E como fica sem o comandante?

11 03 2013

Terça-feira passada tivemos o anúncio oficial do falecimento de Hugo Chávez Frías, o controverso ditador PRESIDENTE da Venezuela. Ou, como ele mesmo re-denominou, República BOLIVARIANA da Venezuela. Seja lá o que este grifo signifique.

Muita gente, mesmo pessoas que não estavam acompanhando esta situação com tanta atenção, estão dizendo que o Chávez já estava morto antes mesmo de retornar à Venezuela. Se isso é relevante ou não, prefiro nem opinar. Realmente não me importa se foi semana passada ou há dois meses.

Mas se este tipo de questão está sendo levantada, a culpa é do falecido mandatário. Pois foi ele que bagunçou a estrutura institucional de SEU país, a ponto de sentir-se mais seguro tratando sua doença em Cuba do que na sua própria nação. Ele que combateu a imprensa livre tão ferozmente que hoje ninguém confia nas informações oficiais. Fechou o país.

Agora, como em todo caso de falecimento, há uma tendência em se amplificar seus feitos e qualidades. Acontece sempre que alguém morre, nenhuma surpresa nem erro nisso. Porém, há um agravante: já se marcou novas eleições presidenciais para 30 dias. Não me surpreendeu nada o interesse dos chavistas nessa convocação relâmpago: querem justamente aproveitar o endeusamento de Hugo Chávez para rapidamente eleger um sucessor do mesmo partido, ainda que sem reconhecimento popular. A cada dia que o embalsamado corpo da reencarnação de Símon Bolívar esfriar, as chances do Partido Comunista Venezuelano se perpetuar no poder diminuem.

Mesmo que Nicolás Maduro vença (e eu apostaria uma boa grana nisso, se a tivesse), já não haverá a BONACHONA figura para odiar. Mas não nos preocupemos. Há pelo menos uma excelente candidata ao seu posto.

20130311-235554.jpg
Oi Cris





Pensamentos diversos

21 12 2011

Meu último post, de exatos 1 mês e 10 dias atrás, tratava da classificação heroica da ACBF às finais da Liga Futsal. Essa informação estava tão desatualizada que, não só o time perdeu a final pro Santos nos pênaltis, como também foi desclassificada nas semifinais da Taça Brasil, novamente nos pênaltis e, mais incrível ainda, PERDEU O GAUCHÃO, para o Atlântico. Foi um final de ano desastroso para a equipe laranja. Mesmo assim, vale o reconhecimento pelo esforço e os desejos de um ano novo melhor para eles.

***

A cúpula do Mercosul, que está acontecendo em Montevidéu, teve algumas notícias interessantes. Primeiro, a assinatura de um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a Palestina. Trata-se do primeiro acordo assinado entre o nosso bloco comercial e outra nação em muitos anos. Porém, é evidentemente um acordo de pequena utilidade e, curiosamente, com uma nação que não é reconhecida integralmente por todos os países do mundo. É opção ver a notícia como um copo “meio cheio” ou “meio vazio”. Eu prefiro ver como “meio cheio”.

**

Ainda sobre a cúpula: uma outra interessante decisão tomada pelos presidentes dos países-membro do Mercosul foi a criação do mecanismo de reação contra golpes de Estado. Apesar de isso parecer “coisa do passado”, na verdade não faz muito tempo que tivemos golpes nos países que fazem parte do bloco e é importante que existam formas de agir rapidamente contra estas ações. Outra notícia positiva.

**

Para fechar sobre a cúpula: uma notícia que poderia ter sido negativa foi a tentativa de “apressar” o ingresso da Venezuela como membro pleno do Mercosul. Como todo tratado comercial entre países, ele só tem valor se ratificado nos Congressos das nações envolvidas. O assunto já passou nos Congressos do Brasil, Argentina e Uruguai, mas está “trancado” no congresso paraguaio. Qualquer tentativa de alterar isto configura em agressão aos tratados que criaram o Mercosul, portanto, não pode ser aceita.

Além do mais, nenhum mandatário de um país, em sã consciência, aceitaria fazer um tratado de livre comércio com a Venezuela. E não estou falando isso por achar que o Chávez é bobo, feio e mau (embora eu ache mesmo tudo isso). Na verdade é por causa de algo que ele instituiu há bastante tempo, que torna as negociações com empresas venezuelanas praticamente inviáveis. Vou tentar explicar rapidamente:

1) se uma empresa venezuelana, capitalizada, deseja importar uma mercadoria de uma empresa brasileira (ou de qualquer país), ela pode fazê-lo a qualquer momento? NÃO! Ela precisa submeter a proposta de compra à um órgão de CONTROLE DE DIVISAS venezuelano, chamado CADIVI.

2) o BOBLEMA é que o tal do Cadivi não libera divisas tão facilmente – em geral, ele leva até 120 dias pra liberar, isso QUANDO libera.

