Jogo morno – bom resultado

18 10 2009

Voltando à ativa, depois de uma proveitosa viagem aos países do Mercosul, é hora de voltar a escrever sobre o tricolor. Faz tempo que não assisto a jogos do Grêmio no Olímpico, por vários motivos. Aparentemente, hoje, além de mim quase a nação inteira resolveu abandonar o time. Quando iniciou a transmissão da RBS, por Deus, fiquei com vergonha. A parte “visível” (pelas câmeras) do estádio estava quase VAZIA. Não tenho o número exato de torcedores, mas acredito que tenha sido um dos mais baixos do ano. Isso numa tarde de domingo, ensolarado, de boa temperatura.

Absurdo.

Em campo, num primeiro momento, parecia que o time acompanhava esta falta de mobilização da torcida, motivada pela falta de determinação da direção: dava a verdadeira impressão de que o time não tinha vontade, ganas de vencer. As primeiras e melhores chances de gol eram da equipe visitante – coordenada pelo grande maestro Marcelinho Paraíba – um dos maiores erros da atual administração gremista (sua não-contratação, quando estava disponível).

As grandes defesas de Victor garantiam a segurança na meta tricolor. Mas no final do primeiro tempo, finalmente uma grande chance de gol – e o gol efetivo: Perea fez grande jogada pela esquerda e chutou, com pouco ângulo, mas sem defesa para Edson Bastos. 1 x 0 e tranquilidade para o agora contestado Paulo Autuori.

"éste es el hombre" (Gazeta Press)

No começo do segundo tempo, Renatinho do Coritiba foi expulso, depois de absurda entrada por trás em Lúcio, que arrancava da defesa. Mas, mesmo com um a menos, o Coritiba voltava a ter bom volume de jogo e ameaçar de forma real a meta de Victor, que novamente “cometeu” boas intervenções. Tcheco e Maxi Lopez tomaram seus terceiros cartões amarelos e estão fora do Grenal. O “comandante” do Grêmio fez novamente uma partida de pouca qualidade e inspiração – perdia bolas fáceis, pouco criava. Uma atuação dentro da sua média, digamos. Provavelmente o LOIRÃO será uma perda mais sentida, pois sempre faz boas jogadas e participa ativamente do jogo. Sem falar que, com a lesão de Jonas, seu substituto será, provavelmente, Herrera, que não vem jogando bem.

Tcheco foi substituído por Renato Cajá, que teve atuação fraca. Errava passes fáceis, inversões de bolas. Conseguiu o absurdo de errar dois gols feitos, em jogadas bem construídas por Maxi. Mas, num cruzamento do argentino, a bola chegou para Souza, que mandou bem, com qualidade, no canto esquerdo de Bastos. 2×0.

Quando o jogo já estava nos acréscimos, a torcida gritou de entusiasmo. Não se tratava do terceiro gol gremista, mas do empate do Fluminense com o Internacional, no finalzinho do jogo.

Os resultados paralelos foram relativamente bons para o Grêmio almejar o G4. Foram bons para o Inter também, mas a sua não-vitória deixou tudo mais tranquilo para quem seca. O Grenal, além de um jogo valendo 3 pontos, terá grande importância para ambas equipes. Pode-se dizer que se trata de um jogo de 6 pontos, mais para o Grêmio do que para o Inter. Acredito que o tricolor deveria muito aproveitar a fragilidade “emocional” do colorado e buscar a vitória. Mas é muito mais esperável um comportamento defensivista do time de Autuori e, consequentemente, derrota fora de casa no próximo domingo.

Anúncios




Tempo escasso

14 09 2009

Embora possa parecer que eu esteja me referindo ao pouco tempo que resta ao Grêmio para tentar se recuperar no campeonato brasileiro, na verdade estou falando do MEU escasso tempo para fazer posts mais decentes. Por isso, apenas para marcar a data, quero comentar rapidamente sobre a vitória de 2×0 do Grêmio no Náutico, fora de casa, finalmente.

