Brão 2011 – 5a rodada – comentários aleatórios

20 06 2011

Não quero fazer “leituras” sobre muitos jogos, afinal só assisti a 2 das 7 partidas realizadas ontem e sábado. Mas acho que cabem alguns comentários sobre justamente as 2 partidas que assisti e algumas informações óbvias sobre o “certame” em geral:

Grêmio x Vasco da Gama
– a forte chuva iniciada poucos minutos antes de começar o jogo e que permaneceu por praticamente todos os 90 minutos do confronto certamente atrapalhou, tanto na quantidade de torcedores no estádio como na qualidade técnica da partida. Mas duvido que dê pra colocar um percentual muito alto de “culpa” neste fator. Até porque a bola rolava normalmente e não se viam poças d’água formadas. Apenas aumentou a quantidade de escorregões e derrapagens, por parte dos jogadores.

– o que explica o Gabriel ter sido escalado para cobrar o pênalti, se sempre é o Douglas que o faz? O lateral fez a inexplicável “curvinha” ao correr para a bola, passando a seguinte mensagem pro goleiro: “vou bater pro lado de onde eu vim na corrida”. Não deu outra.

– as vaias ao lateral-direito se explicam, não somente pelo pênalti perdido (que pode ser classificado como fatalidade, sei lá), mas pela gigantesca deficiência técnica que vem apresentando em praticamente toda a temporada 2011. Erra passes, carimba marcadores na hora de cruzar, perde bolas fáceis, arma contra-ataques… Desde que foi contratado em 2010, encheu os olhos de todos e nos fez pensar: “finalmente voltamos a ter lateral-direito no Olímpico”. Estávamos enganados?

– sobre o Douglas, não me aparentou falta de vontade e dedicação: correu bem e bastante. Simplesmente acredito que ontem foi um daqueles dias de “pé descalibrado”. Uma pena.

– fato parecida à queda de qualidade do Gabriel é o que está acontecendo com o Lúcio. Diferentemente de alguns comentários na mídia esportiva gaúcha, não acho que os recorrentes erros de passes do pernambucano sejam novidades – ele sempre teve esse problema. Mas costumava compensar com apoios velozes e de ótima qualidade. Ontem não se viu nada disso. Precisa focar e voltar à melhor forma, rapaz!

– acho que a zaga foi bem ontem, tanto o Mário como o Saimon – o Vasco só marcou porque “achou” um gol inacreditável. Mas os cruz-maltinos poderiam ter aberto o placar ainda no primeiro tempo por causa de um erro meio tosco do Saimon, que afastou mal uma bola e deu de graça pro Éder Luis. Ainda bem que ele saiu com bola e tudo. Não um xingão, apenas uma recomendação ao ótimo guri.

– Rochemback tem sido a principal certeza do time: está jogando cada vez melhor. Impressionante. Nem o Victor está se destacando tão positivamente, apesar de estar em altíssimo nível.

– o ataque é, sem dúvida, o setor mais prejudicado. Lins simplesmente NÃO É jogador para o Grêmio. E o Viçosa tem potencial, mas não consegue “resolver” sozinho. O retorno do André Lima se faz muito necessário e o Leandro poderá fazer muita diferença. Não ponho tanta fé no Miralles assim – mas infelizmente grande parte da torcida é “pagadora de pau” para argentinos, mesmo que as credenciais nem sejam tão boas assim…

– … o que me dá a deixa para falar sobre um comentário recorrente (e inexplicável) da torcida gremista na maioria dos blogs esportivos do RS: a pedida por ESCUDERO. É uma grande MENTIRA dizer que ele não “teve oportunidades suficientes”. Ele teve MUITAS oportunidades desde a sua contratação e, salvo o PRIMEIRO TEMPO de um dos Grenais do Gauchão, ele não jogou ABSOLUTAMENTE NADA. Ele comete erros RIDÍCULOS, corre afobadamente e perde a bola com facilidade assustadora. Não dá pra entender porque tanto desejo em vê-lo titular do time – visivelmente não tem qualidade para tanto. Só pode ser a “pagação de pau” gratuita.

– em tempo: acredito muito no Marquinhos como opção para o time.

– o potencial de melhoria do time é interessante, especialmente com a entrada do Gilberto Silva e o retorno do André Lima, mas passa especialmente pelo “retorno” de Gabriel, Lúcio e Douglas. Com eles novamente “voando”, teremos alguma chance.

