Boa notícia da semana: Celso Roth deixará o tricolor

2 03 2009

Quem me conhece sabe que eu nunca fui um daqueles a engrossar o coro de “Fora Roth”, ouvido desde o dia que ele foi contratado, no começo do ano passado. Sempre pensei que não adiantava muito ficar atrapalhando o trabalho do treinador, especialmente sem ao menos ver do que ele é capaz.

Todos sabemos que, provavelmente por causa de sua atuação na casamata, o Grêmio fez uma campanha quase impecável no campeonato brasileiro, que é longo e difícil, com um grupo pouco qualificado em comparação a vários outros clubes brasileiros (Inter).

Agora, no início de 2009, ele teve a quase manutenção completa do grupo que terminou 2008, além da inclusão de jogadores qualificados. De fato, o Grêmio conseguiu mostrar qualidade e jogo mais refinado do que vinha demonstrando no ano passado.

Meu prezado (e MESTRE) irmão discordou de meu ULTRA SINGELO post, feito em HOMENAGEM ao empate contra a Universidad de Chile.

Não lhe tiro a razão.

O problema é o COMANDANTE.

ouvi um ZOOMBIDO de que tão querendo minha cabeça

"ouvi um ZOOMBIDO de que tão querendo minha cabeça"

Não é possível que, depois de ver o Grêmio jogar uma grande partida na estréia da Libertadores, num esquema com 2 atacantes, uma pessoa SÃ resolva mudar tudo em seguida, por conta de sua CAGALHICE. Ok, o adversário desta vez era mais qualificado do que “La U”. Mas tirar Jonas para colocar Diogo, praticamente alterando o posicionamento de todo o meio-campo em relação ao jogo contra o time chileno foi de uma ESTUPIDEZ imensa.

Resultado: time perdido em campo, não acertando dois passes em sequência. Somando-se isso ao um Internacional marcando com AFINCO, o Grêmio não viu a cor da bola no primeiro tempo, que foi muito truncado no meio-campo em ambos lados, praticamente inexistindo chances de gol, até pouco antes do intervalo, quando o Inter arrematou 3 bolas perigosas, exigindo defesas sensacionais de Victor.

No início do segundo tempo, a imbecilidade coletiva: linha de impedimento estúpida mal executada e 3 jogadores colorados absolutamente livres dentro da área em cobrança de falta – Indio foi o felizardo que anotou o primeiro tento colorado.

Daí, vejam só, o nosso LÍDER se deu conta de que não poderia manter o malfadado esquema de jogo. Retirou, de uma só vez, um zagueiro (Léo) para a entrada de um atacante (Jonas) e sacou um volante (Diogo) para colocar um lateral-esquerdo (Fábio Santos), sendo que Jadílson ficaria improvisado no meio-campo. Ou seja, saiu do 3-6-1 para um 4-4-2. O time rapidamente começou a mostrar futebol e dominar a bola, conseguindo articular jogadas e chegar na defesa colorada. Jonas recebeu de costas pro gol e, mesmo marcado fortemente, conseguiu fazer jogada de pivô, entregando bola açucarada para Alex Mineiro, que chutou colocado no ângulo.

Não satisfeito, ROTHWEILER resolveu aprontar de novo, retirando Jadílson para o ingresso de um zagueiro – Héverton. O time voltou a desarrumar-se, permitindo o novo crescimento do Inter no jogo e o inevitável gol de desempate, marcado por Magrão após falta cobrada pelo lado direito do ataque colorado.

Nova derrota em Grenal, novo 2×1. Mas, desta vez, a culpa foi principalmente de CELSO ROTH, que inventou um esquema sabidamente fracassado, escalou mal o time e conseguiu a façanha de corrigir o problema para depois DESCORRIGIR. E, para piorar, praticamente jogou a responsabilidade para os jogadores, ao critica-los após o jogo.

É claro que JUAREZ sairá do Grêmio. Resta torcer para que isso aconteça logo, antes que o ano seja desperdiçado novamente.

Anúncios