O Grêmio não fez grande partida – e não precisava. Claro que seria melhor ter jogado mais, até porque cansaço não é um problema num grupo que tem jogado só uma partida por semana nos últimos tempos. Mas foi objetivo e conseguiu fazer dois gols nas praticamente únicas conclusões que teve no jogo – teve algumas poucas mais no primeiro tempo. No segundo, praticamente assistiu ao Náutico.

O Náutico assustou no primeiro tempo, exigiu algumas grandes defesas de Victor. No segundo tempo, houve um paradoxo: o jogo foi MEIA-LINHA, com o Náutico atacando sem parar e o Grêmio só se defendendo. Porém, o Náutico NÃO CONCLUIA A GOL. Aparentemente o tricolor arrumou sua defesa, que estava vazando um pouco na primeira etapa.

Tcheco fez um primeiro tempo de qualidade, sendo dele as assistências para os dois gols, de Souza e Jonas. O segundo gol, do artilheiro do campeonato (12 gols, junto com Adriano), foi realmente bonito. Além dos gols, teve uma conclusão do Tcheco que me chamou a atenção.

Maxi Lopez somente participou positivamente no primeiro gol, tirando a marcação de Souza. Fora isso, foi trombador, não acrescentou nada e ainda foi expulso idiotamente. O cara fica um tempão fora do time por lesão e agora vai ficar mais um jogo de molho. Lamentável.

O que posso dizer é que foi bom que o Grêmio finalmente ganhou, mas não dá pra sair dando graças a Deus. Estes 3 pontos basicamente foram uma espécie de compensação pelo empate contra o Vitória. Precisaria vencer mais jogos fora para conseguir, de fato, recuperar posições e pensar em ficar entre os 4 primeiros.

Sobre a rodada: sem dúvida ela coloca mais um time como favorito ao título. O de sempre.

P.S.: 106 anos NO LOMBO, mas pareces um gurizinho. Parabéns Grêmio!





Sobre sábado

7 09 2009

Vou aproveitar uns minutinhos deste feriado, enquanto descanso minha cabeça dos estudos para o teste da ANPAD, para fazer meus comentários sobre o jogo do Grêmio contra o Vitória, sábado. Foi provavelmente uma das piores atuações do time em termos ofensivos e de criação de jogadas, no Olímpico. Mas, sem dúvida, foi a pior de todas as partidas do sistema defensivo. Irreconhecível. Vazou completamente e o Grêmio teve muito mais sorte do que juízo de não ter saído com uma goleada no lombo. Além da mãozinha do árbitro, que expulsou Magal injustamente.

Para a imprensa e para grande parte da torcida, este jogo será marcado pelo “erro” da substituição de Tcheco por Douglas Costa para o início da partida. Coloco entre aspas, pois eu não creio que tenha sido equivocada. Aliás, o mau desempenho da armação tricolor não foi melhorado depois que o “eterno 10” entrou no time, no segundo tempo. No máximo, melhorou um pouco a qualidade dos cruzamentos e das cobranças de escanteio.

Nota mental: PROIBIR Souza de cobrar escanteios.

Pra mim, o grande erro foi ter lançado mão de Fábio Rochemback de cara, na mesma semana em que ele foi apresentado. O Grêmio não tinha grandes problemas na volância, apesar da instabilidade de Túlio e Adilson. Mesmo que Autuori tenha pensado em Rochemback como um armador mais recuado, a falta de entrosamento da nova contratação compensou negativamente qualquer vantagem tática imaginada. Pior ainda foi o treinador não ter sacado-no do time no intervalo ou no segundo tempo, quando despencou fisicamente.

Douglas tem demonstrado alguma qualidade, mas sempre cai na falta de eficiência ou mesmo no excesso de firulas, mesmo mal acometido por Souza. Jogassem os dois de forma mais simples, provavelmente teriam muito mais sucesso. Curioso ninguém falar isso pra eles, ou melhor, demonstrar.

