como nunca havia feito antes, na vida. Os contraataques canarinhos eram rápidos, aproveitando-se da defesa completamente adiantada dos chilenos. Bielsa provou mesmo porque é conhecido como “loco”.

* o atacante chileno SUAZO errou um gol incrível, no começo do jogo. Dominou e chutou um ABACATE. Era o prenúncio de que a vida não seria vermelha naquela noite.

* o pênalti errado por Ronaldinho não foi tão mal batido. Justiça seja feita. Mas a partida do dentuço foi semelhante às anteriores: cisca-cisca e toquinho pro lado. Possivelmente jogará bem contra a Bolívia (= ÍNDIOS MANCOS) e garantirá titularidade por mais uns 5 jogos.

yo no hice nada, doctor!

"yo no hice nada, doctor!"

* dois lances cruciais da arbitragem de Carlos Torres, ambas desfavoráveis ao Chile: no segundo gol do Brasil, Luís Fabiano claramente domina a bola com seu braço direito, antes de girar e fazer o passe para o lindo arremate de Robinho (que jogou muito bem, ontem, sem firular). Além disso, a expulsão de Valdívia foi um exagero, já que ele não demonstrou maldade no carrinho. Amarelo era suficiente. Embora em termos de futebol o Chile jogou muito pouco, os dois lances poderiam ter modificado significativamente a história do jogo, especialmente considerando-se que o Chile poderia ter tido mais tempo para aproveitar a vantagem numérica.

* o “interessante” é que NINGUÉM, absolutamente NINGUÉM da Globo fez menção ao toque do Luis Fabiano. Simplesmente IGNORARAM o lance. Aliás, toda a imprensa o fez.