Coritiba x Internacional
Desse jogo só posso falar melhor do primeiro tempo, pois do segundo eu vi apenas alguns momentos, pois estava ocupado brincando com o goducho. Algumas coisas saltaram aos olhos:

– Falcão tem muita razão em reclamar do plantel colorado. De forma semelhante ao Grêmio, o Inter está com algumas posições muito defasadas (especialmente a zaga) e alguns jogadores importantes estão bastante abaixo do que costumavam render. Se não contratar, é difícil acreditar em recuperação.

– a ótima atuação do Muriel não deveria surpreender ninguém: sempre mostrou que é muito mais goleiro do que Renan e Lauro. Difícil é entender porque demorou tanto para ele voltar ao time titular.

– por mais que a imprensa gaúcha tente fazer parecer que o resultado de ontem não foi bom ao Inter, o jogo mostrou exatamente o contrário: os colorados foram dominados pelo Coritiba, que, se tivesse ganho, não seria injusto.

– o Falcão não é bom treinador, está comprovando isso. Mas a crítica pública que ele está sofrendo por parte de membros da diretoria de futebol do clube é ainda mais amadora e ridícula.

Outros jogos
– não dá pra meter essa arrancada impressionante do São Paulo. Ganham em casa e fora, como se não houvesse diferença. Fazem gols e não sofrem. Como foi nos outros 3 títulos dos anos 2000. Vai ser dureza segurar o tricolor paulista, com essa vantagem tão expressiva.

– não consigo acreditar no Palmeiras a longo prazo: eles insistem em criar problemas de relacionamento, apesar dos ótimos resultados. O comentário do Kléber ao final do jogo deveria ser suficiente para demissão, apesar de que isso dificilmente acontecerá, por se tratar de um jogador diferenciado. Mesmo assim, queimou o filme do presidente do clube.

– é complicado entender porque o Corinthians aceitou alterar a data do seu confronto com o Santos, que deveria ter sido neste final de semana, para o dia 10/8. Imagino que isso tenha sido uma solicitação da Globo, pois a nova data deve ser de confrontos da Copa Sulamericana e a Globo quer ter algo mais relevante para passar em SP. Mas o Timão perde muito com isso, já que o Santos certamente iria com time reserva para esta partida, enquanto que o Corinthians só deixaria de contar com o Alex. Era uma ótima oportunidade para vencer um clássico e se manter próximo do SPFC.

– compreensível a demissão do Cuca, que deixou o Cruzeiro sem conseguir vencer no campeonato brasileiro, depois de uma brilhante primeira fase na Libertadores. Mas é incompreensível a contratação de Joel Santana para seu lugar. Com o “Tio Jejão” e sua prancheta, a raposa deixa de ser candidata ao título.





Pitacos da semana

18 01 2011

Quando não se tem nada em especial para falar, o melhor é falar bastante (ns):

– triste, muito triste tudo o que está acontecendo não só na serra fluminense, mas em todo o Sudeste. Evidentemente o problema é maior nas três cidades mais afetadas (Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis), mas o bicho tá pegando em SP e em MG também. Vamos torcer para que amenize logo e que facilite o processo de reconstrução.

– não esqueçam de ajudar financeiramente e através de doações de alimentos, roupas e objetos. Tudo é importante.

– eu me irrito profundamente com os políticos, sejam de situação ou de oposição, tentando pegar carona nos acontecimentos para enfraquecer as bases. Vão pro inferno!

– preparativos finais para o “grande viaggio italiano”, que faremos em março. Passagens, check. Hoteis, check. Carro, check. Passaportes, check. Roteiro, quase. Meus pais e os meus sogros estão empolgadíssimos. Serão 15 dias muito cheios, tenho certeza.

– quando o roteiro estiver pronto, prepararei uma série de posts sobre a viagem. E, durante a mesma, haverão FLASHES durante a programação. Só não esperem pela vinheta do Plantão da Globo, não vai rolar.

– reta final pro trabalho de conclusão da Gra. Semana que vem ela embarca pra NY, de onde espero que venham muitas coisinhas. Vou pedir pra ela dizer OI pra TIMES SQUARE, por mim. Faz um ano, já.