Além da péssima atuação do Rochemback, outro que muito me preocupa é Lúcio, que retornou ao Grêmio depois de rápida porém fulminante passagem no primeiro semestre de 2007. Sabemos que ele ficou muito tempo parado por causa de uma lesão grave que sofreu enquanto estava na Alemanha. Inclusive este é o motivo de ele não ter sido aproveitado pelo Hertha Berlin nesta temporada europeia. Lúcio foi um dos jogadores que ESTRAGARAM a atuação do Grêmio contra o Botafogo, no último domingo (desculpem por não ter postado sobre o jogo). Agora, contra o Vitória, ele repetiu tudo o que havia feito de ruim no Rio de Janeiro. O lado esquerdo, com ele, está ficando muito vulnerável e, para complicar mais, seus apoios estão terríveis. Ele está errando uma quantidade CATASTRÓFICA de passes. Creio que seria prudente retornar Bruno Collaço para a lateral e ir introduzindo Lúcio no time de forma mais gradativa, para pegar ritmo de jogo. O mesmo vale para Rochemback.

O salvador. De novo. (foto: Gazeta Press)

O salvador. De novo. (foto: Gazeta Press)

O gol do Vitória nasceu de um erro ridículo do cada vez mais inseguro Adilson. Cabeceou inexplicavelmente para trás uma bola fácil, dando um passe primoroso pro Neto Berola, que não desperdiçou. Mas é importante dizer que o Vitória já merecia o gol, pela qualidade e velocidade de seu contra-ataque. O Grêmio perdia bolas fáceis no meio-campo, deixando tudo mais tranquilo pro time do Vagner Mancini (que parece ter a manha de jogar contra o Grêmio – este ano enfrentou duas vezes no Olímpico e empatou as duas).

Tulio na lateral-direita foi inexplicável. Autuori queria muito vê-lo lá, e espero que tenha se convencido de que não serve. Deixa o cara no meio-campo e para de inventar, pô!

Apavorou muito a incapacidade tricolor de pressionar o adversário. Impressionantemente, o Vitória conseguia encaixar um contra-ataque atrás do outro sem que o Grêmio conseguisse, pelo menos, agredir minimamente. E, ainda mais preocupante, depois da incorreta expulsão de Magal, pois o time continuava sem ter o menor poder ofensivo. E tomando contra-ataques em sequência. Só no início do segundo tempo, o Vitória teve umas duas chances CLARÍSSIMAS de gol, sem contar as do primeiro tempo.

O gol de empate só saiu por pura insistência, em bom, porém, despretensioso cruzamento de Tcheco, que contou com a perfeita conclusão de primeira de Jonas. Lindo gol, que lhe rendeu a liderança na artilharia do campeonato com 11 gols, ao lado de vários outros.

Não identifiquei se a torcida vaiou o time ao final do jogo. Espero que sim, pois mereciam muito.

Finalmente acabou com esse papo idiota de que o Grêmio ainda visava o título. Baita conversa pra boi dormir. Neste momento, o Grêmio está “apenas” a 6 pontos do quarto colocado, o que significa que até as possibilidades de Libertadores estão bastante remotas no momento. Sem a tão esperada SACUDIDA no vestiário, vamos ter de nos contentar com SULA MIRANDA no ano que vem.

P.S.: linda atuação da seleção brasileira em Rosário. Destruiu com a Argentina. O terceiro gol canarinho foi de assistir CHORANDO de emoção. Tenho que dar o braço a torcer, mas Dunga realmente deu uma cara de time para a “seleNIKE”, apesar da inexplicável manutenção de Robinho.





Galo segue ao sabor de ROTH

24 08 2009
comeu a bola (Roberto Vinicius/Ag. Free Lancer/Futura Press)

comeu a bola (Roberto Vinicius/Ag. Free Lancer/Futura Press)

O Grêmio foi a campo com um certo friozinho na barriga – muito medo de perder a primeira partida em seus domínios. Afinal, estava claro que a vitória fora de casa não virá mais, então, há sempre o risco de se perder o HÍMEN.

Isso quase aconteceu no comecinho do jogo, quando o Atlético aproveitou alguns lances pela AVENIDA BRUNO COLLAÇO, que logo foi interditada, graças a Deus. Mas o galo conseguiu cruzar uma bola com perigo, que passou na frente da goleira mas não houve nenhum COCK por perto para mandar pras malhas.

Como o Grêmio não tem culpa pelo técnico dos outros, aos 7 minutos e pouco Tcheco chuveirou uma falta pelo lado esquerdo do ataque. A zaga atleticana brincou de PIMPONETA e Réver subiu altivo, para marcar 1×0.