3) ou seja, se eu quiser vender praquela empresa da Venezuela, vou mandar uma fatura pro-forma hoje pra, talvez daqui a 120 dias, ter um OK pra poder fazer aquele embarque. Sendo que, neste período, o preço pode ter sido modificado.

4) mesmo as cartas de crédito são afetadas por este controle. Embora garantam o recebimento dos fundos, não garantem a VELOCIDADE do processo.

5) dizem que algumas empresas têm MEIOS de agilizar o processo. Mas sobre isso, ninguém sabe, ninguém viu.

Analisando estas rápidas e sucintas explicações, qual é, verdadeiramente, o “livre comércio” que se teria com a Venezuela? É por isso que os presidentes dos países-membro do Mercosul jamais deveriam ter assinado a inclusão da Venezuela, para começo de conversa. Mas, ultimamente, a FOICE E O MARTELO têm falado mais alto que a LÓGICA nestas bandas. Sem falar nos PILA$.

Nunca imaginei que seria o PARAGUAI o salvador do nosso bloco comercial. Só não sei até quando eles vão conseguir segurar.

***

O Grêmio está se mexendo surpreendentemente rápido para contratar reforços, antes mesmo de fechar 2011. Acho que o Odone quer se candidatar a PRESIDENTE DO RIO GRANDE DO SUL em 2014.

***

No mais, pode ser que em menos de um mês, GUI já esteja entre nós. Ansiedade batendo muito forte.

***

Aproveito para desejar a todos os leitores deste blog, um FELIZ NATAL!





Nova polêmica de Chávez

13 08 2009

Estou lendo no G1 mais uma notícia estarrecedora sobre o governo de Hugo Chávez na Venezuela: sua reforma educacional. Nem tudo na proposta é absurdo, mas pouca coisa se salva.

Pelo o que eu pude ver, os aspectos positivos da reforma proposta pelo governo da Venezuela são, basicamente:
– desenvolvimento do pensamento crítico e a capacidade de fazer perguntas: isso é algo que deveria ser feito em todos os sistemas educacionais. No Brasil, os estudantes estão acostumados a responderem perguntas prontas – e que são cada vez mais fáceis, diga-se.
– Responsabilidade Social e solidariedade constituem princípios básicos para a formação de estudantes em todos os níveis: responsabilidade social e solidariedade não tem, necessariamente, a ver com Socialismo. Isso, além da ecologia, tem que estar cada vez mais presentes na vida de todos.
– obrigatoriedade dos meios de comunicação, públicos e privados, em conceder espaço para programas com finalidade educativa

Agora, os pontos negativos, infelizmente, sua maioria:
– Proibição às instituições de ensino da difusão de “doutrinas e ideias contrárias à soberania nacional”: como sempre, o ultra-paranoico Chávez vai podando a população. Mas querer moldar as pessoas desde cedo, é demais. Sem falar na contradição entre esta proposta e aquela que eu citei como positiva, do “desenvolvimento do pensamento crítico”. Quer dizer, ele quer que os estudantes aprendam a questionar, desde que não seja o seu governo e a sua doutrina.
– desenvolvimento de “uma nova cultura política”, fundamentada no crescimento do poder popular: WHAT THE HELL IS THAT??? Visivelmente, Chávez está querendo “criar” militantes, ainda infantis.
– o Estado controlará o ingresso de professores, mesmo no ensino privado. Não vejo lógica nisso, se o Estado já controlará a qualidade do ensino. Para mim, é uma forma de intervenção.
– Para o ensino superior, “algumas carreiras” serão reservadas à “algumas instituições”, por sua “natureza, alcance, impacto social e interesse nacional”. Basicamente, o governo escolherá quem seguirá determinadas carreiras. Isso é DEVERAS GRAVE.

Especialmente enquanto estou lendo o livro 1984, estas “pequenas alterações” propostas me causam muito pavor.

Cada vez mais claro que VENEZUELA IS THE NEW CUBA.





Ele conseguiu

16 02 2009

Não dá pra negar que Hugo Chávez tem uma virtude: a persistência. Após ser derrotado em um referendo que lhe daria poderes ilimitados de legislar (o que não chega a ser um inconveniente, já que ele tem ampla maioria no congresso), ele conseguiu fazer outro referendo e obter o aval de 54,36% dos venezuelanos para permitir a reeleição ilimitada do presidente e de todos os detentores de poderes políticos.

diiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiictador

"diiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiictador"

Mais um triste capítulo em direção da provável desdemocratização, que atrasará nosso continente.