– em termos de FUTE, a temporada ainda não começou, por mais que a REDE BRASIL SUL tente fazer parecer que sim. Não é porque agora eles estão usando o nome “Coca-Cola” que passou a valer alguma coisa. Se ao menos aumentasse a REFRESCÂNCIA do certame…

– ou seja, quando começar mesmo a temporada, poderei voltar a falar alguma coisa. Semana que vem, portanto, contra o time dos BEATLES (ns).

– se tudo der certo, entro no curso de MBA Executivo Internacional da UFRGS este ano. Fingers crossed.

– 80% dos meus pensamentos estão divididos entre REPOSICIONAMENTO e CARREIRA SOLO. Assim que eu PERDER A CABEÇA, aviso (provavelmente não).

– curso de italiano deu uma interrompida, duas semanas, mas seguirá a toda até a viagem. Dopo parliamo solo italiano qui, concorda?

– amanhã, viagem vapt-vupt pra São Paulo, mas dessa vez passando a noite por lá. Última vez que eu fui e voltei no mesmo dia, me destruí enormemente.

Até mais, pessoal.





Fora de casa, a normalidade

31 07 2009

Demonstrando alguma espécie de sequelas emocionais a respeito de enfrentamentos fora do estádio Olímpico, o Grêmio mais uma vez foi presa fácil longe de seus domínios. O agressor, desta vez, foi o tricolor paulista, que venceu o gaúcho por 2×1 e consolida sua tentativa de recuperação no campeonato brasileiro. O Grêmio, por sua vez, segue cambaleante, ainda sem ter vencido fora de casa e, pior, tendo perdido quase todos os confrontos como visitante, à exceção da partida contra o Fluminense, no Maracanã.

clara tentativa de desestabilização (Gaspar Nóbrega/Vipcomm/Divulgação)

clara tentativa de desestabilização (Gaspar Nóbrega/Vipcomm/Divulgação)

A chuva não perdoava o gramado do Morumbi, deixando-o pesado e difícil para a prática do Ludopédio. No meu entendimento, isso costuma prejudicar mais a equipe da casa do que a visitante, já que a primeira costuma ser mais agressiva em seus domínios. No entanto, o São Paulo conseguiu fazer rolar a bola com qualidade, não errando os passes e, principalmente, marcando sob pressão a saida de bola do Grêmio.

Foi uma noite das piores para a dupla de volantes do Grêmio. Ambos gols do São Paulo foram originados em bolas fáceis perdidas por Túlio. Adilson também foi bastante fraco. Tanto que foi substituido no segundo tempo, por Douglas Costa, que teve atuação razoável.

Souza continua mantendo a escrita de alternar boas e más atuações. Tcheco foi um dos mais lúcidos na meia-cancha, mas não dava velocidade ao ataque, um dos principais defeitos do time na partida.

O São Paulo, por sua vez, teve a “sorte” do retorno do futebol de Hernanes, que não começara o ano muito bem, mas agora retoma o magnífico futebol que encantou o país no ano passado. O passe dele para o Dagoberto, no primeiro gol, foi excelente.

Bastante grave o erro de arbitragem em relação a um ataque do Grêmio no primeiro tempo, antes do gol são-paulino, quando Maxi López foi lançado e corria livre para o gol, mas foi interrompido pelo assistente, que assinalava impedimento. Maxi estava bastante atrás do último marcador. Grande chance de gol suprimida do Grêmio, que poderia ter mudado a história do jogo.

Por outro lado, mesmo que os comentaristas do SporTV tenham afirmado que o segundo gol do SPFC foi irregular, eu não concordo com isso. Apesar do Borges “estar no lance”, ele não participa da jogada. Pra mim, o gol foi legal.

Bottom line: o São Paulo jogou bastante melhor que o Grêmio e mereceu vencer.

Ambos clubes empatam com 21 pontos, sendo que o Grêmio está em 10º e o São Paulo, em 11º.





Fiasquinhos tricolores

1 06 2009

O Grêmio ontem mostrou claramente que não é confiável. Tinha um jogo contra uma equipe tecnicamente frágil, com seríissimos problemas ofensivos e uma chance de ouro para permanecer à espreita da liderança do campeonato. Mas conseguiu uma façanha: apresentar futebol pior do que o do Vitória. A derrota veio nos acréscimos do segundo tempo, mas o merecimento por ela se deu em todos os 90 minutos de jogo.