O gol fez bem ao Grêmio, que passou a dominar o jogo. O Atlético não jogava nada. O destaque da partida, naquele momento, era o árbitro Wilson Souza de Mendonça, que além de sonegar um pênalti para Túlio, ficou atrapalhando o jogo nuns 5 lances, pelo menos, extremamente mal colocado em campo. Trofeu MANGOLÃO DE APITO pra ele.

Depois dos 20 minutos, em dois lances o Grêmio matou o jogo – os dois com a assinatura de Souza: em boa tabela com Túlio, o endiabrado chegou à linha de fundo, cruzando com perfeição para Perea que, livre, cabeceou na trave. Por sorte a bola caiu próxima a linha do gol, bateu nas costas do goleiro e entrou. Apesar do esforço em errar, o colombiano marcou seu segundo gol.

eu sei comemorar gols (Gazeta Press)

"eu sei comemorar gols" (Gazeta Press)

Alguns minutos depois, falta na frente da área, porém, à esquerda do ataque tricolor. Souza cobrou com rara perfeição. 3×0 em 29 minutos de jogo.

Daí era só requentar o BRODO (piada inevitável). O Grêmio ainda manteve um certo ímpeto ofensivista, mesmo com o placar amplamente favorável num curto espaço de tempo – isso me agradou. O quarto gol, acontecido no começo do segundo tempo, foi resultado desta contínua pressão exercida sobre o Atlético Mineiro, que nada conseguia fazer para mudar a situação. O gol do Jonas foi esquisitaço, aparentemente resultado de um erro total da defesa e dele mesmo, apesar da conclusão para as redes.

Aliás, incompreensível a DANCINHA feita por ele na comemoração do gol. Valeria uma versão daquele filme do Spike Lee “White strikers can’t celebrate goals”.

De novo, assinatura de Souza na co-autoria do tento.

Depois, o jogo ficou RÓNC. O Grêmio passou a COCHILAR na defesa, permitindo ao Atlético tentar mostrar algum futebol. O Galo, já DEPENADO, não desesperou, apenas se esforçou em tentar não fazer tão feio. Parecia que o Grêmio queria mesmo que o alvinegro mineiro saísse daqui com algum tipo de recompensa. Só esqueceram de avisar INVICTOR (gostei dessa), que fez uma defesa MAGISTRAL em chute de Diego Tardelli, de DENTRO DA ÁREA.

Mas logo depois, Evandro carregou a bola pela esquerda, esperou que Mário Fernandes FUGISSE (eterno), passou por dois zagueiros gremistas e chutou no canto. Um gol fácil, e bonito também. O de honra.

Boa apresentação do Grêmio, que rendeu o QUARTO 4×1 do Grêmio no Olímpico – o terceiro CONSECUTIVO. É difícil até de acreditar nisso. Em virtude do inesperado ofensivismo do Grêmio em seus domínios, o time atualmente conta com o terceiro melhor ataque da competição (37 gols, contra 40 do Barueri e 39 do Goiás) e o segundo melhor saldo (13, contra 14 do Palmeiras). Jonas, o PIOR ATACANTE DO MUNDO (a/c jornal Marca), está a dois gols do artilheiro do campeonato.

Agora, só de pensar no que pode acontecer no próximo jogo, contra o Botafogo, me dá uma profunda AGONIA. Porque não é FACTÍVEL o que acontece com o Grêmio. Simplesmente não dá pra aceitar. Ontem Souza gastou a bola, Tcheco jogou apenas medianamente. Se o 8 resolve jogar bem, talvez a gente tenha alguma chance.

Acertar passes. Fica a dica.





Habemus VICTOR

17 08 2009
te respeitei, diz Adriano (foto: Gremio.net)

"te respeitei", diz Adriano (foto: Gremio.net)

Numa tarde onde as duas equipes jogariam com vários desfalques cada, não era de se esperar grande futebol. De fato, o jogo foi um pouco esquisito, mas não dá pra reclamar da quantidade de chances de gol criadas por ambos os times, especialmente o Flamengo. O rubro-negro só não contava com a presença da DIVINDADE.