No SAFARIZÃO 2010, a zebra é albirroja

13 10 2008

Apesar da COMPLETA IRRELEVÂNCIA da seleção brasileira de futebol (a.k.a. NIKE BRAZIL), a nona rodada das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010 FIFA deve ser mencionada. O Brasil mostrou que Dunga é o cara e venceu a <ironia>temível</ironia> Venezuela por 4 x 0, na terra de SADDAM CHAVEZ e manteve a vice-ponta, empatado com a Argentina, que ganhou do Uruguai por 2×1, no Monumental de Nuñez.

O Brasil teve o retorno de Kaká e, com isso, conseguiu um resultado maiúsculo em San Cristóbal. Três dos quatro gols da partida foram marcados no primeiro tempo, por Kaká, Robinho e Adriano. No segundo tempo, Robinho marcou novamente e decretou o placar final da partida.

upa, upa

"upa, upa"

O Paraguai manteve sua GRANDE PRESENÇA e venceu a Colômbia, próximo adversário do Brasil, em Bogotá. El gordito Cabañas desconheceu a altitude bogotana (até porque está acostumado) e marcou o único tento do jogo. Com isso, o CAVALO mantem distância de 4 pontos sobre Argentina e Brasil, ao final do primeiro turno do torneio.

Em Buenos Aires, a albiceleste contou com seus astros “espanhóis” – Messi e Aguero – para marcar contra o Uruguai, que descontou com o bambi Lugano, ainda no primeiro tempo.

Nos outros jogos, o Equador venceu o Chile por 1×0 e a Bolívia ganhou de 3×0 do Peru.

Resultados da nona rodada

– 11/10 – 16:00 – Bolívia 3 x 0 Peru

– 11/10 – 18:10 – Argentina 2 x 1 Uruguai

– 11/10 – 20:20 – Colômbia 0 x 1 Paraguai

– 12/10 – 17:00 – Venezuela 0 x 4 Brasil

– 12/10 – 18:55 – Equador 1 x 0 Chile

Próximos jogos – 10a rodada:

– 14/10 – 17:00 – Bolívia x Uruguai

– 15/10 – 18:10 – Paraguai x Peru

– 15/10 – 20:15 – Chile x Argentina

– 15/10 – 22:00 – Brasil x Colômbia

– 15/10 – 22:00 – Venezuela x Equador

Classificação atualizada:





Paraguai líder incontestável

10 09 2008

Ontem o líder das eliminatórias sulamericanas para a Copa do Mundo de 2010, o Paraguai, mostrou tranquilidade ao vencer a Venezuela por 2×0, em Asunción e garantir a liderança da competição nesta rodada.

Os dois gols foram anotados na primeira etapa, por Cristian Riveros e Nelson Haedo Valdez. Com a vitória, os albirrojos chegam a 17 pontos e não poderão ser alcançados nem pelo Brasil nem pela Argentina, que dividem a segunda colocação com 12 pontos.

A campanha paraguaia é irrepreensível, com apenas uma derrota, contra a Bolívia, por 4×2, em La Paz. No mais foram 5 vitórias e 2 empates, incluindo a vitória por 2×0 sobre o Brasil, em Asunción e o empate por 1×1 com a Argentina, em Buenos Aires, na rodada anterior.

Hoje, os outros 4 jogos que fecham a oitava rodada, a penúltima do primeiro turno das eliminatórias:

– Uruguai x Equador

– Chile x Colômbia

– Brasil x Bolívia

– Peru x Argentina





Eixo do Sul

5 08 2008

Os presidentes de Brasil, Argentina e Venezuela tiveram uma reunião, em Buenos Aires, para tratar de fortalecimento regional, blá blá blá. Na verdade, a ida de Chávez a esta reunião não estava prevista pela diplomacia brasileira, mas o presidente venezuelano foi convidado por Cristina Kirchner.

Os jornais argentinos dão como turbulenta a situação atual das relações internacionais entre Brasil e Argentina, especialmente pela postura tomada pelo Brasil na reunião da OMC. O Brasil votou sem discutir o assunto com a Argentina e isso está sendo entendido como traição, em Buenos Aires. Diz-se por lá que o Brasil está se bandeando pros lados dos ricos (EUA e UE). Lulla, por sua vez, fingiu que nada havia e continuou esbanjando sua pose de presidente do universo.

O perigo da iniciativa é uma união demasiado íntima das três potências sulamericanas esquerdistas, que pode enfraquecer demais a direita na região. Isso significa, principalmente, isolamento à Colômbia. Eu não veria problemas em fortalecer laços com um país cujo subsolo valoriza-se exponencialmente, porém, ser amigo de um lunático traz mais problemas do que benefícios. Penso que, pelo bem da democracia, o Brasil deveria posicionar-se contra a política de Hugo Chávez. Mas isso não acontecerá com Lulla no poder.

Dar demasiada trela para Chávez é errado. Entendo que a Argentina o faça, já que o déspota bolivariano tem financiado largamente o país platino. Mas a postura correta seria deixá-lo falando sozinho.