A única modificação relevante no time foi no meio-campo, com o ingresso de Túlio no lugar de Tcheco, que foi poupado e nem fardou. Depois de muito tempo, o time voltou a jogar com dois volantes. Isso não deu muito certo, o excesso de comportamento defensivo fez com que o Grêmio jogasse quase que exclusivamente em seu campo, tendo muitas dificuldades para manter uma sequencia de passes razoável. O Vitória, mais organizado, aproveitou-se disso e teve muito volume de jogo, especialmente através de Apodi, pela direita. A defesa gremista conseguia afastar a maioria das bolas, mas falhou em vários lances, especialmente no primeiro tempo.

Aos 26 minutos, Victor cometeu pênalti em Neto Baiano, mas o árbitro, Wagner Tardelli, não marcou. Três minutos depois, Alex Mineiro é empurrado dentro da área baiana, o juiz novamente não assinalou.

O segundo tempo foi bastante ruim, mesmo o Vitória não conseguia manter seu ímpeto ofensivo do primeiro. Jadilson e Jonas entraram nos lugares de Adilson e Alex Mineiro. O segundo foi expulso, ao tomar dois cartões amarelos num intervalo curto de tempo. O primeiro melhorou um pouco o apoio pela esquerda, mas muito muito pouco mesmo.

O Vitória merecia vencer por ser o único time que realmente buscou a vitória desde o início do jogo. Mas aposto que nem Leandro Domingues imaginava que conseguiria mandar um canudaço tão lindo no ângulo direito de Victor. Absolutamente indefensável.

O resultado colocou o Vitória novamente na vice-liderança, com 9 pontos.

Jogo jogado

Todos já sabiam que o Inter colocaria time misto contra o fraco Avaí. E todos também sabiam que, ainda assim, o colorado era amplamente favorito na disputa. Deu-se a lógica e o Inter venceu o confronto por 2×1, sendo que o tento da equipe de Florianópolis deu-se por cobrança de pênalti, num lance em que não ocorreu falta e foi fora da área. Erro duplo de Sálvio Espínola Fagundes. Menos mal que o time venceu mesmo assim.

O troco (1)

Um tricolor não fez feio ontem: o São Paulo, intrigado com seu mau início de campeonato, resolveu ir à forra e meteu 3×0 no Cruzeiro, devolvendo a derrota que sofreu para o mesmo time no meio da semana, porém, pela Libertadores. Os gols foram de atacantes: Washington, Borges e Dagoberto. Primeira vitória do tricolor paulista, que foi a 5 pontos.

O troco (2)

Um mês depois, o Santos teve a chance de devolver o revés que sofreu na final do campeonato paulista. Na Vila Belmiro, o peixe não tomou conhecimento do time misto corinthiano e meteu 3×1 no time de Mano Menezes, que faz companhia ao Grêmio na metade inferior da tabela, com 4 pontos.

Resultados da quarta rodada

Campeonato Brasileiro – Série A – 4a. Rodada
Data Hora Cidade Estádio Jogo
30/05 18:30 Rio de Janeiro Engenhão Botafogo 2 x 2 Sport
30/05 18:30 Curitiba Couto Pereira Coritiba 1 x 3 Goiás
30/05 18:30 Belo Horizonte Mineirão Atlético Mineiro 0 x 0 Santo André
31/05 16:00 São Paulo Morumbi São Paulo 3 x 0 Cruzeiro
31/05 16:00 Santos Vila Belmiro Santos 3 x 1 Corinthians
31/05 16:00 Recife Aflitos Náutico 1 x 1 Fluminense
31/05 16:00 Rio de Janeiro Maracanã Flamengo 2 x 1 Atlético-PR
31/05 16:00 Salvador Barradão Vitória 1 x 0 Grêmio
31/05 18:30 Barueri Arena Barueri Barueri 2 x 2 Palmeiras
31/05 18:30 Porto Alegre Beira-rio Internacional 2 x 1 Avaí

Não consigo colocar a classificação pois a minha empresa “barrou” os uploads de imagens. Vejam a classificação atualizada aqui.