Victor teve atuação ANTOLÓGICA. Conseguiu anular o artilheiro do campeonato, o desconhecido Adriano. Fez, pelo menos, seis defesas difíceis, sendo umas 4 delas BEIRANDO O IMPOSSÍVEL. Não há como dizer algo em contrário, Victor estava EM CHAMAS. Ele deveria pegar TITULARIDADE na seleção, até o excelente Júlio César admitiria isso.

Feita a necessária (mas insuficiente) ODE ao arqueiro tricolor, vamos aos fatos. O jogo contou com o apagão no sistema defensivo do Grêmio, que facilitou muito o trabalho do Flamengo em criar chances de ataque. É simplesmente vergonhosa a presença de Jadílson na lateral-esquerda que, além de não apoiar UM ABACATE, não marca nem UM BICHO PREGUIÇA. Seria correto promover Bruno Collaço para titular, apesar da baixa experiência porque, se é para não apoiar, que pelo menos fique bem postado defensivamente. Nisso o junior é melhor que o veterano.

Confesso que tive calafrios cada vez que os ADRIANO BOYS subiam pro ataque, achando espaços na direita e na esquerda, principalmente nesta última. Embora, no lance do gol do Flamengo, o espaço estava na direita, onde o Mário Fernandes deveria estar. Naquele momento, o FUJÃO estava no meio da área. Mesmo assim, o guri teve boa atuação, principalmente na marcação.

muito MESTRE (foto: gremio.net)

muito MESTRE (foto: gremio.net)

Réver teve grande atuação (nenhuma novidade) jogando na VOLÂNCIA, inclusive, ao tabelar com Douglas Costa (que também jogou bem), driblou dois e fez um golaço quase impensável para um jogador de defesa. Porém, tenho dúvidas se ele deveria continuar nesta função, pois a zaga ontem esteve fragilizada.

Apesar de ter marcado o primeiro gol gremista, Perea teve fraca atuação no primeiro tempo. No segundo, conseguiu movimentar-se melhor e foi lançado algumas vezes com bastante liberdade. Teve uma excelente chance, defendida por Bruno e depois, foi derrubado. Embora eu ache que ele dobrou as pernas antes mesmo de ser atingido. Pra mim, foi MIGUÉ. Jonas não jogou um ovo, mas fez dois gols de pênalti. O primeiro, muito bem batido. O segundo, mais sorte que juízo.

Adilson não comprometeu desta vez. Túlio esteve um pouco abaixo de suas melhores possibilidades. Quando Joílson entrou no lugar de Douglas Costa e tomou um cartão logo no primeiro lance, já temi pelo pior – será expulso de novo. Mas não, se recompôs e conseguiu ter uma boa atuação nos poucos minutos que jogou, inclusive sofrendo um pênalti – este sim, verdadeiro.

Pelo menos não foi desta vez que o Grêmio perdeu o CABACINHO 2009 no Olímpico. Pena que a ESQUIZO continua pegando firme. Best at home, worst away. Aposto duas BALAS XAXÁ que os títulos de algumas matérias na Zero Hora, ClicRBS e outros veículos serão: “Hora de vencer fora de casa” ou “Grêmio tentará vencer a primeira fora”.

Eu até apostaria as balas, se soubesse onde encontrá-las. Se alguém souber, me avise. Muita nostalgia das AMARELINHAS.

E assim fechou o placar em 4×1 no último jogo do primeiro turno. Que não está definido, por causa do ASTERISCO. Considerando que o Inter está em GRANDE FASE, tendo vencido duas partidas seguidas contra adversários de ALTO NAIPE, é provável que vencerá o Atlético Mineiro em casa e conseguirá pelo menos um empate contra o Santos, na Vila. Se confirmando isso, o Inter ultrapassaria o Palmeiras no primeiro turno. Porém, o confronto entre os dois times acontecerá antes mesmo do colorado PAGAR O QUE DEVE ao certame. Este “confronto direto será decisivo para a definição do líder.

Dizer que o TRICO precisa ganhar fora pra conseguir pegar G4 é redundância demais. Nem preciso me dar ao trabalho.





Com dois a mais, é covardia

3 08 2009

O jogo de ontem, mais uma vez com péssimo público no Olímpico, teve alguns “mais do mesmo”, infelizmente. Porém, algumas (boas) novidades também.

O Cruzeiro seria um caco daquele que me deixou meio cansado na semifinal da Libertadores deste ano. Afinal, dois jogadores IRRELEVANTES, como Kléber e Wagner, estariam ausentes do time estrelado. Portanto, uma postura mais defensiva da equipe mineira era esperada para o confronto.

O jogo mostrou, de fato, um Cruzeiro pouco interessado em buscar gols, ao contrário do Grêmio, que fazia pressão mas não conseguia concluir com qualidade. A história do jogo foi alterada cedo, pois Jonathan, que já havia sido amarelado num dos primeiros minutos do jogo, deu um carrinho estabanado em Tcheco, levou o segundo e foi expulso aos 17 minutos de jogo. Com a vantagem numérica, a pressão tricolor sobre o Cruzeiro foi grande, mas as conclusões a gol eram péssimas. Alguns minutos após a expulsão, Autuori ousou, ao trocar o lateral Thiego por Douglas Costa, com o objetivo de tornar o Grêmio mais ofensivo. De fato, o jogo se configurava positivo para uma boa atuação da jovem promessa, o que de fato aconteceu, mas sem nenhuma genialidade.

Da parte do Grêmio, teve destaque uma sequência ofensiva, depois de um passe sensacional de Tcheco para Túlio, que concluiu bem, mas o zagueiro cruzeirense tirou. Na cobrança do escanteio, Réver desviou e Jonas cabeceou no poste, no rebote, Souza achou Tcheco na direita que cruzou – Fábio espalmou para fora da área, a bola sobrou para Fábio Santos, que chutou forte e alto, no meio do gol, para boa defesa do goleiro cruzeirense. Uma sequência de tirar o fôlego!

Uma “recuada” de bola de Fábio Santos para o goleiro do Cruzeiro, numa ótima jogada de Jonas, aos 38 minutos, precedeu o que poderia ter sido o desastre: o estrelado saiu em contra-ataque, cruzou da direita para área, sem perigo e Tcheco, idiotamente, deixou o cotovelo nas costas de Wellington Paulista, numa jogada que não tinha grande perigo, com a defesa toda arrumada. Num primeiro momento, eu acreditei que Evandro Rogério Roman estava sendo exagerado. Mas, depois do intervalo, no momento que Tcheco disse que era um lance “de interpretação”, praticamente assumiu que foi sim, pênalti (se ele achasse que não tinha sido, teria negado). Wellington cobrou e marcou o gol clássico do “quem não faz, leva”.

ninguém imita Claudio Millar impunemente (Lucas Uebel/VIPCOMM)

ninguém imita Claudio Millar impunemente (Lucas Uebel/VIPCOMM)

Uma ressalva: se eu fosse goleiro e o cobrador do pênalti fosse destro, eu cairia SEMPRE para a direita. Se fosse canhoto, o inverso. Sério mesmo.

Apesar do primeiro tempo com a derrota no placar, a expectativa era de conseguir o empate, já que a diferença numérica se fez sentir em quase todo o primeiro tempo. A menos que Roman achasse uma expulsão contra o Grêmio, algo muito comum na arbitragem brasileira.

Aos 4 minutos, quase que Réver fez um GOLAÇO, ao receber livre na área, de costas para o gol, dominar e mandar de voleio. A bola passou no canto esquerdo do goleiro, perto do poste. Teria sido uma verdadeira PINTURA. Aos 5 minutos e meio da segunda etapa, o lance que determinou o fracasso cruzeirense: num lance no campo de ATAQUE, após perder uma bola para a defesa do Grêmio, Thiago Ribeiro deu um cotovelaço no rosto de Túlio. Um lance tri idiota, provando que Kléber FAZ ESCOLA. Pior foram os comentaristas do SporTV, visivelmente se baseando somente na câmera lenta, que sempre elimina a POTÊNCIA do lance, disseram que foi exagero do árbitro. Assim é fácil ganhar salário…

A partir daí, OITO a UM era o mínimo resultado possível. E foi QUASE isso.