Campeonato Brasileiro – Série A – 4a. Rodada
Data Hora Cidade Estádio Jogo
30/05 18:30 Rio de Janeiro Engenhão Botafogo 2 x 2 Sport
30/05 18:30 Curitiba Couto Pereira Coritiba 1 x 3 Goiás
30/05 18:30 Belo Horizonte Mineirão Atlético Mineiro 0 x 0 Santo André
31/05 16:00 São Paulo Morumbi São Paulo 3 x 0 Cruzeiro
31/05 16:00 Santos Vila Belmiro Santos 3 x 1 Corinthians
31/05 16:00 Recife Aflitos Náutico 1 x 1 Fluminense
31/05 16:00 Rio de Janeiro Maracanã Flamengo 2 x 1 Atlético-PR
31/05 16:00 Salvador Barradão Vitória 1 x 0 Grêmio
31/05 18:30 Barueri Arena Barueri Barueri 2 x 2 Palmeiras
31/05 18:30 Porto Alegre Beira-rio Internacional 2 x 1 Avaí




Quarta-feira inolvidável

27 05 2009

Esta noite é um prato cheio para os amantes do futebol de qualidade. Isso porque teremos, ainda à tarde, a final da UEFA Champions League, entre Barcelona e Manchester United. O jogo único será realizado em Roma, na Itália. Este formato vem sendo adotado pela UEFA há vários anos e tem garantido grandes públicos, mesmo sendo realizado em campo neutro. Na América do Sul, isso certamente não funcionaria.

Do jogo sairá o adversário do Grêmio representante da Europa no Mundial de Clubes da Fifa, que será realizado, neste ano, em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos, em dezembro. Também sairá o ganhador do prêmio de 110 milhões de Euros, muito superior ao maior faturamento de um clube brasileiro em 2008, de R$ 160 milhões (do São Paulo).

À noite, teremos Copa do Brasil em seus confrontos semi-finais e a Libertadores da América, abrindo a fase de quartas-de-final. Infelizmente, todos os jogos serão disputados no mesmo horário (21:50), o que impossibilitará o correto acompanhamento de todos eles.

Libertadores

Em Caracas, o time homônimo da capital venezuelana tentará manter o excelente aproveitamento que tem em seus domínios e vencer o Grêmio, que tem o melhor aproveitamento entre todas as equipes da Libertadores, com 1 empate e 7 vitórias. Vale lembrar que o Caracas eliminou, na primeira fase, o Lanús, atual líder do torneio clausura argentino. A camiseta vermelha e a presença de jogadores chamados Rentería e Figueroa é a certeza de que os colorados estarão torcendo ainda mais fortemente contra seu rival.

O Grêmio garante a presença de Adílson, que poderia ser preterido por Túlio. Souza e Réver se recuperaram de incômodos musculares e também jogarão. É provável que eles sejam poupados no domingo, em Salvador.

Em Belo Horizonte, um duelo de gigantes. O Cruzeiro receberá o descansado São Paulo no primeiro confronto da série. Será um jogaço, sem dúvidas.

Os demais confrontos serão jogados amanhã: às 19:30, o Defensor receberá o Estudiantes, em Montevideo. Às 22 hs, o Palmeiras será o anfitrião do Nacional de Montevideo, no Palestra Itália.

Copa do Brasil

Se não bastassem os dois jogos da Libertadores, ambos jogos das semi-finais da Copa do Brasil serão disputados nesta quarta-feira, no mesmo horário (21:50). O Internacional receberá a “zebra” Coritiba e deverá ter vida fácil. Tendo recém passado em difícil confronto com o Flamengo, o Inter tem a vantagem psicológica de ser líder absoluto do campeonato brasileiro e ter um aproveitamento invejável na temporada. O Coritiba teve muita sorte de não ter enfrentado nenhum adversário qualificado nesta Copa, sendo que eliminou a Ponte Preta nas quartas-de-final. O time de René Simões não se compara ao qualificado grupo de 2008, tendo perdido Keirrison e Marlos, dois dos destaques da temporada passada. Embora ninguém no Beira-rio admita, é jogo jogado.

Por outro lado, outro duelo de grandes, com uma similaridade interessante: Vasco e Corinthians farão o primeiro confronto no São Januário. O “timão”, recém retornado da série B. O cruzmaltino, atual integrante da divisão da vergonha. No entanto, ambos clubes estão com bons times e jogando bom futebol. A vantagem é, indiscutivelmente, do alvi-negro paulistano.

E tem mais?