Réver aos 13′, empatou. Tcheco, adiantado, meteu a bola no cantinho esquerdo de Fábio para marcar o segundo gol, aos 19′. Detalhe: ele estava sim, adiantado, mas o “passe” foi, na verdade, a tentativa do zagueiro do Cruzeiro de tirar a bola de Jonas. O gol foi legal e parem de chorar. Jonas aos 30′ e Maxi López, aos 43′, fecharam a contenda. GOLAÇO o do Maxi, diga-se.

derrapar na caixa é o que há (Roberto Vinícius/Ag. Free Lancer/Futura Press)

"derrapar na caixa é o que há" (Roberto Vinícius/Ag. Free Lancer/Futura Press)

Aliada à derrota do Vitória (cacofonia eterna) para o SPFC, no Barradão, o Grêmio fica dono da melhor campanha em casa no Brasileiro 2009, com 85,2% (7v, 2e, 0d – 23 pontos de 27 disputados). O Vitória tem 79,2% no Barradão (6v, 1e e 1d – 19 pontos em 24 disputados).

Falando em desempenho dentro e fora de casa, não precisamos falar dos ridículos 4,76% do Grêmio que fez 1 ponto em 21 disputados fora do Olímpico, até agora. Em compensação, o Goiás, que ontem venceu o Santo André por 2×1, em São Caetano do Sul, tem nada menos que 70,8% de aproveitamento fora do Serra Dourada (5v, 2e, 1d). É a melhor campanha como visitante, o que lhe rendeu a terceira colocação, com 29 pontos, dois à frente do Internacional que poderia recuperar a posição mas não jogou nesta rodada (sua partida com o Santos será no dia 26/8).

Se alguém souber de algum site onde tenha a informação, já mastigada, do aproveitamento de cada clube em casa e fora, eu agradeço. Basicamente, eu tirei estas informações do site do Prof. Tristão Garcia, o Infobola, sempre rico em estatísticas relevantes.

Abaixo, a classificação atualizada, também extraída do Infobola.

CLASSIFICAÇÃO E CHANCES DE SER CAMPEÃO
Clubes Pontos ganhos Vitórias Empates Derrotas Saldo de gols Gols pró Gols contra Jogos
1. Palmeiras 34 10 4 2 14 28 14 16
2. Atlético-MG 31 9 4 3 12 31 19 16
3. Goiás 29 8 5 3 11 30 19 16
4. Inter 27 8 3 4 6 26 20 15
5. Corinthians 25 7 4 5 0 21 21 16
6. Grêmio 24 7 3 6 9 28 19 16
7. Vitória 24 7 3 6 3 23 20 16
8. São Paulo 24 6 6 4 2 20 18 16
9. Flamengo 24 6 6 4 0 24 24 16
10. Avaí 23 6 5 5 4 23 19 16
11. Barueri 22 5 7 4 8 33 25 16
12. Santos 20 5 5 5 -1 28 29 15
13. Botafogo 19 4 7 4 -2 23 25 15
14. Santo André 18 4 6 6 -4 20 24 16
15. Cruzeiro 17 5 2 8 -9 15 24 15
16. Coritiba 16 4 4 8 -5 22 27 16
17. Atlético-PR 15 4 3 9 -14 15 29 16
18. Sport 13 3 4 9 -5 22 27 16
19. Náutico 12 2 6 8 -16 18 34 16
20. Fluminense 11 2 5 9 -13 13 26 16
Chance
54%
15%
13%
9%
1%
1%
1%
2%
1%
1%
1%
1%




Em casa, a normalidade

27 07 2009

Minha expectativa pré-jogo nesta 14ª rodada foi a seguinte: o Grêmio venceria o jogo, mas teria muitas dificuldades por causa da pressão psicológica imposta sobre o time, após vários revezes em partidas fora de casa. Minha expectativa se confirmou apenas pelo aspecto da vitória, que aconteceu, mais uma vez. Porém, o Grêmio não teve grandes dificuldades, apesar de ter saído atrás no marcador, mas também não venceu com tanta facilidade como poderia.

Um time recheado de veteranaços, como Marcelinho Carioca e Fernando – aquele volante carrancudo que jogou no Juventude e no Inter – que tem nada menos do que 42 anos de idade, misturado com jovens. Este é o Santo André, que iniciou o campeonato relativamente bem mas vem caindo de rendimento nas últimas rodadas. O clube do ABC paulista, que enfrentou o Grêmio no fatídico ano de 2005 3 vezes, sendo que o Grêmio venceu duas e perdeu um dos confrontos, saiu na frente no marcador neste sábado, aos 19 minutos, num gol bastante esquisito.

Não vi este gol, pois tinha ido jogar meu salãozinho de todo sábado (congelando desta vez) e perdi quase todo o primeiro tempo. Incrível: quando liguei a TV, Souza cobrou o escanteio e o Rafael Marques desviou pro gol, fazendo o gol de empate. Eram 42 minutos de jogo. Isso verdadeiramente animou a equipe e então, apenas 3 minutos depois, Souza acertou um lindo chute de fora da área, no ângulo do goleiro NENECA:

Virada do placar ainda no primeiro tempo – melhor cenário impossível para a reversão de um placar adverso. Sem falar no “momento” obviamente favorável ao tricolor.

eu mando aqui

"eu mando aqui" (Roberto Vinícius/Ag. Free Lancer/Futura Press)

O segundo tempo começou mais tranquilo para o Grêmio, que dominava a bola e não via o Santo André fazer muitas investidas ao gol de Victor. Em um certo momento do jogo, o Grêmio perdeu um pouco essa vantagem e deixava o Santo André chegar mais, porém, sem conseguir arrematar a gol com qualidade. Aos 17 minutos o atacante Nunes, do time da região metropolitana de São Paulo, deu um tapa na cara de Herrera e foi expulso (o comentarista do SporTV disse que não viu intenção de agredir – ridículo).

Mesmo com o jogador a mais, o Grêmio não parecia tirar vantagem disso, embora a partir daí não correu mais riscos. Aos 34 minutos da segunda etapa, Souza cobrou uma falta na cabeça de Rafael Marques, que marcou seu segundo gol na partida e o terceiro do Grêmio. Aí era só festa.

te cuida, LÉO (Edu Andrade/Gazeta Press)

"te cuida, LÉO" (Edu Andrade/Gazeta Press)

(ok eu sei que a foto é do primeiro gol)

O Santo André ainda marcou mais um gol no último lance do jogo. Cobrança de falta para a área, Victor vacilou, ficando no meio do caminho entre sair do gol para socar a bola e ficando debaixo das traves. Como resultado, o jogador do Santo André conseguiu encobrir o goleiro com sua cabeceada. Não foi uma boa jornada de Victor, felizmente o Grêmio conseguiu marcar mais gols e garantir a vitória.

Com os três pontos o Grêmio foi a 21 e, naquela ocasião, estava em sexto lugar – porém, perdeu duas posições após os jogos do domingo.

Outros jogos

No mesmo horário do jogo do Grêmio, o Inter manteve sua má fase e perdeu pro Botafogo, no Engenhão, por 3×2. Saiu perdendo por 2×0, conseguiu buscar o empate no segundo tempo mas levou o derradeiro TENTO faltando 5 minutos para o final do jogo.

No domingo, destaque para a goleada do Palmeiras sobre o Corinthians, no mais importante clássico de São Paulo. OBINA 3 x 0 Corinthians. Com a vitória, o verdão, que ainda estava sendo comandado por Zezinho, fica na segunda colocação, empatado em pontos com o Atlético Mineiro, que PERDEU em casa, pro Goiás (tinha que ser ele), por 1×0.

O São Paulo conseguiu vencer o Barueri, na Arena Barueri, por 2×1, sendo que todos os gols foram marcados antes dos 20 minutos de jogo. O tricolor paulista vai para a 11ª posição e começa a melhorar sua campanha. No jogo, Washington foi expulso por reclamação e não enfrentará o Grêmio na próxima quinta-feira.

Pra fechar, os gols de Santos 1 x 2 Flamengo, que marcou a primeira vitória do Flamengo na Vila Belmiro na HISTÓRIA dos campeonatos brasileiros. Quero que prestem atenção no segundo gol rubro-negro, ao 1:50 do video.

OWN GOAL!