Futebolisticamente, não. Mas, antes dos jogos, eu vou dar umas bandas…

dale tricolor (ns)

dale tricolor (ns)





Fogo controlado

9 12 2008

A última rodada do campeonato brasileiro começou tensa por motivos extra-campo – a polêmica em torno da suposta tentativa de suborno ao árbitro Wagner Tardelli, que apitaria Goiás x São Paulo (acabou sendo substituído às pressas pela CBF). Também houve alguns incidentes no jogo supra-citado, que ocorreu no estádio do Gama, no Distrito Federal – um torcedor foi baleado, o São Paulo “adonou-se” do vestiário principal do estádio (o mandante do jogo era o Goiás), etc.

Mas dentro das quatro linhas, a última rodada foi quase previsível. Alguns poucos resultados foram considerados “zebras”, mas que pouco alterariam as definições, caso fossem invertidos. Talvez a maior surpresa da rodada, se é que dá pra usar este termo, foi a derrota em casa do Palmeiras, que passou da terceira para a quarta posição perdendo, assim, sua vaga direta à fase de grupos da Libertadores.

Nem por isso esse é um fato que tirará o sono dos alviverdes, pois seu adversário na fase qualificatória será uma equipe boliviana, país que raramente forma times competitivos. No entanto, vencendo o confronto, o Palmeiras será incluído em um grupo difícil – com o Sport Recife, Chile 2 (ainda não definido) e o atual campeão, a Liga Deportiva Universitária, de Quito.

Mas falarei sobre a Libertadores mais adiante.

Como falei antes, o SPFC venceu seu jogo contra o Goiás, por 1×0 e sagrou-se hexacampeão brasileiro (tricampeão em sequencia – ambos fatos inéditos no país), com 3 pontos de vantagem sobre o Grêmio, que também venceu seu jogo, contra o Atlético Mineiro, por 2×0.

Boring.

Boring.

Em uma disputa que prometia ser acirrada e emocionante, as duas vagas restantes para a Libertadores foram definidas de forma quase melancólica. Muito cedo, o Atlético Paranaense abria 2×0 sobre o Flamengo. Ainda que o rubro-negro carioca fizesse menção de reagir, através de pênalti, o Paranaense ampliou novamente a vantagem, anotando 3×1. O Flamengo ainda conseguiu diminuir a vantagem no primeiro tempo, com Marcelinho Paraíba. Mas, na segunda etapa, o Atlético marcou duas vezes e o Flamengo só conseguiu diminuir nos acréscimos, consolidando um placar de 5×3 e a não-classificação do Flamengo para a Libertadores.

Enquanto isso, o Palmeiras conseguia, novamente, perder seu último jogo em casa no campeonato (a exemplo de 2007), desta vez para o Botafogo. Porém, diferentemente do ano passado, essa derrota não lhe custou a vaga para a Libertadores, que ficou assegurada com a derrota do Flamengo. Porém, como disse acima, perdeu o terceiro lugar e a vaga direta à fase de grupos, que ficou com o Cruzeiro, que ganhou da rebaixada Portuguesa por 4×1, de virada.

A zona de rebaixamento foi igualmente, previsível, pero no mucho: o Vasco fez a façanha de perder seu último jogo em casa, para o Vitória, por 2×0. Mesmo que tivesse vencido, o cruzmaltino não conseguiria manter-se na primeira divisão, devido aos resultados paralelos. Com a vitória do Atlético Paranaense e Figueirense e o empate do Náutico, o Vasco estava condenado. Com o rebaixamento, o único clube grande carioca que ainda não terá visitado o limbo será o Flamengo (até quando?).

Já o Figueirense venceu o Inter, de virada, por 3×1, mas torcia por um golzinho do Santos, que rebaixaria o Náutico em seu lugar. Como isso não aconteceu, o Figueira empatou em pontos com o clube pernambucano, porém, com saldo de gols muito inferior. Com isso, não poderá editar clássicos com seu tradicional rival de Florianópolis, o Avaí, que jogará a Série A em 2009.

Com a conquista da Copa Sulamericana pelo Internacional, abriu-se mais uma vaga para times brasileiros, já que o campeão da edição 2008 está automaticamente classificado para a edição 2009 do torneio continental. Este fato gerou uma situação ainda mais bizarra, já que apenas DOIS clubes ficaram sem nenhum tipo de gratificação pelo não-rebaixamento: Náutico e Santos. Portanto, com a vitória sobre o Flamengo, o Atlético Paranaense salvou-se do rebaixamento e, de quebra, classificou-se para disputar o torneio mais desejado pela menor metade do Rio Grande do Sul.

Jogos da última rodada:

tabela-portugues1

E a classificação final do campeonato:

classificacao1

Agora é FÉRIAS do campeonato brasileiro, que vinha exaurindo minhas energias. Fazendo uma análise pós-campeonato, é evidente que, ou tu tens um time REALMENTE bom, competitivo, com chance de ser campeão com folga, ou tu morres a cada rodada. São 38 potenciais infartos.

Fez certo o Inter, ao optar pela solução mais simples. Os torcedores colorados estavam tranquilos em relação ao campeonato brasileiro desde, sei lá, a 22a rodada. Sabiam que não havia mais chance. Assim, optaram pela sulamericana, torneio rápido. Levantar um caneco e garantir uma passeata.

Já o Grêmio tentou o longo e tortuoso caminho das pedras do campeonato brasileiro. Desacreditado e tido como um time de “mata-mata” somente, era improvável que o tricolor fosse sair campeão brasileiro. Porém, liderou por mais de 20 rodadas e chegou a ter 11 pontos de vantagem sobre o atual campeão. Obviamente, o segundo turno foi pior do que o primeiro, mas não muito pior. Já o segundo turno são-paulino foi ABSURDAMENTE bom.

Enfim, fico feliz de poder torcer pelo Grêmio no próximo ano, na Libertadores. Evidentemente essa é a prioridade um, máxima e indiscutível. Porém, gostaria muito de que isso não prejudicasse o desempenho nas primeiras rodadas do campeonato brasileiro, permitindo ao Grêmio manter-se entre os primeiros e, quem sabe, novamente disputar o título. Pensar grande é pré-requisito para as grandes conquistas.





Por dentro da decisão

8 12 2008

Saí de minha cidade às 12:30, com o objetivo de ir ao apartamento dos meus irmãos para depois nos deslocarmos até o Olímpico. O trajeto foi tranquilo, sem congestionamentos, mas repleto de automóveis e ônibus cheios de torcedores, exibindo suas bandeiras, bradando seus gritos de apoio.

Só entre Carlos Barbosa e Bento Gonçalves foram 5 ônibus lotados, organizados pelos consulados destas cidades. Sem contar os que se deslocaram por conta própria, como foi o meu caso.

Logo recordei-me da final da libertadores, quando, por chegar muito em cima da hora (“só” uma hora e vinte minutos antes do jogo), não conseguimos um bom lugar nas sociais do Olímpico. Portanto, era necessário chegar lá com mais antecedência, desta vez.

Bom, conseguimos chegar no estádio com duas horas de antecedência. Os lugares centrais das sociais estavam totalmente tomados, mas consegui ficar mais ou menos alinhado com a risca da grande área, no lado em que o Grêmio atacou no primeiro tempo. Consegui também ficar já na sombra (apesar de não ter evitado queimaduras, só por ter caminhado da avenida Florianópolis até o portão 1 no sol!), mas os bancos de concreto ainda ferviam. Dava pra fritar um ovo, sério.

Havia um sentimento de desconfiança sobre a rodada como um todo, resultado da polêmica Tardelli. Também contribuíram a muito questionável mudança do local do jogo Goiás x São Paulo além da inacreditável e inexplicável TOMADA do vestiário principal do Bezerrão pelo tricolor paulista. A sensação era de “que bosta, não dá mesmo pra confiar num campeonato organizado no Brasil”.

Mas, eu já havia dito para muita gente e minha esposa, a Gra, pode confirmar: eu iria para esse jogo independente de chance de título ou não. Queria me despedir do Grêmio 2008, queria estar lá para confraternizar. Por sorte (ou azar), ainda havia uma pequena esperança de conseguir o caneco.

Curiosamente eu jamais havia assistido a uma partida contra o Atlético Mineiro, possivelmente o único grande clube brasileiro que eu não “conhecia” ao vivo.

Chegou a hora do jogo e o Grêmio começou metendo um pouco de pressão. Até comentei com um amigo meu: estou gostando de ver o Marcel, está brigando nas bolas aéreas e ganhando. Fiz muito mal em comentar. Afinal, ele realmente estava guerreando de forma positiva, mas logo desapareceu do jogo. O mesmo aconteceu com Perea, que, no começo do jogo, até ameaçou aprontar pra cima do galo.

Quando aconteceu o gol do São Paulo, marcado por Borges, UM METRO E MEIO impedido, vi uma das cenas mais tristes de toda a minha existência. Ou melhor, ouvi: o muxoxo da DESILUSÃO. O gemido da perda da ESPERANÇA.

Me deu vontade de chorar, juro. Mas não chorei.

Pior é que, na mesma hora, deu o gol do Inter contra o Figueirense. Parece até piada.

O time logo ficou sabendo, dentro de campo, não tinha como evitar. E, quase que imediatamente, piorou terrivelmente. A partir daí, o Galo passou a dominar a partida, tendo inclusive dois gols impedidos (corretamente assinalados). Cheguei a pensar na derrota.

O Grêmio ameaçou reagir, inclusive teve um PETARDO desferido por Souza, depois de boa jogada de Willian Magrão. Mas a posse continuava do Clube Atlético Mineiro, que avançava com perigo pelas laterais, principalmente pela direita, com SHESLON (pior nome de todos os tempos PARA TODO O SEMPRE). No final das contas, a melhor chance do Atlético foi num chute de Castillo, livre, que visou o ângulo esquerdo da meta tricolor, mas foi defendido com BELEZA PLÁSTICA por Victor.

O segundo tempo não começou melhor do que terminou o primeiro, com a posse de bola do Galo. Mas aí, Celso Roth resolveu mexer, tirando Rafael Carioca, que não estava em grande jornada e trocando por Felipe Mattioni. O guri entrou com a mensagem de que, de nada adiantaria torcer por um milagre em Brasília se o tricolor não garantisse os 3 pontos. E o rapaz tocou o terror na defesa atleticana, fazendo excelentes jogadas. Numa delas, cavou o necessário pênalti, convertido com maestria por Tcheco.

A partir daí, as coisas mudaram, a favor do Grêmio. A posse passou a ser tricolor e o Galo praticamente jogou a toalha, naquele momento. A entrada de Soares no lugar de Marcel também ajudou, pois foi da cabeça dele que aconteceu o segundo gol gremista, que consolidou o resultado.

Antes disso, uma jogada incrível: Tcheco passou por dois marcadores AO MESMO TEMPO, deixando-os cair de bunda no chão. Cena fantástica, mesmo.

E, também antes disso, um momento constrangedor: alguns torcedores ouviram o TERCEIRO gol do Figueirense sobre o Inter e se CONFUNDIRAM, acreditando que fosse gol do Goiás. A empolgação destes DESAVISADOS levou o estádio inteiro DE ARRASTO, causando a maior confusão coletiva da história do Olímpico. Logo em seguida, todos nos demos conta da besteira feita.

Evidentemente, a única informação que importava era o gol do Goiás, que nunca aconteceu. Talvez foi a primeira vez em que a torcida não comemorou nenhum dos três gols sofridos pelo Internacional, já que o jogo do “Campeão de Tudo” pouco importava.

O jogo se encaminhava para o final e o Grêmio esbanjava erros de passe no ataque. Poderia ter tido chance de multiplicar o placar, caso tivesse maior interesse. Mas àquela altura, a vitória já lhe bastava. Ainda houve tempo para uma dificílima defesa de Victor, em arremate de Beto. A defesa lhe rendeu um estrondoso coro de VICTOR, VICTOR. Aposto que, desde aquele momento, ele já caiu nas lágrimas.

Antes do apito final, mas já sabedores de que o jogo em Gama – DF havia acabado, TODA  a torcida do Grêmio uniu-se em uma ensurdecedora SALVA DE PALMAS. Foi algo DEVERAS emocionante, que foi confundido por SECADORES como uma comemoração. Não foi. Foi apenas um agradecimento pelo empenho e pela vontade de vencer, que superou a inferioridade técnica. Que garantiu uma diferença de 18 pontos sobre o tradicional rival. Que lhe permitiu sonhar com a conquista do título até a última rodada, apesar da evidente frustração de ter liderado o certame por mais de 20 rodadas.

Enfim, OBRIGADO GRÊMIO e estaremos juntos, em 2009, para a conquista do tri da Libertadores.

Em tempo: um certo aviãozinho resolveu sobrevoar as imediações do estádio Olímpico, ontem, a partir dos 35 minutos do segundo tempo, quando já havia a certeza de que o Goiás não cometeria o crime no Distrito Federal.

Em resposta, tenho outra imagem:

Campeão de tudo MY ASS!